Publicidade

Desgaste da guerra na Ucrânia é evidente e pode levar a 'trégua sem paz'

Especialistas apontam para um conflito estagnado em meio a queda de ajuda militar aos ucranianos e isolamento geopolítico russo

Desgaste da guerra na Ucrânia é evidente e pode levar a 'trégua sem paz'
Publicidade

As tropas ucranianas continuam lutando para conter a invasão russa, que completa dois anos neste sábado (24). A defesa é suprida, sobretudo, pelo auxílio do Ocidente e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que vêm destinando bilhões em armamento e munições ao país. O alto volume de gastos, contudo, já deixa rastros negativos nos países aliados, resultando em um certo desgaste internacional.

+ Zelensky cobra países e diz que atraso na entrega de ajuda militar beneficia russos

Isso porque a duração da guerra surpreendeu a comunidade internacional, que contava com um conflito rápido e preciso - prevendo até uma possível vitória russa. Com a intervenção monetária, o Ocidente esperava resultados mais significativos nas batalhas contra os russos, o que não está acontecendo. Desde o final de 2023, as tropas ucranianos estão falhando em recuperar as regiões ocupadas, sem avanços significativos.

Essa estagnação está afetando os países aliados. Nos Estados Unidos, por exemplo, o presidente Joe Biden continua enfrentando resistência dos parlamentares republicanos em aprovar o pacote de US$ 60 bilhões ao governo ucraniano. Eles criticam a magnitude da assistência militar e monetária já enviada à Ucrânia, uma vez que Washington já destinou mais de US$ 111 bilhões para ajudar o país, e cobram investimentos internos.

Também é o caso de países europeus. Apesar da União Europeia ter aprovado recentemente uma ajuda de 50 bilhões de euros para a Ucrânia, bem como o 13º pacote de sanções contra a Rússia, as nações continuam enfrentando problemas econômicos. Uma das causas é o bloqueio da importação de gás e petróleo russo, o que forçou os governos a buscar outros fornecedores de energia, encarecendo o serviço à população.

A guerra de Israel contra o grupo extremista Hamas, iniciada em outubro de 2023, foi outro ponto que prejudicou Kiev. A rápida ofensiva israelense na Faixa de Gaza acabou ofuscando a invasão russa na Ucrânia devido ao alto número de mortes e feridos - atualmente em 30 mil e 69 mil, respectivamente -, além da crise humanitária. Muitos países começaram a enviar ajuda a Gaza, diminuindo os auxílios ao governo ucraniano.

Tais impasses se somam, ainda, ao erro de cálculo dos líderes ocidentais. As dezenas de pacotes de sanções não conseguiram colapsar a economia russa - principal plano para que Moscou não conseguisse mais financiar os esforços de guerra. O isolamento, na verdade, fez com que o governo ampliasse as alianças com outros países, como Coreia do Norte, Irã e China, resultando em apenas uma troca de parcerias econômicas.

“Na medida em que os países ocidentais mantêm as sanções sobre a economia russa, o Kremlin passa a buscar mais alianças com outros governos também vistos com desconfiança, que no âmbito militar representam preocupações para os governos europeus e americano. Nesse cenário, o maior isolamento russo se converte no fortalecimento dos chamados “Estados páreas”, explica Giovana Branco, pesquisadora de política russa e doutoranda de Ciência Política (USP).

O mesmo é dito por Augusto Dall’Agnol, doutor em Estudos Estratégicos Internacionais (UFRGS) e Senior Fellow do Instituto Sul-Americano de Política e Estratégia (ISAPE), que aponta ainda outro fator para o desgaste do Ocidente com a guerra: a capacidade de adaptação da Rússia. Segundo ele, enquanto os russos têm demonstrado pouca habilidade ou motivação para uma ofensiva, eles agora são “defensores competentes”.

Como exemplo, Dall’Agnol citou as ofensivas ucranianas em Kiev e Kharkiv em 2022, que romperam defesas russas sobrecarregadas. O mesmo ocorreu em Kherson, no mesmo ano, onde os ucranianos dominaram uma defesa russa logisticamente insustentável. Já em 2023, o exército russo melhorou as defesas na Ucrânia, colocando campos minados e recrutando reservas móveis e guarnecidas para atacar quando ameaçadas.

+ Rússia reivindica controle da cidade de Avdiivka após retirada ucraniana

“Romper defesas como essas historicamente provou ser muito difícil. Em uma guerra de atrito, a adaptação estratégica supera a adaptação tática. Há um ano, a Guerra Rússia-Ucrânia parecia destinada a durar. Nada ao longo do último ano serviu para mudar essa conclusão. De fato, muito aconteceu não apenas para reforçá-la, mas até mesmo para sugerir que uma vitória ucraniana completa é cada vez mais improvável”, pontua.

Apesar do cenário desanimador, Giovana afirma que os países ainda não projetam deixar de auxiliar a Ucrânia, pois a falta de financiamento militar deixaria as tropas ucranianas sem capacidade de retaliação e resistência aos ataques russos – situação já vivenciada por alguns soldados devido ao atraso das entregas militares. Nesse contexto, uma vitória russa seria quase certa, colocando a segurança da Europa em xeque.

"Embora o conflito não esteja evoluindo em termos de conquistas territoriais, é notória a capacidade da Ucrânia de não permitir maiores avanços russos em virtude dos armamentos enviados pela Otan”, diz a pesquisadora. “Mesmo que alguns países asiáticos tenham se beneficiado com acordos econômicos com a Rússia, o conflito é prejudicial a todos na medida em que compartimenta a política internacional”, completa.

Afinal, há possibilidade de cessar-fogo entre Ucrânia e Rússia?

Apesar de o cenário internacional ser imprevisível, não há no momento esperança de um cessar-fogo. De acordo com Roberto Uebel, professor de Relações Internacionais da ESPM Porto Alegre, a guerra está em uma “esfera de normalização”. O termo é usado para classificar um conflito que, sem muitas mudanças, já entrou na agenda política dos países, com batalhas que estão longe de acabar.

“O cenário se assemelha à guerra na Síria, que durou mais de uma década. No seu início, o conflito teve um auge nos debates internacionais, debates no Conselho de Segurança das Nações Unidas e movimentações geopolíticas – ou seja, uma divisão de poderes no tabuleiro internacional. O mesmo podemos falar, dadas as proporções, da guerra na Ucrânia, que está muito distante de um cessar-fogo ou acordo de paz”, explica.

Uebel indica que uma das possibilidades é que os países assinem um armistício – acordo no qual as partes envolvidas em conflito armado concordam em parar de lutar. A resolução não seria necessariamente o fim da guerra, uma vez que pode ser apenas um cessar-fogo enquanto se tenta realizar um tratado de paz. Ou seja, uma “trégua sem paz”.

+ Putin diz que é impossível derrotar a Rússia e sugere acordo com o ocidente

"Esse é um dos cenários que se desenha: um armistício. Os países continuariam teoricamente em guerra, mas sem agressões mútuas. Para isso, seriam criadas Zonas de Amortecimento, também conhecidas como ‘Zonas Tampão’ [áreas neutras], nas cidades ocupadas pela Rússia, como Donetsk e Luhansk. Isso não seria inédito. Já ocorre entre Coreia do Norte e Coreia do Sul, e Azerbaijão e Armênia”, diz o professor.

Para que isso aconteça, no entanto, o presidente Volodymyr Zelensky teria que desistir do plano de vitória total sobre a Rússia, que prevê a expulsão de todos os soldados do solo ucraniano, bem como a integridade territorial do país. Isso inclui a devolução das regiões anexadas ilegalmente pelo governo Putin em 2022 – Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporizhzhia –, além da Crimeia, anexada em 2014. O presidente Putin, que defende que as regiões são parte da Rússia, também teria que abandonar o controle dos territórios.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Guerra na Ucrânia
Ocidente
Ajuda militar
Rússia
Economia

Últimas notícias

Fortaleza registra 21 mortes em meio à onda de violência que atinge a cidade

Fortaleza registra 21 mortes em meio à onda de violência que atinge a cidade

Nove crianças e adolescentes, com idades de 8 a 16 anos, foram baleados durante um ataque a tiros em um campo de futebol na noite desta sexta-feira (21)
Nefo, morto no presídio em SP, prestava contas de atentados a comando do PCC na Bolívia

Nefo, morto no presídio em SP, prestava contas de atentados a comando do PCC na Bolívia

Chefe de plano contra Moro interrompido pela PF trocou 135 mensagens com três terminais bolivianos, em menos de um mês; fazendas de coca seriam QG da facção
Sobe para 8 número de vítimas de chacina em praça no Ceará

Sobe para 8 número de vítimas de chacina em praça no Ceará

Um carro e várias motos abriram fogo contra grupo na praça da matriz de Viçosa
Jovem de 20 anos desaparecido no DF é encontrado morto

Jovem de 20 anos desaparecido no DF é encontrado morto

Policiais civis localizaram o corpo de Yoshinori Kubota Lima no Guará. Ele estava desaparecido há 3 dias
Polícia investiga sumiço de adolescente grávida no Paraná

Polícia investiga sumiço de adolescente grávida no Paraná

Isis Victória Mizerski, de 17 anos, está desaparecida desde 6 de junho; suspeito já foi flagrado agredindo mulheres
Polícia do Rio prende em flagrante assaltante armado em hotel de luxo, em Ipanema

Polícia do Rio prende em flagrante assaltante armado em hotel de luxo, em Ipanema

Homem foi detido pela PM e chegou a fazer funcionário de refém, antes de se entregar
Mounjaro: Novo estudo diz que medicamento pode ajudar a tratar apneia do sono

Mounjaro: Novo estudo diz que medicamento pode ajudar a tratar apneia do sono

De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia, o uso da tirzepatida pode levar uma queda no número de interrupções respiratórias durante o sono
Como agia influencer preso suspeito de dar golpe de R$ 15 milhões com falsos investimentos

Como agia influencer preso suspeito de dar golpe de R$ 15 milhões com falsos investimentos

Registros de conversas mostram o desespero de vítimas enganadas por Gabriel Pinotti
Com doses próximas do vencimento, Saúde amplia vacinação contra dengue

Com doses próximas do vencimento, Saúde amplia vacinação contra dengue

Vacina deve chegar a mais municípios e crianças e adolescentes de 6 a 16 anos poderão ser imunizadas
SBT exibe o último Programa Eliana neste domingo (23)

SBT exibe o último Programa Eliana neste domingo (23)

Apresentadora agradece a todos que participaram do dominical com declarações à equipe e à família e um recado para Silvio Santos
Publicidade
Publicidade