Publicidade

Rosa Weber vota para anular decreto que concedeu indulto a Daniel Silveira

Ministra alegou que Bolsonaro não considerou interesse público e que quis apenas beneficiar um aliado

Rosa Weber vota para anular decreto que concedeu indulto a Daniel Silveira
No voto, a ministra ainda observou que a concessão de indulto é um ato administrativo e, portanto, passível de controle pelo Judiciário | STF
Publicidade

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Rosa Weber, votou para anular a graça constitucional concedida ao ex-deputado federal Daniel Silveira pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL). Na decisão, a magistrada, relatora do caso, afirmou que o ex-mandatário agiu com desvio de finalidade, uma vez que o decreto não considerou o interesse público, sendo publicado apenas para beneficiar um aliado político.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

"A verdade é que o fim almejado com o decreto de indulto foi beneficiar aliado político de primeira hora, legitimamente condenado pelo STF. Tal proceder revela uma faceta autoritária e descumpridora da Constituição Federal, pois faz prevalecer os interesses pessoais dos envolvidos em contraposição ao interesse estatal", disse Rosa Weber, frisando que o presidente quis criar "um círculo de virtual imunidade penal".

No voto, o primeiro da sessão, a ministra observou que a concessão de indulto é um ato administrativo e, portanto, passível de controle pelo Judiciário. Ela lembrou que, no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade, proposta contra indulto editado pelo ex-presidente Michel Temer, o Plenário entendeu que, mesmo se tratando de um ato privativo do presidente da República, é possível que se verifique se foram cumpridas as regras exigidas.

Entre as razões que podem motivar a nulidade do indulto, a relatora destacou o fato de o crime pelo qual a pessoa foi condenada ter vedação constitucional para o benefício, a concessão de auto indulto ou se os motivos apresentados forem falsos ou desconectados com a realidade. "Não se pode aceitar a instrumentalização do Estado, de suas instituições e de seus agentes para, de modo ilícito, ilegítimo e imoral, obter benefícios de índole meramente subjetivos e pessoais", defendeu.

Daniel Silveira foi condenado no dia 20 abril de 2022 a oito anos e nove meses de prisão pelo STF, por ataques a autoridades e estímulos extremistas. Um dia depois, Bolsonaro concedeu a graça constitucional, argumentando que a sociedade estaria em comoção pela condenação do ex-deputado federal, que "somente fez uso da liberdade de expressão" quando ameaçou, xingou e fez acusações contra ministros da Corte.

Apesar de ter os crimes perdoados, Silveira foi preso preventivamente em fevereiro deste ano, por ordem do ministro Alexandre de Moraes. O magistrado alegou que o ex-parlamentar descumpriu medidas cautelares, como uso da tornozeleira eletrônica e a proibição de conceder entrevistas. Além da detenção, policiais cumpriram um mandado de busca na casa de Silveira, resultando na apreensão de R$ 257 mil. A origem do montante é investigada.

+ PF cita "plena ciência" de Bolsonaro sobre fraude em registro de vacina

O indulto concedido a Daniel Silveira voltou a ser julgado no STF na tarde de 4ª feira (3.mai). A Corte leva em consideração as ações apresentadas pelos partidos Rede Sustentabilidade, PDT, Cidadania e PSOL, que alegam que a ação não possui interesse público e fere a separação de poderes. Para o PSOL, por exemplo, a graça constitucional está diretamente relacionada com a escalada de ataques à democracia que resultaram nos atos de 8 de janeiro.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
justica
rosa weber
vota
anular
decreto
concedeu
indulto
daniel silveira
graça constitucional
interesse publico
aliado politico
interesse pessoal
stf
camila-stucaluc

Últimas notícias

Kamala Harris se diz “honrada” com apoio de Biden “para derrotar Trump”

Kamala Harris se diz “honrada” com apoio de Biden “para derrotar Trump”

Atual vice-presidente dos Estados Unidos depende do sinal verde do partido Democrata para assumir candidatura principal
Bill Clinton anuncia apoio a Kamala Harris após desistência de Biden

Bill Clinton anuncia apoio a Kamala Harris após desistência de Biden

O ex-presidente dos Estados Unidos afirmou que o país já viveu muitos altos e baixos, "mas nada o preocupa mais do que a ameaça de mais um mandato de Trump"
Conheça cotados para substituir Biden na corrida eleitoral dos EUA

Conheça cotados para substituir Biden na corrida eleitoral dos EUA

Com desistência por reeleição, partido democrata escolherá novo representante. Kamala Harris e governadores estão entre cotados
Obama se pronuncia sobre desistência de Joe Biden e não menciona Kamala Harris

Obama se pronuncia sobre desistência de Joe Biden e não menciona Kamala Harris

Ex-presidente dos Estados Unidos elogiou Biden, mas advertiu que decisão deixa os democratas em "águas desconhecidas"
Após incentivar desistência de Joe Biden, ex-presidente da Câmara elogia decisão do atual presidente

Após incentivar desistência de Joe Biden, ex-presidente da Câmara elogia decisão do atual presidente

Para Nancy Pelosi, Biden é um patriota que “sempre colocou” os Estados Unidos em primeiro lugar
Boletim médico revela melhora de Biden em meio a desistência do presidente à reeleição

Boletim médico revela melhora de Biden em meio a desistência do presidente à reeleição

Líder democrata continua desempenhando todas as funções presidenciais, segundo comunicado divulgado neste domingo (21)
“É o interesse do meu partido e do país que eu me afaste”: leia a carta de desistência de Biden

“É o interesse do meu partido e do país que eu me afaste”: leia a carta de desistência de Biden

Presidente dos Estados Unidos abriu mão da disputa eleitoral e apoiou que a disputa fique com Kamala Harris, atual vice
Presidente da Câmara dos EUA pede que Joe Biden renuncie ao cargo

Presidente da Câmara dos EUA pede que Joe Biden renuncie ao cargo

Líder democrata desistiu da candidatura à reeleição
Trump diz ser "mais fácil" derrotar Kamala Harris após Biden desistir

Trump diz ser "mais fácil" derrotar Kamala Harris após Biden desistir

Candidato à presidência dos Estados Unidos comentou saída de democrata em entrevista a canal americano
Joe Biden apoia Kamala Harris como candidata democrata à presidência dos EUA

Joe Biden apoia Kamala Harris como candidata democrata à presidência dos EUA

Joe Biden anunciou desistência neste domingo (21)
Publicidade
Publicidade