Publicidade

PECs do marco temporal e da autonomia do Banco Central podem ser votadas nesta quarta (10) na CCJ do Senado

Propostas de emenda à Constituição têm gerado controvérsia; entenda o que está em jogo

PECs do marco temporal e da autonomia do Banco Central podem ser votadas nesta quarta (10) na CCJ do Senado
PECs do marco temporal e da autonomia do Banco Central podem ser votadas na CCJ do Senado | Montagem/Antonio Cruz e Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Publicidade

Duas propostas de emenda à Constituição (PECs) que têm gerado controvérsia, uma do marco temporal de terras indígenas e outra sobre autonomia ao Banco Central (BC), podem ser votadas, nesta quarta-feira (10), a partir das 10h, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal. Entenda o que está em jogo.

+ Lei Larissa Manoela: projeto endurece pena para pais que tirarem proveito do patrimônio dos filhos

Marco temporal: nova reação ao STF

A PEC 48/2023 recoloca no Congresso a discussão em torno do marco temporal. A proposta quer estabelecer que povos indígenas só porem reivindicar terras ocupadas e disputadas na data da promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988. Esse assunto não é novidade no Legislativo.

O Congresso já aprovou um projeto de lei (PL 14.701, de 2023) do marco temporal. Só que a constitucionalidade do PL é questionada no Supremo Tribunal Federal (STF). Agora, a PEC, assinada pelo senador Dr. Hiran (PP-RR) e por outros colegas da Casa Alta, pretende incluir essa regra na Constituição. O relator, senador Esperidião Amin (PP-SC), é favorável à aprovação.

+ Lira se reúne com Haddad e líderes da Câmara para discutir projeto da reforma tributária

No mesmo mês em que a lei foi aprovada, setembro do ano passado, o STF decidiu contra a tese do marco temporal. O governo vetou o trecho do projeto de lei, mas o Congresso reagiu e derrubou a medida. Em abril de 2024, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo, negou pedido para suspender a lei e determinou que o assunto deve ser discutido em audiências de conciliação.

O trabalho da comissão de conciliação começa em 5 de agosto e segue até 18 de dezembro, reunindo representantes de diversas esferas:

- Seis da Articulação dos Povos Indígenas (Apib);

- Três da Câmara dos Deputados;

- Três do Senado;

- Quatro do governo federal, indicados pela Advocacia-Geral da União (AGU), pelos ministérios da Justiça e Segurança Pública e dos Povos Indígenas e pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai);

- Dois dos estados em questão, apontados pelo Fórum de Governadores e pelo Colégio Nacional de Procuradores de Estado (Conpeg);

- Um do município em questão, escolhido pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e pela Frente Nacional dos Prefeitos (FNP).

Entidades indígenas, como a Apib, são contra o marco temporal e a proposta para estabelecer a tese na Constituição, afirmando que a PEC representa perigo para comunidades expulsas de terras antes de 1988 e pode travar novas demarcações de territórios.

+ Acampamento Terra Livre: história em quadrinhos narra trajetória de indígenas

"Marco temporal é uma tese ruralista e anti-indígena pois viola o direito originário dos povos ao território ancestral, já reconhecido na Constituição de 1988 e que a PEC 48 tenta alterar. A tese também ignora as violências e perseguições que os povos indígenas enfrentam há mais de 500 anos, em especial durante a ditadura militar, que impossibilitaram que muitos povos estivessem em seus territórios no ano de 1988", explica a Apib, em nota.

A Apib também critica audiências de conciliação marcadas por Mendes. Para a organização, esse assunto deveria ser discutido previamente no plenário do STF e tem sido feito de forma acelerada, sem escutar lideranças indígenas.

Autonomia do Banco Central

A PEC 65/2023 pretende dar autonomia financeira e orçamentária ao Banco Central. O texto é de autoria do senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) e transforma a autarquia, hoje ligada, mas não subordinada ao Ministério da Fazenda, em uma empresa pública. O relator, senador Plínio Valério (PSDB-AM), recomenda aprovação. Mas, na prática, o que mudaria?

+ Pacheco defende ampliação do debate sobre proposta que dá autonomia financeira ao Banco Central

Segundo o autor, a proposta redefine o BC nos moldes de outros bancos centrais internacionais, numa mudança que melhoraria a atividade de autoridade monetária e traria independência financeira — teria, por exemplo, receita própria em vez de depender de recursos do Tesouro Nacional.

Críticos veem na PEC riscos ao exercício de funções como estabilização da moeda e promoção do pleno emprego, além da retenção de recursos que atualmente são repassados à União.

Em nota conjunta divulgada nessa terça (9), Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Sindicato Nacional dos Técnicos do Banco Central do Brasil (SinTBacen), Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Distrito Federal (Sindsep-DF) e Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe) afirmam que a PEC 65 traz "insegurança institucional" e "representa risco à estabilidade do sistema financeiro e à higidez da atuação" do BC.

+ Pix por aproximação deve ser lançado em fevereiro de 2025

"A tradição institucional brasileira estabelece distinção entre os âmbitos de atuação das autarquias e o das empresas públicas, reservando àquelas o desempenho de atividades típicas de Estado e a essas o exercício de atividades econômicas. Faz-se claro que o BC exerce funções precípuas do Estado brasileiro, e, portanto, sua configuração deve ser mantida como autarquia, pois os prejuízos serão grandes com a transformação em empresa pública de direito privado", diz o comunicado.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Marco temporal
Banco Central
Política
Senado
CCJ
Congresso Nacional
Indígenas
Terras Indígenas

Últimas notícias

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Benefício é destinado a famílias com renda per capita de até R$ 218
SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta segunda-feira (15); assista!
Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Ele é suspeito de aplicar um golpe de rifa virtual que causou prejuízo de R$ 5 milhões a clientes
Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

O diretor da polícia dos Estados Unidos declarou que as autoridades “não deixarão pedra sobre pedra” na investigação sobre a tentativa de assassinato
Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

19º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo terminou neste domingo (14), em São Paulo
Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Corey Comperatore, de 50 anos, era bombeiro e tinha duas filhas. Ele morreu pelos disparos de Thomas Crooks. Outros dois homens foram feridos gravemente
Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Em nota de pesar, o presidente da República ressaltou, entre outros atributos, a “irreverência” na carreira do jornalista, que faleceu aos 87 anos
Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Segundo analistas, chance de retorno do ex-presidente ao poder aumentou, e ele é a favor da desregulamentação do mercado financeiro
Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Thomas Matthew Crooks, de 20 anos, foi o atirador que tentou assassinar Donald Trump
Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Esta é a primeira visita de um chefe de Estado italiano ao país em 24 anos
Publicidade
Publicidade