Publicidade

Saúde reforça alerta contra leptospirose e aumenta prevenção no RS

Estado registrou aumento de casos devido às enchentes; recomendação é procurar atendimento médico nos primeiros sintomas

Saúde reforça alerta contra leptospirose e aumenta prevenção no RS
Leptospirose é definida como uma doença infecciosa febril | Reprodução
Publicidade

O Ministério da Saúde informou que está monitorando o aumento de casos suspeitos de leptospirose no Rio Grande do Sul. As infecções, causadas por contato com a urina de animais (principalmente ratos) infectados ou com água contaminada, já resultaram na hospitalização de 54 moradores, enquanto quatro morreram pela doença.

+ Leptospirose: saiba como se prevenir da doença durante enchentes

A leptospirose está relacionada, sobretudo, às condições precárias de infraestrutura sanitária e à alta infestação de roedores infectados. Em cenários de desastres climáticos, como no Rio Grande do Sul, a persistência da bactéria no ambiente pode facilitar surtos da doença. A recomendação é procurar atendimento médico nos primeiros sintomas.

“Pacientes que tenham tido contato com água parada ou lama das enchentes, inclusive no processo de limpeza dos ambientes, e apresentem febre, dores musculares, dor de cabeça ou mesmo sintomas semelhantes à gripe, devem buscar atendimento médico em qualquer ponto da rede de atenção à saúde”, recomendou o Ministério da Saúde.

Até o momento, foram entregues 400 testes de leptospirose ao Rio Grande do Sul para ser usado na vigilância da doença. A pasta reforçou que o tratamento está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e não depende de confirmação laboratorial.

Como se prevenir em enchentes

A bactéria Leptospira penetra no corpo por mucosas da boca, nariz e olhos, e por meio da pele em caso de imersão prolongada na água contaminada. Feridas e cortes facilitam a infecção. Em situações de inundação, o Ministério da Saúde recomenda as seguintes medidas de prevenção:

  • Cubra cortes ou arranhões com bandagens à prova d’água;
  • Se possível, utilize botas e luvas para reduzir o contato com a água contaminada, ou sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés;
  • Após as águas baixarem, retire a lama e desinfete pisos, paredes e bancadas com água sanitária, deixando agir por 15 minutos (sempre com a proteção de luvas e botas de borracha);
  • Não nade ou beba água doce de fonte que possa estar contaminada pela água da enchente;
  • Descarte alimentos e medicamentos que tiveram contato com a água da inundação;
  • Trate a água antes do consumo, fervendo ou utilizando hipoclorito de sódio;
  • Caso seja profissional de saúde ou de resgate, use equipamentos de proteção individual (EPIs).

O controle dos roedores também é importante para evitar a proliferação da doença. Para isso, basta fazer o descarte adequado do lixo, evitando acúmulo de entulhos, e fechando frestas e aberturas em portas e rodapés. O lixo deve ser colocado em sacos plásticos ou em latões de metal com tampa, e armazenado em locais altos até que seja coletado.

Fui infectado. Há tratamento?

O tratamento deve ser feito com o uso de antibióticos a partir do momento da suspeita. Para os casos leves, o atendimento é ambulatorial, mas, nos casos graves, a hospitalização deve ser imediata, visando evitar complicações e diminuir a letalidade.

+ Surtos de sarna, piolhos e parasitas podem surgir em áreas de enchentes; veja como prevenir

Segundo o Ministério da Saúde, a antibioticoterapia está indicada em qualquer período da doença, mas sua eficácia costuma ser maior na primeira semana do início dos sintomas. Na fase precoce, são utilizados Doxiciclina ou Amoxicilina, e para a fase tardia, Penicilina cristalina, Penicilina G cristalina, Ampicilina, Ceftriaxona ou Cefotaxima.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Rio Grande do Sul
Chuva
Leptospirose
Ministério da Saúde

Últimas notícias

Putin elogia Coreia do Norte por apoio em guerra contra Ucrânia

Putin elogia Coreia do Norte por apoio em guerra contra Ucrânia

Presidente russo também alfinetou países ocidentais, dizendo que o plano de isolar Moscou não funcionou
Corpo de Jacqueline Laurence será velado no Teatro Tablado, no RJ, nesta terça-feira (18)

Corpo de Jacqueline Laurence será velado no Teatro Tablado, no RJ, nesta terça-feira (18)

Cerimônia ocorrerá das 10h e 14h e será aberta ao público; crematório será reservado aos familiares
Nota Fiscal Paulista libera R$ 34,7 milhões em créditos; veja como resgatar

Nota Fiscal Paulista libera R$ 34,7 milhões em créditos; veja como resgatar

Valor é referente às compras realizadas em fevereiro de 2024 e ficará disponível para transferência por um ano
Coreia do Sul volta a fazer disparos de advertência após norte-coreanos cruzarem fronteira

Coreia do Sul volta a fazer disparos de advertência após norte-coreanos cruzarem fronteira

Militares recuaram após os tiros; Seul acredita que violação não foi intencional
SBT News na TV: chuvas voltam ao RS e provocam novos alagamentos

SBT News na TV: chuvas voltam ao RS e provocam novos alagamentos

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta terça-feira (18); assista!
Brasil se aproxima de 6 milhões de casos e 4 mil mortes por dengue em 2024

Brasil se aproxima de 6 milhões de casos e 4 mil mortes por dengue em 2024

Números são maiores que os registrados em todo o ano de 2023
STF recebe queixa-crime de Bolsonaro contra Janones por crime de injúria

STF recebe queixa-crime de Bolsonaro contra Janones por crime de injúria

Deputado chamou ex-presidente de “assassino”, “miliciano” e “ladrãozinho de joias”; imunidade parlamentar foi rejeitada
Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Supremo confirma prorrogação das cotas em concursos públicos por unanimidade

Supremo confirma prorrogação das cotas em concursos públicos por unanimidade

Após validade expirada, novo projeto para Lei de Cotas tramita no Congresso Nacional com mudanças
Problemas de saúde podem estar relacionados com a falta de sono, diz pesquisa

Problemas de saúde podem estar relacionados com a falta de sono, diz pesquisa

Estudo também mostrou que rugas, olheiras e flacidez na pele são algumas das consequências de se dormir menos de 7 horas por noite
Publicidade
Publicidade