Publicidade

Até que ponto as Forças Armadas foram capturadas por Bolsonaro?

"Militares que tinham uma índole mais golpista encontraram espaço para exercer as suas convicções", diz a pesquisadora Adriana Marques

Até que ponto as Forças Armadas foram capturadas por Bolsonaro?
Publicidade

A presença de um general e de um almirante da ativa nas tratativas de um golpe político revelou que a ação foi mais do que uma pataquada de militares reformados. Estevam Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, do Exército, e Almir Garnier Santos, da Marinha, a partir de decisão do Supremo Tribunal Federal, foram alvos de busca e apreensão e estão proibidos de deixar o país e falar com outros investigados. No caso de Theophilo, ele ainda está suspenso do exercício de função pública.

+Defesa de Bolsonaro nega plano de golpe

Como militares na ativa eles tinham comando sobre a tropa. Mas até que ponto eles poderiam colocar em ação a tentativa de golpe? Qual a extensão da captura dos militares feita por Bolsonaro? As investigações da Polícia Federal reveladas na última quinta-feira (8) impendem novos avanços golpistas dentro das Forças Militares? Essas e outras perguntas são respondidas por Adriana Marques, doutora em Ciência Política e professora do curso de Defesa e Gestão Estratégica Internacional da Universidade do Rio de Janeiro (UFRJ).

“Durante o governo Bolsonaro, os militares que tinham uma índole mais golpista encontraram espaço para exercer as suas convicções. Eu acho que o governo Bolsonaro deu oportunidade para esse grupo de militares. Isso começa desde a crise política que culminou na deposição da presidenta Dilma Rousseff. Nós vemos um processo crescente de politização das Forças Armadas. O que os documentos da PF nos mostram é a extensão e o nível do envolvimento de um grupo importante, da cúpula das Forças, em um projeto golpista”, avaliou a professora Adriana Marques.

+Bolsonaro pediu atitude de ministros antes das eleições: "Se reagir depois, vai ter guerrilha"; veja vídeo

“Quando vemos o envolvimento da alta cúpula das Forças Armadas nesses preparativos golpistas, não é mais possível dizer que não havia envolvimento institucional com o processo de desestabilização da democracia. Sabíamos que tinha, inclusive dentro do Alto Comando do Exército, entre oficiais da ativa, entre comandantes de Forças, oficiais que estavam dispostos a abolir o Estado Democrático de Direito. Isso é muito, visto que tivemos um processo de redemocratização há décadas”, afirmou Marques.

Ainda segundo a pesquisadora, a operação da Polícia Federal (PF) e o vídeo divulgado na íntegra pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (9) deixam claro que uma parte da alta cúpula das Forças não está comprometida com a democracia. “Aquele discurso do agora senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS) é uma acinte. Ele fala claramente que as Forças Armadas não podem aceitar um processo que está sendo conduzido dentro de todas as normas do Estado Democrático de Direito. Isso é incitação à insubordinação militar, o que não é nenhuma novidade na carreira do Mourão que fazia isso quando estava na ativa e também depois quando era vice-presidente. Agora ele dá mais uma amostra da falta de compromisso com a República, com a democracia. É realmente lamentável que o Rio Grande do Sul tenha escolhido um senhor como esse para representar o estado por oito anos”, declarou a especialista.

+Mourão defende Augusto Heleno: "Jamais compactuaria com Abin paralela"

“Os conteúdos das buscas e apreensões e o vídeo são muito graves. Havia dentro do governo, militares da ativa que queriam prender juízes da Suprema Corte e o presidente do Congresso. Espero que os poderes Executivo e Legislativo reajam a esse tipo de atitude golpista e punam esses militares. Isso nunca aconteceu na história do Brasil. Mas enquanto não tivermos punição exemplar de militares, a nossa democracia vai continuar sofrendo percalços”, afirmou Marques.

A doutora em ciência política e professora do curso de Defesa e Gestão Estratégica Internacional finalizou a entrevista reforçando o papel constitucional das Forças Armadas e a necessidade da consolidação da democracia. “Elas devem ser neutras politicamente e subordinadas ao poder político eleito democraticamente. Mas aqui no Brasil isso não parece estar muito claro. Os militares querem dar opinião sobre tudo. A operação da PF e o vídeo divulgado comprovam o que já sabíamos por meio de apurações diversas. Não tínhamos áudio e vídeo, mas agora está ainda mais claro que esses senhores estavam trabalhando para desestabilizar a democracia no nosso país, finalizou Adriana Marques.

Confira a entrevista:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Bolsonaro
Golpe Militar

Últimas notícias

STJ decide no dia 20 se Robinho cumprirá pena no Brasil por estupro

STJ decide no dia 20 se Robinho cumprirá pena no Brasil por estupro

Ex-jogador da seleção foi condenado a noves anos de prisão por delito cometido na Itália
Ministro da Educação assume erros na divulgação de resultados do Sisu: "Está sendo avaliado"

Ministro da Educação assume erros na divulgação de resultados do Sisu: "Está sendo avaliado"

Camilo Santana citou adequações da nova lei de cotas e disse que a pasta apura internamente as causas da falha
Chuvas fortes devem atingir o Brasil até 4 de março

Chuvas fortes devem atingir o Brasil até 4 de março

Dados do Inmet mostram que grandes acumulados de chuva devem afetar 19 Estados brasileiros, sendo os principais Minas Gerais e os das regiões Norte e Nordeste
Bolsonaro diz que estado de sítio não é crime ao falar sobre "minutas do golpe"

Bolsonaro diz que estado de sítio não é crime ao falar sobre "minutas do golpe"

Ex-presidente voltou a negar que tenha sido dado o primeiro passo, em seu governo, para instauração de um estado de sítio no país
Poder Expresso: Fugitivos de Mossoró despistam há 14 dias o governo federal

Poder Expresso: Fugitivos de Mossoró despistam há 14 dias o governo federal

A força-tarefa que busca os detentos é formada por 540 agentes federais, drones, helicópteros e cães farejadores
Operação da PF mira esquema bilionário de comércio ilegal de ouro

Operação da PF mira esquema bilionário de comércio ilegal de ouro

Uma pessoa foi presa e treze mandados de busca e apreensão foram cumpridos
80% das mulheres não conhecem bem a Lei Maria da Penha, aponta pesquisa

80% das mulheres não conhecem bem a Lei Maria da Penha, aponta pesquisa

Já a Delegacia da Mulher é o serviço mais conhecido entre elas. Entenda o levantamento
Lula volta a dizer que Israel comete genocídio na Faixa de Gaza

Lula volta a dizer que Israel comete genocídio na Faixa de Gaza

Presidente da República foi convidado para participar da cúpula da Comunidade do Caribe (Caricom) e fez o discurso de abertura
Lula cria Casa de Governo em Roraima para enfrentar crise humanitária na Terra Indígena Yanomami

Lula cria Casa de Governo em Roraima para enfrentar crise humanitária na Terra Indígena Yanomami

Inauguração será feita nesta quinta-feira (28), em Boa Vista; Casa funcionará até 31 de dezembro de 2026
Dengue leva Distrito Federal, 6 Estados e 154 municípios à situação de emergência

Dengue leva Distrito Federal, 6 Estados e 154 municípios à situação de emergência

Brasil registra 973.347 casos e 195 mortes confirmadas em decorrência da doença, que é transmitida por mosquito
Publicidade
Publicidade