Publicidade

PF indicia ministro das Comunicações, Juscelino Filho, por desvio de emendas

Relatório da investigação já foi enviado para o ministro Flávio Dino, relator do inquérito no STF e ex-colega de Esplanada

PF indicia ministro das Comunicações, Juscelino Filho, por desvio de emendas
Ministro Juscelino Filho foi eleito pelo Maranhão à Câmara | Reprodução
Publicidade

A Polícia Federal (PF) indiciou o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil-MA), por supostamente participar de um esquema para desviar emendas parlamentares destinadas à Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Os valores ultrapassam R$ 800 mil e destinavam-se a obras de pavimentação.

A investigação da PF utiliza também um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) sobre obras que teriam beneficiado propriedades da família do ministro do governo Lula. O caso foi enviado para o ministro Flávio Dino, relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), e ex-colega de Esplanada de Juscelino.

Para a PF, mensagens analisadas no inquérito comprometem o titular da Pasta das Comunicações e demonstram sua participação no esquema.

O SBT News entrou em contato com o Planalto para um posicionamento, mas não obteve resposta. O espaço segue aberto.

O que diz o ministro?

Juscelino alega que a investigação, "que deveria ser um instrumento para descobrir a verdade, parece ter se desviada de seu propósito original". Também lembrou que indiciamento não presume culpa e que as acusações nada tem a ver com seu trabalho como ministro. Confira na íntegra:

"A investigação, que deveria ser um instrumento para descobrir a verdade, parece ter se desviado de seu propósito original. Em vez disso, concentrou-se em criar uma narrativa de culpabilidade perante a opinião pública, com vazamentos seletivos, sem considerar os fatos objetivos. O indiciamento é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito. É importante deixar claro que não há nada, absolutamente nada, que envolve minha atuação no Ministério das Comunicações, pautada sempre pela transparência, pela ética e defesa do interesse público. Trata-se de um inquérito que devassou a minha vida e dos meus familiares, sem encontrar nada. A investigação revira fatos antigos e que sequer são de minha responsabilidade enquanto parlamentar. No exercício do cargo como deputado federal, apenas indiquei emendas parlamentares para custear obras. A licitação, realização e fiscalização dessas obras são de responsabilidade do Poder Executivo e dos demais órgãos competentes. Durante o meu depoimento, o delegado responsável não fez questionamentos relevantes sobre o objeto da investigação. Além disso, o encerrou abruptamente após apenas 15 minutos, sem dar espaço para esclarecimentos ou aprofundamento. Isso suscita dúvidas sobre sua isenção, repetindo um modus operandi que já vimos na Operação Lava-Jata e que causou danos irreparáveis a pessoas inocentes. É importante lembrar que o indiciamento não implica em culpa. A Justiça é a única instância competente para julgar, e confio plenamente na imparcialidade do Poder Judiciário. Minha inocência será comprovada ao final desse processo, e espero que o amplo direito de defesa e a presunção de inocência sejam respeitados", assina Juscelino Filho.
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Polícia Federal
Esplanada
Governo
Governo Lula
São Francisco

Últimas notícias

Polícia Federal faz operação contra esquema de corrupção na Agência Nacional do Petróleo

Polícia Federal faz operação contra esquema de corrupção na Agência Nacional do Petróleo

Força-tarefa Ética no Tanque afastou dois terceirizados que prestavam serviços para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em SP
Eleições Municipais 2024: Em Belém, Edmilson Rodrigues tenta reeleição mas enfrentará bolsonarista e divisão de votos

Eleições Municipais 2024: Em Belém, Edmilson Rodrigues tenta reeleição mas enfrentará bolsonarista e divisão de votos

Além de vieses ideológicos, disputa na capital do Pará soma oito pré-candidatos e deve ter projeção nacional pela COP 30
"Ainda Estou Aqui", novo filme de Walter Salles, concorre ao Leão de Ouro no Festival de Veneza; veja lista

"Ainda Estou Aqui", novo filme de Walter Salles, concorre ao Leão de Ouro no Festival de Veneza; veja lista

Longa reúne novamente diretor e estrela de "Central do Brasil", Fernanda Montenegro; elenco ainda traz Selton Mello e Fernanda Torres
Tabata Amaral, pré-candidata do PSB  à prefeitura de São Paulo, é sabatinada

Tabata Amaral, pré-candidata do PSB à prefeitura de São Paulo, é sabatinada

Deputada federal é a terceira a participar de rodada de entrevistas promovida pelo SBT News, em parceria com a rádio Novabrasil
ENGANOSO: Vídeo enganoso sugere imposto de 26,5% sobre todo autônomo; reforma tributária cria exceções

ENGANOSO: Vídeo enganoso sugere imposto de 26,5% sobre todo autônomo; reforma tributária cria exceções

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Funcionária é demitida por justa causa após difamar empresa no LinkedIn

Funcionária é demitida por justa causa após difamar empresa no LinkedIn

Trabalhadora tentou recorrer, mas decisão foi mantida pela Justiça de Minas Gerais
Brasil Agora: Fazenda anuncia bloqueios no Orçamento; Kamala sobe tom contra Trump

Brasil Agora: Fazenda anuncia bloqueios no Orçamento; Kamala sobe tom contra Trump

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta terça-feira (23)
Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 61 milhões nesta terça-feira (23)

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 61 milhões nesta terça-feira (23)

Apostas podem ser feitas em casas lotéricas ou pela internet até as 19h
Presidente da Colômbia assina projeto de lei que proíbe touradas no país

Presidente da Colômbia assina projeto de lei que proíbe touradas no país

Medida atende pedidos de ativistas dos direitos dos animais; implementação será gradual até 2027
Servidores rejeitam proposta de reajuste do governo e anunciam greve geral

Servidores rejeitam proposta de reajuste do governo e anunciam greve geral

Paralisação acontecerá entre 31 de julho e 1 de agosto; serviços de fiscalização e de abastecimento de luz e água podem ser afetados
Publicidade
Publicidade