Publicidade

Após decretos de Bolsonaro, liberação de munições pelo Exército cresceu 851%

Foram vendidos 71.665.025 projéteis de 2019 a 2021, entre eles de pistolas, metralhadoras e fuzis

Após decretos de Bolsonaro, liberação de munições pelo Exército cresceu 851%
Só neste ano, houve a liberação de 41.161.895 munições (Divulgação/Agência Câmara)
Publicidade

A liberação de munições pelo Exército para colecionadores, atiradores e caçadores, os chamados CACs, cresceu 851% desde a assinatura dos decretos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que facilitam o acesso a armas de fogo no país. No total, foi registrada a compra de 71.665.025 projéteis, que servem para pistolas, metralhadoras e até fuzis.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

As informações foram obtidas com exclusividade pelo SBT News com dados do Exército, responsável pelo registro de balas no país por meio do Sistema de Controle de Venda e Estoque de Munição (SICOVEM). A reportagem comparou os números disponíveis de 2019 -- quando o governo deu início à política armamentista -- até outubro de 2021.

Só neste ano, houve a liberação de 41.161.895 munições -- 36.835.665 a mais que em 2019, quando foram vendidos 4.326.230 balas, entre maio e dezembro. O aumento foi de cerca de 851%. Com a facilitação do acesso ao armamento, a tendência foi de crescimento e, em 2020, foram adquiridas 26.176.900 munições -- 14. 984.995 a menos do que em 2021.

No mesmo período, como o SBT News mostrou, os decretos presidenciais autorizaram o acesso a ao menos 45 mil armas pesadas que, antes das regras, eram de uso restrito, como pistolas de calibre pesado, fuzis semi-automáticos e rifles de precisão. Só o Exército liberou 6.601 armamentos desse tipo.

Com a maior circulação de armas de fogo e, consequentemente, de projéteis, o gerente do Instituto Sou da Paz, Felippe Angeli, explica que o impacto de uma população mais armada é, principalmente, a violência letal. "Não se trata de opinião, há evidências científicas que demonstram o impacto negativo do aumento das armas e munições, que é, principalmente, a violência letal. Esse número acompanha o crescimento da venda de armas", justificou.

Para Angeli, há ainda o perigo do desvio de armas para o crime, com a falta de controle e fiscalização do Estado. "É preciso deixar muito claro: a arma do crime é a arma legal. Não existe fronteira entre a arma legal ou a arma ilegal. A arma de fogo não é um instrumento artesanal, não dá em árvore, na natureza, precisa de uma indústria", completou.

Política armamentista

Essas mudanças foram inauguradas pelo decreto n° 9.785/2019, que facilitava a concessão de porte de armas no país, inclusive o direito à compra de fuzil. No entanto, Bolsonaro foi aconselhado a revogar a resolução e substituiu o decreto original por outros três. São eles: o 9.845, o 9.846 e o 9.847 - todos reproduziram as novas regras dos calibres e da compra de armas e estão sendo analisados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

No último 17 de setembro, a Corte retomou o julgamento sobre a constitucionalidade desses decretos presidenciais. Mas o ministro Kassio Nunes Marques, indicado por Bolsonaro, pediu vista -- medida que garante mais tempo para analisar o assunto -- e interrompeu a análise do caso. O placar parcial conta, até o momento, com três votos contrários à facilitação, e não há previsão de data para a retomada.

Ao todo, são 14 ações analisadas pelo Supremo, apresentadas por partidos de oposição ao presidente da República, que abordam mudanças nas normas do governo sobre o tema. Em abril deste ano, a ministra Rosa Weber já havia concedido decisões provisórias sobre trechos de quatro decretos presidenciais.

Para a magistrada, as normas são "incompatíveis" com o sistema de controle de armas regulamentado pelo Estatuto do Desarmamento e ameaçam o dever de promover a segurança pública e o direito à vida. Ela determinou que o assunto fosse enviado ao plenário do STF para confirmar ou rejeitar sua decisão.

O decreto 9.845 trata apenas de posse de arma, ou seja, direito de manter o objeto em casa ou no trabalho; o 9.846, que permite a compra e o registro do armamento para caçadores, atiradores, profissionais e frequentadores de clubes de tiros, os CACs. O texto facilitava o acesso a armas de uso permitido e de uso restrito. Há, ainda, o 9.847, que tratava da aquisição, do registro, do porte e da comercialização de armas de fogo e munições.

A mudança de calibres e de acesso a armas foi inaugurada pelo decreto n° 9.785/2019. Bolsonaro, entretanto, foi aconselhado a revogar a resolução, com receio de perder no Supremo e no Congresso. Mas o presidente substituiu o decreto original por outros três, justamente os que estão sendo questionados no Supremo. São eles os decretos n° 9.845, o n° 9.846 e o n° 9.847 -- todos eles reproduziram as regras dos calibres, simplificados em portarias do Exército.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
governo
brasil
jair bolsonaro
munições
exército
aumento
decretos
armas de fogo
projéteis
política armamentista
números
facilitação
armamento
leonardo-cavalcanti
gabriela-vinhal
fernanda-bastos

Últimas notícias

Brasil registrou, em média, seis crianças desaparecidas por dia em 2022, diz Ministério da Justiça

Brasil registrou, em média, seis crianças desaparecidas por dia em 2022, diz Ministério da Justiça

Relatório tem objetivo de "compreender a fundo os padrões, causas e áreas de maior incidência dos desaparecimentos"
Galeria de fotos de ex-presidentes deve ser reinaugurada em breve no Palácio do Planalto

Galeria de fotos de ex-presidentes deve ser reinaugurada em breve no Palácio do Planalto

O espaço foi destruído em 8 de janeiro de 2023, quando golpistas invadiram sedes dos Três Poderes, em Brasília
Marido é sequestrado um dia depois do casamento

Marido é sequestrado um dia depois do casamento

Padrinho e testemunha do casamento também foram raptados; crime foi cometido enquanto mulher entregava buquê para pintura
Implosão do submersível Titan completa 1 ano: relembre a tragédia

Implosão do submersível Titan completa 1 ano: relembre a tragédia

Cinco pessoas morreram no acidente; investigações sobre a expedição continuam nos Estados Unidos
Justin Timberlake é preso em Nova York

Justin Timberlake é preso em Nova York

Cantor foi detido por estar dirigindo embriagado e está sob custódia da polícia local
Brasil registrou 127 homicídios por dia em 2022, diz Atlas da Violência

Brasil registrou 127 homicídios por dia em 2022, diz Atlas da Violência

Estudo também destaca mais de cinco mil mortes classificadas como "ocultas", quando a causa não foi esclarecida
Comerciante é vítima de fake news após assalto em joalheria

Comerciante é vítima de fake news após assalto em joalheria

Homem teve fotos e vídeos divulgados nas redes sociais como se fosse assaltante
Lula critica "taxa das blusinhas", mas sinaliza que não deve vetar medida: "Assumi compromisso"

Lula critica "taxa das blusinhas", mas sinaliza que não deve vetar medida: "Assumi compromisso"

Presidente admitiu acordo para cobrar 20% de PIS/Cofins em projeto do Mover; petista também falou sobre derrota no PL das "saidinhas"
Bill Gates aposta em startup para construir usina nuclear nos Estados Unidos

Bill Gates aposta em startup para construir usina nuclear nos Estados Unidos

Projeto visa construir unidade energética em uma antiga usina de carvão em Wyoming para atender a crescente demanda por eletricidade do país
Pauta de costumes "não tem nada a ver com realidade que estamos vivendo", comenta Lula sobre PL do aborto

Pauta de costumes "não tem nada a ver com realidade que estamos vivendo", comenta Lula sobre PL do aborto

Para presidente, debate é "cru" e assunto deveria ser razões que motivam necessidade do procedimento: "Estamos retrocedendo nesta pauta"
Publicidade
Publicidade