Publicidade

Como o ESG pode impulsionar o desenvolvimento sustentável das cidades?

Empresas de impacto positivo podem ser o que as prefeituras precisavam para, enfim, melhorar qualidade de vida

Como o ESG pode impulsionar o desenvolvimento sustentável das cidades?
Publicidade

Há mais de 30 anos o Brasil tem o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para acompanhar a evolução da qualidade de vida em todos os municípios. Só que, apesar do tempo, a situação pouco evoluiu. Lá no início, a média brasileira do IDH era de 0,613. Até 2015 cresceu para 0,753 -- e estagnou. Na última contagem do IBGE, de 2021, ficou com 0,754. Pra se ter um parâmetro, a pontuação máxima é de 1. O que faz parecer que o país está bem. Mas, em uma compração com outros 190 países, o Brasil ficar na 87ª posição.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

O IDH leva em consideração, principalmente, o que foi alcançado na educação, com os resultados das salas de aula. Também com a renda dos adultos. Além da situação de saúde da população em geral. Problemas que, mesmo sem uma análise, os brasileiros conseguiram dizer que pouco melhorou. Mas, atualmente, há uma nova chance para evoluir o IDH. Com um compromisso público-privado de impacto positivo, baseado no ESG, a sigla para meio ambiente, sociedade e governança que está mudando a forma de gerir negócios.

Mesmo sendo um movimento do mercado financeiro, que impõe normas para o setor privado, o serviço público acaba influenciado. Tanto porque precisa adaptar ou criar leis que assegurem o funcionamento das companhias, quanto porque os governos podem ser parceiros de negócios em algumas ocasiões e, portanto, também precisam atender à princípios de sustentabilidade para contribuir com as cadeias de produção -- o que também é observado pelos investidores.

Governos municipais interessados em evoluir nesse sentido podem aderir a um programa vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU), é o Sistema B. Assim fez São Paulo, que agora incentiva e acompanha as empresas a trabalharem o ESG. Conforme evoluem, gerando o impacto positivo onde está instalada, a cidade ganha.

"O Sistema B entra com a sensibilização e oferece uma ferramenta gratuita para que essas empresas possam acomapanhar os seus impactos positivos. Porque quando uma empresa se instala em uma cidade é desacabido que ela só extraia recursos e tenha lucros e não olhe para a comunidade do entorno, nas questões de mobilidade, de segurança alimentar", lembra a gerente de programas do Sistema B no Brasil, Luciana Scapin. Atualmente, o Brasil tem mais de 360 empresas listadas e mais estão sendo avaliadas para fazer parte. Quanto mais melhor. "Existe o que a gente chama de inteligência compartilhada. Às vezes eu não sou muito boa em um determinado indicador, mas outra empresa pode ser e me ajudar", completa Luciana.

Quando se somam os governos, ganham ainda mais força, como reflete o secretário de mudança climática da Prefeitura de São Paulo, Fernando Pinheiro Pedro: "Se a gente pensar que o conceito de economia é algo como colocar normas na casa ou no ambiente... e na medida que a gente tem um ambiente cada vez menor, porque estamos usufruindo dele ao limite, as normas passam a ser mais importantes. Então, não há como pensar nessa economia sem atuação dos governos e do estado. Em razão disso que nós temos hoje a própria economia privada estabelecendo normas sociais de convivência que, por natureza, deveriam partir do estado. Então, há hoje uma autorregulamentação. Mas também há um junção de fatores com o estado".

Em São Paulo, é a Secretaria Municipal de Mudança Climática -- uma das três desse tipo no país -- que trabalha o Sistema B com as empresas. "A prefeitura de São Paulo tem gestão climática com um plano, o primeiro do mundo com matriz ESG. Nós fizemos um grupo de trabalho, temos um grupo de consultoria muito forte, ouvimos as empresas de rating, temos 44 tarefas nessa agenda com princípios ESG", explicou Fernando. Contou ainda que "há um sistema de governança integrado com as empresas do transporte público, por exemplo, com 14.500 ônibus, a maior do mundo. Temos um comitê formado com as 32 concessionárias e estamos incentivando para que troquem suas matrizes energéticas, para a alétrica ou outro tipo, e estamos estudando como subsidiar. O mais importante, nós ouvimos muito".

A escuta ativa é um dos maiores desafios que se tem, de acordo com a consultora em urbanismo social, Katia Mello: "Não basta mudar para as pessoas, tem mudar com as pessoas. Tem que ouvir as necessidades, os problemas e respeitar as singularidades". Sobre isso, ela leva o assunto para outro exemplo. "Podemos falar também das áreas de risco. Onde se tem as enchentes, deslizamentos, os mais sérios problemas com as mudanças climáticas [...] ao intervir nessas áreas, o primeiro ponto é trazer esse nível de consciência para essa população, que muitas vezes não teve essa informação [...] se for risco quatro, essa população precisa entender que é preciso sair. Mas antes o governo tem que ter onde colocar. Também tem que evitar que outras pessoas ocupem aquele lugar desocupado, se não é como enxugar gelo", o que mostra como um trabalho também integrado dentro das próprias prefeituras, com suas secretarias, é importante.

Saiba muito mais assistindo o Foco ESG sobre cidades sustentáveis:

Veja também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
focoesg
esg
meio ambiente
sociedade
governança
sistema b
cidade b
sp+b
são paulo
sp
empresa
podcast
foco-esg

Últimas notícias

SP: Bombeiros encontram corpo de idoso após barco virar em Ilhabela

SP: Bombeiros encontram corpo de idoso após barco virar em Ilhabela

Buscas continuam por outras duas vítimas, que seguem desaparecidas
Pampa, campeão olímpico de vôlei, vai continuar tratamento contra câncer em São Paulo

Pampa, campeão olímpico de vôlei, vai continuar tratamento contra câncer em São Paulo

Ex-jogador foi transferido de hospital no Rio de Janeiro para capital paulista
Ministério da Saúde confirma 1º caso de cólera no Brasil após 18 anos

Ministério da Saúde confirma 1º caso de cólera no Brasil após 18 anos

Nota técnica informa que homem de 60 anos não viajou para regiões afetadas indicando infecção local
Policiais federais reclamam falta de combustível e fim de contratos, em meio a cobrança por mais verba

Policiais federais reclamam falta de combustível e fim de contratos, em meio a cobrança por mais verba

Nos estados, agentes acusam problemas para fazer operações com os cortes no orçamento; agendamento para fazer passaporte segue suspenso
Elenco da "Turma do Picapau Amarelo" faz visita ao Museu Monteiro Lobato, em SP

Elenco da "Turma do Picapau Amarelo" faz visita ao Museu Monteiro Lobato, em SP

Produção estreia em breve na plataforma de streaming +SBT
Apostador do Rio acerta números da Mega-Sena e leva sozinho R$ 102 milhões

Apostador do Rio acerta números da Mega-Sena e leva sozinho R$ 102 milhões

Próximo prêmio, estimado em R$ 3,5 milhões, será sorteado na terça-feira (23)
Madonna movimenta economia do Rio a menos de 2 semanas do show em Copacabana

Madonna movimenta economia do Rio a menos de 2 semanas do show em Copacabana

Cantora americana vai se apresentar gratuitamente na capital fluminense no dia 4 de maio
Novo ataque de Israel na Faixa de Gaza deixa 18 mortos

Novo ataque de Israel na Faixa de Gaza deixa 18 mortos

14 crianças morreram e um bebê foi salvo durante a ação
Lutador brasileiro é favorito para levar ouro nas Olimpíadas com Taekwondo

Lutador brasileiro é favorito para levar ouro nas Olimpíadas com Taekwondo

Henrique Marques foi parar no hospital e se recuperou em período recorde para voltar a tempo de conquistar a vaga
Número de crianças e adolescentes nas redes sociais cresce; especialistas alertam para uso consciente

Número de crianças e adolescentes nas redes sociais cresce; especialistas alertam para uso consciente

Pesquisa feita com estudantes mostra que um quinto deles acessou a internet pela primeira vez antes dos seis anos
Publicidade
Publicidade