Publicidade

Tome decisões e execute ações rapidamente, se quiser superar seus problemas de forma ágil

Protelar a execução de ações para solução de problemas apenas os agrava, exigindo soluções mais complexas

Tome decisões e execute ações rapidamente, se quiser superar seus problemas de forma ágil
Tome decisões e execute ações rapidamente, se quiser superar seus problemas de forma ágil
Publicidade

Em momentos de crise, é necessário tomar decisões de forma ágil para lidar com as situações de maneira eficaz. Gestores de empresas em crise precisam ser capazes de decidir e agir rapidamente, concentrando-se primeiramente em questões mais graves e de maior impacto. A indecisão é pior opção, deixando os envolvidos inseguros, aumentando a ansiedade e o estresse, prolongando o sofrimento e retardando a solução. Isso agrava ainda mais a crise, que poderia ser resolvida com menos recursos, utilizando-se ações de efeito imediato.

+ Conheça os colunistas do SBT News
+ Leia as últimas colunas de Estevão Seccatto

+ Leia as últimas notícias de Economia
+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Muitas vezes as decisões não serão unânimes, mas é importante tomar atitudes em vez de adiar ou protelar. Comparar a situação de quem quer salvar uma empresa em crise com a de médico plantonista de pronto atendimento pode ajudar a entender a importância de agir rapidamente. Tal qual o socorrista precisa tomar decisões rapidamente para salvar vidas, gestores de empresas em crise devem agir da mesma forma para salvá-las. Planejamentos complexos e planos sofisticados, que demoram meses para serem desenvolvidos e anos para serem executados, provavelmente evitarão que uma empresa entre em crises futuras, mas não ajudarão na superação de crises instauradas. 

Num dos casos que conduzi, confrontei a dona de uma empresa, que estava enrolando para deixar de pagar dívidas que poderiam ser renegociadas, apenas por que os gerentes dos bancos estavam pressionando. Ela sentia-se constrangida e tinha vergonha em não pagar. Nobre, mas ineficaz. Pacifico no curtíssimo prazo, mas insustentável por muito tempo. A demora por tomar a importante decisão de preservar o caixa para priorizar a operação da empresa, interrompendo imediatamente pagamentos não essenciais, colocou a empresa numa situação ainda mais delicada. A sócia insistia em usar os recursos escassos para pagar dívidas passadas, deixando, inclusive, de comprar matéria-prima por conta disso, e, apenas após meses, convenceu-se do contrário, mas já era tarde. A empresa faliu depois de um tempo, o que certamente teria sido evitado com gestão austera. 

Milagres não irão acontecer! Entretanto, vejo muita gente contando com isso. São administradores que enrolam para vender fábricas deficitárias, empreendedores que esperam longos períodos antes de encerrarem, por exemplo, comércios que não dão lucro, investindo mais dinheiro nos negócios, sabendo que os mesmos não irão pra frente. Pessoas que esperam que algo novo as tire de uma situação indesejada, mas, elas mesmas, mantêm-se estáticas, sem tomar atitude alguma, ou negligenciando atitudes profundas e drásticas que interromperiam a destruição de valor.

O processo de tomada de decisão deve se basear em informações disponíveis naquela data específica em que o problema foi percebido, e, se não houver qualquer indicativo de que a situação irá mudar, sem evidências realistas de alteração de cenário, protelar significa perder mais dinheiro. Simples assim. 

Tomar decisões difíceis é naturalmente desafiador para os seres humanos, mas é preciso superar a inércia psicológica, com energia e disposição para resolver conflitos (pessoais, internos, e com terceiros). Você não agradará a todos, provavelmente nem a você mesmo, isso é normal e não é exclusivamente seu (todos que empreendem passam por isso). Todavia, você precisa encarar os assuntos de frente, e resolver os problemas o quanto antes.

Durante quase 3 anos preveni que uma grande montadora de veículos paralisasse sua linha de produção por falta de peças e assessórios. Afim de otimizar custos, mas sem avaliar riscos, a gestão dessa montadora contava com apenas um fornecedor para cada componente do automóvel (cerca de 500 peças). Para itens de segurança, trocar esses fornecedores levava 18 meses. Um carro não é vendido se faltar uma peça, seja ela qual for e um dia de interrupção na produção custava cerca de R$1,5 milhão. Por dia! Não preciso dizer que, sabendo disso, os fornecedores tinham elevado poder de barganha com a montadora, e exigiam condições especiais de pagamento, antecipações, entre outros. Isso custava dezenas de milhões de reais por ano para a montadora. O que mais me impressionou, no caso, foi a resistência da administração em desenvolver novos fornecedores, para passar a ter no mínimo 2 por peça. Demora na tomada de decisão, protelação na solução do problema, burocracia, perda de dinheiro, por gente graúda.

Outro caso que experimentei foi o de uma empresa de pisos, que faturava R$300 milhões por ano e tinha R$200 milhões de estoques de pisos e o mesmo valor em dívidas. Sugeri ao dono que suspendesse a produção por alguns meses, cortando custos e vendendo o estoque para quitar a dívida, proposta que não foi admitida pelo sócio da empresa. Algum tempo depois a empresa foi forçada a pedir recuperação judicial para manter-se viva, tendo que parar a produção e vender o estoque. Medo na tomada de decisão, solução do problema de forma mais cara, menos flexível e com alta complexidade. Perda de dinheiro.

O presente texto foi realizado com informações disponíveis publicamente e com base na experiência prática de seu autor, não sendo recomendação de conduta, investimento de qualquer espécie. 

Estevão é professor de Turnaround na FIA Business School, formando mais de 2.200 profissionais na área. Autor do livro "Turnaround 100 Segredos, Guia Prático para Restruturar Empresas em Crise". Colunista do SBT News, Agência Estado e Money Times. Engenheiro naval (Poli/USP), com extensões em economia (Harvard), finanças e marketing (USP), tecnologia (Singularity), finanças (Duke), mestrando (Liverpool) e MBA em Banking (FIA). Foi head global de M&A da Atento (NYSE), restruturador de empresas pela KPMG e IVIX, diretor da G4S (LSE) e associado de private equity (IPO de 3 empresas). Ao longo de sua carreira, endereçou os desafios de mais de 150 empresas, de diversos setores e portes. www.seccatto.com

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
colunista
decisao
tomada de decisao
agil
problema
solucao
crise
situacoes
colunistas
coluna-estevao-seccatto
colunista-estevao-seccatto
portalnews
superando-a-crise

Últimas notícias

Roubo de Ozempic: adolescentes são apreendidos após levar medicamento de farmácia em SP

Roubo de Ozempic: adolescentes são apreendidos após levar medicamento de farmácia em SP

Suspeitos roubaram 13 caixas de Ozempic e 11, de Venvanse. Medicamentos são usados para tratar diabete e TDAH, mas também auxiliam no emagrecimento
ENGANOSO: Enchente em São Leopoldo (RS) não foi causada por rompimento de barragem

ENGANOSO: Enchente em São Leopoldo (RS) não foi causada por rompimento de barragem

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Brasil Agora: Professores das universidades federais encerram greve após 69 dias

Brasil Agora: Professores das universidades federais encerram greve após 69 dias

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta segunda-feira (24)
INSS libera benefícios para segurados que recebem até um salário mínimo; veja como consultar

INSS libera benefícios para segurados que recebem até um salário mínimo; veja como consultar

Pagamentos serão feitos conforme o número final do cartão de pagamento; moradores do RS terão depósitos antecipados
No dia de São João, governo reconhece quadrilhas como manifestação da cultura nacional

No dia de São João, governo reconhece quadrilhas como manifestação da cultura nacional

Dança típica foi considerada relevante para a identificação regional nas apresentações juninas
"Pausas táticas não aliviam situação humanitária em Gaza", diz OMS

"Pausas táticas não aliviam situação humanitária em Gaza", diz OMS

Combates paralelos e contínuo deslocamento forçado de civis dificultam a entrega de ajuda na região
Intenção de consumo das famílias cresce 0,5% em junho e mantém índice positivo

Intenção de consumo das famílias cresce 0,5% em junho e mantém índice positivo

Resultado foi influenciado pelo acesso ao crédito e pelo aquecimento do mercado de trabalho
Brasil ultrapassa marca de 6 milhões de casos de dengue em 2024

Brasil ultrapassa marca de 6 milhões de casos de dengue em 2024

SP e MG seguem liderando ranking de infecções; número de mortes confirmadas chega a 4 mil
Ataques contra igrejas e sinagogas deixam mais de 15 mortos na Rússia

Ataques contra igrejas e sinagogas deixam mais de 15 mortos na Rússia

Homens armados invadiram os locais na tarde de domingo (23); autoridades investigam o caso
Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 6

Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 6

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente; calendário também conta com Auxílio Gás
Publicidade
Publicidade