Publicidade

Manifestantes voltam às ruas neste domingo contra projeto que equipara aborto a homicídio

Além de pressionar pelo arquivamento do projeto, os protestos criticaram o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL)

Manifestantes voltam às ruas neste domingo contra projeto que equipara aborto a homicídio
Publicidade

Manifestantes de várias partes do Brasil realizam, neste domingo (23), protestos contra o projeto de lei que equipara o aborto legal ao crime de homicídio. Sob o lema "criança não é mãe", São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte registraram atos.

Além de pressionar pelo arquivamento do projeto, os protestos criticaram o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Em São Paulo, manifestantes se reuniram em frente ao MASP, na Avenida Paulista, às 15h. Segundo informações da Polícia Militar, até o momento, a manifestação é pacífica e não há registros de ocorrências.

Já em Belo Horizonte, durante o ato, um boneco do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), foi queimado em frente ao pirulito da Praça Sete. Além disso, um grupo de bolsonaristas portando cartazes a favor do aborto e pela castração dos estupradores foi expulso pelas manifestantes.

Um princípio de tumulto chegou a ser registrado, mas os bolsonaristas acabaram deixando o local por determinação da Guarda Municipal. A concentração começou por volta das 9h na Praça Raul Soares e de lá saiu em manifestação pela Avenida Amazonas até a Praça Sete. Durante o ato, as mulheres pediram o arquivamento definitivo do PL 1904/24 e a legalização do aborto no Brasil como já ocorre em outros países.

No Rio de Janeiro, Copacabana foi tomada por manifestantes que também se posicionaram contra o projeto de lei. Nos atos, manifestantes gritam "fora, Lira!" e carregam cartazes com os dizeres "criança não é mãe".

PL do aborto

Diante da polêmica gerada pela aprovação da urgência do projeto que equipara aborto a homicídio, o deputado Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, anunciou na última terça-feira (18) que a matéria só retornará à discussão no segundo semestre. Lira destacou a necessidade de um debate mais amplo e afirmou que a proposta será conduzida por uma comissão representativa a partir de agosto, após o recesso parlamentar.

O PL 1904/2024, batizado como PL da Gravidez Infantil, prevê penas de até 20 anos de prisão para pessoas que realizarem abortos após 22 semanas de gestação. Os casos acontecem majoritariamente com crianças vítimas de abusos sexuais. A pena é a mesma para o crime de homicídio simples.

Atualmente, a legislação brasileira não prevê limite máximo para interromper a gravidez de forma legal e permite que o aborto seja realizado em três ocasiões: estrupo, risco de morte à mulher e anencefalia do feto. Agora, o projeto de lei proíbe o aborto mesmo em casos de gravidez decorrentes de estupro, se houver viabilidade fetal.

Os protestos foram organizados em diversas cidades do país após a o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), realizar uma votação relâmpago e aprovar a tramitação em regime de urgência.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Manifestação
Protesto
São Paulo
Rio de Janeiro
Belo Horizonte
Aborto
Homicídio

Últimas notícias

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Benefício é destinado a famílias com renda per capita de até R$ 218
SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta segunda-feira (15); assista!
Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Ele é suspeito de aplicar um golpe de rifa virtual que causou prejuízo de R$ 5 milhões a clientes
Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

O diretor da polícia dos Estados Unidos declarou que as autoridades “não deixarão pedra sobre pedra” na investigação sobre a tentativa de assassinato
Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

19º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo terminou neste domingo (14), em São Paulo
Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Corey Comperatore, de 50 anos, era bombeiro e tinha duas filhas. Ele morreu pelos disparos de Thomas Crooks. Outros dois homens foram feridos gravemente
Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Em nota de pesar, o presidente da República ressaltou, entre outros atributos, a “irreverência” na carreira do jornalista, que faleceu aos 87 anos
Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Segundo analistas, chance de retorno do ex-presidente ao poder aumentou, e ele é a favor da desregulamentação do mercado financeiro
Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Thomas Matthew Crooks, de 20 anos, foi o atirador que tentou assassinar Donald Trump
Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Esta é a primeira visita de um chefe de Estado italiano ao país em 24 anos
Publicidade
Publicidade