Publicidade

Especialistas divergem sobre capacidade do Exército de fiscalizar armas

A competência no processo das armas de fogo deve ser concentrada na Polícia Federal

Especialistas divergem sobre capacidade do Exército de fiscalizar armas
Publicidade

Após a liberação para a compra de mais de 1,7 milhão de armas de fogo pelo Exército e pela Polícia Federal (PF) nos últimos cinco anos e mais de 5.600 concedidas a criminosos, o Governo Federal deverá concentrar o poder de concessão e fiscalização na PF.

Em debate promovido pelo Poder Expresso desta terça-feira (5), o presidente do Clube Esportivo de Atiradores, Caçadores e Colecionadores do Distrito Federal (CEACC-DF), Hertz Brenner, e o Conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Roberto Uchôa, contextualizaram o relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que identificou falhas recorrentes na concessão de registros e fiscalizações por parte do Exército.

+Exército liberou armas para 5,2 mil condenados por crimes

“ O que não pode é fazer a mudança do órgão por decreto. Quanto você atropela qualquer lei, isso é ruim para a sociedade. Se há uma deficiência no órgão que está fazendo a fiscalização, ela precisa ser munida. E se houver necessidade de mudança, tem que ser por vias legais. Nós queremos uma boa fiscalização, uma boa instituição velando pelos nossos cuidados. Não importa se for o Exército ou a PF, mas eu considero que essa migração deve ser feita por meio de lei, pelo Congresso”, afirmou Hertz Brenner.

Já o representante do Fórum de Segurança Pública acredita que a PF seja mais capaz de atuar nesse processo. "É até hilário responder isso depois que saiu esse relatório do do TCU mostrando que, por exemplo, mais de 2600 pessoas puderam registrar ou renovar seu registro de arma de fogo com mandado de prisão em aberto. Mais de 5600 pessoas respondiam a processos criminais. Pessoas, inclusive, que no momento do requerimento do registro estavam com processo de execução penal em andamento. Eram pessoas que já estavam condenadas e a legislação prevê que elas não podem adquirir armas de fogo. E estamos falando somente do relatório do TCU que ainda não teve acesso a dados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais”, declarou Roberto Uchôa.

Entre 2019 e 2022, no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, o Exército aprovou a compra de mais de um milhão de armas e a Polícia Federal outras 700 mil. Além disso, calibres restritos que até então eram reservados a forças de segurança, também foram permitidos para civis.

+Novos registro de armas para defesa pessoal cai 82% em 2023

“A verdade é que o Exército não tem capacidade e competência para regular esse mercado e isso foi admitido pelo próprio governo Federal que já começou a fazer a transição para que a PF assuma essas atribuições e assim possa fazer o trabalho de qualidade que a PF tem. Se o Exército não foi capaz de pesquisar um banco de dados aberto para saber se a pessoa responde crime, eu posso falar que a PF faz isso há mais de uma década”, afirmou Uchôa que também é membro desta Polícia.

+Coronel guardava 111 armas e duas granadas em apartamento que explodiu em Campinas (SP)

“Mas se há instrumentos adequados para que o Exército exerça todo o poder de fiscalização, aí o Estado Brasileiro tem que ampará-lo para que ele possa exercer. Queremos que as boas pessoas, que passam pelo crivo rigoroso do processo, tenham possibilidade de comprar seu equipamento”, disse o presidente do Clube Esportivo de Atiradores, Caçadores e Colecionadores do Distrito Federal (CEACC-DF) Hertz Brenner.

“Vejo com muita preocupação essa corrida armamentista que vivenciamos no país nos últimos quatro anos. A gente tem várias pesquisas, inclusive internacionais, que apontam justamente que quanto mais armas, menos segurança. Inclusive acabei de ter uma pesquisa aceita para ser publicada em uma revista académica e científica da Inglaterra onde eu comprovo que a mudança da política armamentista de Bolsonaro e do controle de armas armou sim criminosos. E eu nem tive acesso a esse relatório do TCU”, finalizou o conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública Roberto Uchôa.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Segurança Pública

Últimas notícias

PF abre inquérito para investigar leilão do arroz, para suprir demanda com tragédia no RS

PF abre inquérito para investigar leilão do arroz, para suprir demanda com tragédia no RS

Conab, responsável pela compra dos grãos importados, suspendeu o negócio após suspeitas de irregularidades
Polícia argentina usa gás de pimenta para reprimir protestos contra a Lei de Bases

Polícia argentina usa gás de pimenta para reprimir protestos contra a Lei de Bases

Pacote de reformas enviado pelo governo Milei está em debate no Senado
Tarcísio autoriza abertura de licitação para privatizar gestão de 33 novas escolas

Tarcísio autoriza abertura de licitação para privatizar gestão de 33 novas escolas

O prazo de concessão será de 25 anos, de acordo com a Secretaria de Educação do estado
Alexandre de Moraes prorroga mais uma vez inquéritos das fake news e milícias digitais

Alexandre de Moraes prorroga mais uma vez inquéritos das fake news e milícias digitais

O ministro deu mais 180 dias para conclusão das investigações, atendendo a pedido feito pela Polícia Federal (PF)
Lula: “O Brasil não vai desperdiçar oportunidade de se tornar uma grande economia”

Lula: “O Brasil não vai desperdiçar oportunidade de se tornar uma grande economia”

Presidente brasileiro participou de abertura de evento no Rio de Janeiro que reúne investidores árabes e brasileiros
Senado aprova projeto que obriga restaurantes a terem cartaz ensinando manobra de desengasgo

Senado aprova projeto que obriga restaurantes a terem cartaz ensinando manobra de desengasgo

Texto foi aprovado na forma de um substitutivo da relatora, senadora Damares Alves (Republicanos-DF), e volta agora à Câmara dos Deputados
Erika Hilton processa Nikolas Ferreira por crime de transfobia e cobra indenização de R$ 5 milhões

Erika Hilton processa Nikolas Ferreira por crime de transfobia e cobra indenização de R$ 5 milhões

A acusação da deputada foi após uma fala de Nikolas na reunião da Comissão da Defesa dos Direitos das Mulheres, na última quarta-feira
"Queremos liderar a transição energética", diz Mercadante, presidente do BNDES

"Queremos liderar a transição energética", diz Mercadante, presidente do BNDES

Executivo destacou investimentos do banco de desenvolvimento em energia limpa e disse que Brasil está aberto para parcerias comerciais
Câmara aprova urgência de projeto que iguala aborto ao crime de homicídio

Câmara aprova urgência de projeto que iguala aborto ao crime de homicídio

Defendida por conservadores, proposta agrava punição para pausa na gravidez com mais de 22 semanas
Câmara aprova urgência de projeto que restringe delações premiadas de presos

Câmara aprova urgência de projeto que restringe delações premiadas de presos

Texto limita ações da Justiça e coloca acordo como alternativa apenas em casos voluntários, além de oferecer recurso a afetados por delações
Publicidade
Publicidade