Publicidade

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Ministros da 1ª Turma decidem na terça (18) se irmãos Brazão, delegado do Rio e dois ligados à milícia do Rio sentam no banco dos réus como mandantes do crime

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida
Publicidade

As defesas dos cinco acusados de mandar matar a vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL), em 2018, levam ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira (18.jun), três frentes de ataques à denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A acusação pede abertura de um processo penal, em que passam a ser réus e serão julgados. O objetivo das defesas é arquivar o caso, por falta de provas e incoerência da tese acusatória, ou tirá-lo do STF, ou ainda anular as investigações, por meio da invalidação dos acordos de delação premiada do executor do crime, o miliciano - já condenado à prisão.

Defesa dos Brazão aponta falta de provas na delação de Lessa e incompetência do STF no caso Marielle

A Primeira Turma do STF - composta pelos ministros Alexandre de Moraes (relator), Cármen Lúcia, Luiz Fux, Cristiano Zanin e Flávio Dino - analisa na tarde de terça-feira (18.jun) a denúncia contra:

  • Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio e ex-deputado estadual
  • Francisco (Chiquinho) Brazão (sem partido-RJ), deputado federal e ex-vereador do Rio
  • Rivaldo Barbosa, delegado e ex-chefe da Polícia Civil do Rio
  • Robson Calixto Fonseca, o Peixe, ex-assessor de Brazão no TCE-RJ
  • Ronald Pereira, o Major Ronald, miliciano preso e condenado por crimes da milícia

A PGR entregou documentos, perícias, material apreendido, depoimentos, as duas delações dos executores, entre as provas. O SBT News consultou o material. Uma delas, o registro no PSOL do miliciano infiltrado no partido, segundo Lessa, para monitorar os passos de Marielle. Os ministros analisam as provas e a formalidade do processo.

O que está em julgamento. A PGR analisou o relatório da PF, as provas e denunciou os cinco pelo assassinato e pede a abertura de uma ação penal para que eles sejam julgados e condenados. Os ministros da 1ª Turma têm que decidir se há elementos de crime, se as formalidades foram cumpridas para abertura de um processo.

O que acontece. Se o STF entender existirem elementos e que o procedimento está legal, os acusados viram réus. O processo começa então sua fase de instrução, em que serão ouvidos as testemunhas da acusação e da defesa, analisadas as provas, os réus serão interrogados, podem ser pedidas provas complementares (pela defesa, acusação e pelo juízo), para as alegações finais e sentença.

As defesas

Os acusados negam os crimes. As defesas dos cinco se manifestaram previamente no processo, após a PGR acusá-los, e farão sustentações orais no STF na terça.

Todos atacam a incompetência do STF para julgar o caso por dois motivos: por apontar que o foro privilegiado de Chiquinho Brazão que faz o Supremo analisar o processo não vale para esse caso, e por se tratar de um homicídio, tipo de crime que é julgado pelo Tribunal do Juri (em que representantes do povo votam).

Os principais pontos atacados pelas defesas:

  • incompetência do STF para processar e julgar o caso por dois motivos: alegam foro privilegiado indevido, pois Chiquinho Brazão era vereador do Rio, em 2018; por competência constitucional do Tribunal do Júri para julgar homicídios
  • necessidade de desmembramento dos processos entre os acusados
  • cerceamento da defesa, por: falta de acesso a provas, como delação completa de Élcio Queiroz e quebras de sigilos, e falta de entrevista reservada do advogado com cliente
  • inépcia da denúncia de organização criminosa, por falta de fundamento lógico
  • invalidade do acordo de delação de Ronnie Lessa, por falta de provas de corroboração

Os defensores pediram ainda o relaxamento das prisões preventivas.

Os irmãos Brazão e Rivaldo Barbosa estão presos desde 24 de março, alvos da Operação Murder Inc., da PF.

Depois de assumir o caso em 2023, a PF concluiu que eles foram responsáveis pelo mando e planejamento do crime, em que morreu também o motorista Anderson Gomes.

A PGR acusou os cinco de serem os mandantes do crime. Pediu abertura de processo pelos assassinatos e o envio da parte referente aos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e outros eventuais, que seja enviado ao Rio para seguir na Justiça local.

Caso Marielle: irmãos Brazão se associaram a milicianos e grileiros por dinheiro e votos

O STF decide se aceita a denúncia e abre a ação penal. E se aceita os argumentos de divisão do processo. Os ministros podem rejeitar o pedido da PGR e arquivar o caso, ou pedir novas provas, ou mesmo o caso ficar suspenso, por um pedido de vista de algum ministro.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Marielle Franco
Polícia Federal
STF
Domingos Brazão
Chiquinho Brazão
Rivaldo Barbosa
Alexandre de Moraes

Últimas notícias

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Benefício é destinado a famílias com renda per capita de até R$ 218
SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta segunda-feira (15); assista!
Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Ele é suspeito de aplicar um golpe de rifa virtual que causou prejuízo de R$ 5 milhões a clientes
Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

O diretor da polícia dos Estados Unidos declarou que as autoridades “não deixarão pedra sobre pedra” na investigação sobre a tentativa de assassinato
Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

19º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo terminou neste domingo (14), em São Paulo
Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Corey Comperatore, de 50 anos, era bombeiro e tinha duas filhas. Ele morreu pelos disparos de Thomas Crooks. Outros dois homens foram feridos gravemente
Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Em nota de pesar, o presidente da República ressaltou, entre outros atributos, a “irreverência” na carreira do jornalista, que faleceu aos 87 anos
Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Segundo analistas, chance de retorno do ex-presidente ao poder aumentou, e ele é a favor da desregulamentação do mercado financeiro
Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Thomas Matthew Crooks, de 20 anos, foi o atirador que tentou assassinar Donald Trump
Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Esta é a primeira visita de um chefe de Estado italiano ao país em 24 anos
Publicidade
Publicidade