Publicidade

Quem são os houthis, grupo rebelde que ataca navios no Mar Vermelho

Grupo iniciou uma série de ataques na principal rota de ligação marítima entre a Ásia e a Europa em protesto contra a guerra de Israel em Gaza

Quem são os houthis, grupo rebelde que ataca navios no Mar Vermelho
Grupo rebelde Houthis, do Iêmen | AP/Hani Mohammed
Publicidade

Os Estados Unidos e a Inglaterra lançaram ataques aéreos contra alvos militares dos houthis, no Iêmen, na noite de quinta-feira (11), aumentando as tensões no Oriente Médio.

+ Corte Internacional de Justiça começa a ouvir alegação de genocídio contra Israel

O grupo rebelde prometeu atacar navios que transitam pela região do Mar Vermelho e do Golfo de Aden até que os ataques israelenses na Faixa de Gaza cessem. Até o momento, a operação militar de Israel, desencadeada após ataque de 8 de janeiro, já deixou mais de 23 mil mortos no enclave palestino, incluindo 10 mil crianças.

Segundo o Pentágono, até quinta-feira (11.jan), os houthis haviam lançado 27 ataques a diferentes navios que transitavam pelo sul do Mar Vermelho, fazendo com que muitas empresas de transporte marítimo interrompessem o fluxo na via navegável, redirecionando as embarcações para o Cabo da Boa Esperança, na África.

Na prática, isso significa um aumento de até 10 dias na rota Ásia-Europa, custando milhões às empresas e inflacionando o frete. Cerca de 12% do comércio global passa pela região do Mar Vermelho, incluindo remessas de petróleo refinado e bruto. A preocupação com os ataques, e o principal motivo da ofensiva norte-americana e inglesa, é a possibilidade de a perturbação aumentar os preços do petróleo e afetar as cadeias de abastecimento.

A fabricante de veículos elétricos Tesla, por exemplo, emitiu um comunicado neste semana informando que está suspendendo temporariamente a maior parte da produção de veículos elétricos e baterias modelo Y na sua fábrica na Alemanha. Segundo a empresa, a demora na entrega de componentes importados está criando "lacunas nas cadeias de abastecimento".

Quem são os houthis?

Conhecido como Ansar Allah (Partidários de Deus), o grupo surgiu no início dos anos 1990, no norte do Iêmen, como um movimento religioso afiliado a uma subseita secular do islã xiita chamada Zaidismo, que se tornou minoria no país com a chegada ao poder do regime sunita, após a guerra civil de 1962.

+ Israel nega que cometa genocídio contra palestinos

A ideia do movimento era resistir ao sunismo radical no Iêmen, influenciado pela Arábia Saudita. A relevância do grupo, no entanto, cresceu a partir de 2003, quando ganhou apoiadores ao se opor à invasão dos Estados Unidos ao Iraque e ao governo do presidente Ali Abdullah Saleh, que apoiou a ofensiva norte-americana e era considerado corrupto por eles. Em 2004, o fundador do grupo, Abdulmalek al-Houthi, foi morto por forças de segurança iemitas, mas o movimento continuou a ganhar força.

Em 2011, em meio à Primavera Árabe, Saleh concordou em entregar o poder ao vice-presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi. Impopular, o governo foi atacado novamente pelo movimento em 2014. Os rebeldes tomaram a capital, Sanna, e colocaram Hadi, o primeiro-ministro e dois outros ministros em prisão domiciliar.

Pouco depois, Hadi fugiu para Riade, na Árabia Saúdita, declarando-se presidente legítimo do Iêmen. Ele governa partes do país de lá até hoje, mas pouco mudou desde então. Em 2015, uma coligação liderada pela Arábia Saudita interveio no conflito, que se transformou numa guerra por procuração entre o reino e Irã.

A guerra matou mais de 150 mil pessoas, incluindo combatentes e civis, e criou um dos piores desastres humanitários do mundo, segundo a ONU.

Um cessar-fogo que tecnicamente terminou há mais de um ano ainda é amplamente respeitado. A Arábia Saudita e os rebeldes realizaram algumas trocas de prisioneiros, e uma delegação Houthi foi convidada para conversações de paz de alto nível em Riade, em setembro do ano passado. Mas, oficialmente, ainda não houve um tratado de paz.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

conflito
Oriente Médio
Houthis
Mundo
Política
Mar Vermelho
Iêmen

Últimas notícias

Celular Seguro chega a 50 mil bloqueios após alertas de roubo e furto; veja como cadastrar

Celular Seguro chega a 50 mil bloqueios após alertas de roubo e furto; veja como cadastrar

Ferramenta impede que ladrões tenham acesso à linha telefônica ou a aplicativos bancários das vítimas
Assembleia de SP aprova projeto que cria escolas cívico-militares no estado

Assembleia de SP aprova projeto que cria escolas cívico-militares no estado

Programa foi suspenso pelo governo federal em julho de 2023; comunidades escolares serão consultadas para implementação
+Milionária sorteia prêmio de R$ 190 milhões nesta quarta-feira (22)

+Milionária sorteia prêmio de R$ 190 milhões nesta quarta-feira (22)

Apostas podem ser feitas até as 19h em casas lotéricas ou pela internet
SBT News na TV: nível da Lagoa dos Patos aumenta e deixa sul gaúcho em alerta

SBT News na TV: nível da Lagoa dos Patos aumenta e deixa sul gaúcho em alerta

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta quarta-feira (22); assista!
ONU suspende distribuição de ajuda humanitária em Rafah por falta de suprimentos

ONU suspende distribuição de ajuda humanitária em Rafah por falta de suprimentos

Armazéns ficaram sem estoque após Israel interromper entregas na passagem fronteiriça
Lula sanciona lei que assegura sigilo do nome da vítima em casos de violência doméstica

Lula sanciona lei que assegura sigilo do nome da vítima em casos de violência doméstica

Texto altera a Lei Maria da Penha para assegurar maior proteção à vítima; nome do agressor e dados do processo ainda podem ser divulgados
Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 4

Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 4

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Morre o ativista Eliseu Neto, aos 45 anos

Morre o ativista Eliseu Neto, aos 45 anos

Autor de ação que gerou criminalização da homofobia no STF, psicólogo teve trajetória reconhecida de ativismo
Câmara aprova projeto que pune invasores de terras com suspensão de benefícios sociais

Câmara aprova projeto que pune invasores de terras com suspensão de benefícios sociais

Projeto coloca sanções administrativas e penalidades, como interrupção do Bolsa Família, a pessoas ligadas à invasão em propriedades rurais
TSE rejeita cassação e mantém o mandato do senador Sergio Moro

TSE rejeita cassação e mantém o mandato do senador Sergio Moro

Por unanimidade, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral rejeitou, em sessão nesta terça-feira (21), acusação de abuso de poder econômico
Publicidade
Publicidade