Publicidade

"Bolso vai falar mais alto do que canhões", especialista analisa risco de conflito Venezuela x Guiana

Ao SBT News, Leonardo Trevisan comentou intenção venezuelana em tentar anexar mais da metade do território da Guiana

"Bolso vai falar mais alto do que canhões", especialista analisa risco de conflito Venezuela x Guiana
Publicidade

Os olhos de vários líderes mundiais se voltaram para a América do Sul, neste domingo (3.dez), depois que a Venezuela aprovou um referendo para anexar a região de Essequibo, rica em petróleo e minerais, que hoje pertence à Guiana. A área, de 160 mil quilômetros quadrados, representa cerca de 75% do território do país e é alvo de uma disputa que remonta mais de um século entre os dois países.

Apesar da tensão histórica, acirrada pela descoberta recente, em 2015, de abundantes reservas de petróleo na região, o doutor em ciência política e professor de relações internacionais da ESPM, Leonardo Trevisan, avalia que a motivação do governo de Nicolás Maduro para tentar anexar a região é outra: a busca de um sentimento de unidade nacional, às vésperas das eleições na  Venezuela, previstas para 2024.

"O governo de Maduro precisa de alguma coisa que catalise, que reúna, que funcione como um agregador de votos. Como todos nós sabemos, quase sempre governos mais autocráticos precisam de inimigos externos. Está aí a chance, não é, o inimigo externo juntar todos os venezuelanos para disputar a Guiana e aí ele ganha a eleição para presidente", afirmou Trevisan

Apesar da aprovação do referendo, o instrumento possui apenas caráter consultivo, portanto não representa autorização para anexação da região. Inclusive, a Corte Internacional de Justiça, integrante das Nações Unidas, que arbitra questões de direito internacional envolvendo a soberania das nações, havia proibido a Venezuela de tomar qualquer medida que pudesse ter esse fim. 

+ Poder Expresso: Risco de guerra? Venezuela aprova tomar parte da Guiana rica em petróleo

Leonardo Trevisan reforça que uma tentativa nesse sentido levaria a uma forte reprovação da comunidade internacional, além de novas sanções à Venezuela.

"A Venezuela conseguiu, vamos chamar dessa forma, um alívio, um respiro nas sanções internacionais. A Venezuela precisa vender petróleo. Se as sanções internacionais, por um ataque como esse acontecerem, ela para de vender o petróleo. Portanto, o bolso vai falar mais forte do que os canhões".

A mediação brasileira

O Brasil reforçou a presença de militares no norte de Roraima, região que faz fronteira tanto com a Venezuela quanto com a Guiana, mas a aposta da diplomacia brasileira é de diálogo com os dois países para uma solução pacífica. Para o professor Leonardo Trevisan, a força da diplomacia brasileira é muito maior do que qualquer ação militar.

"É óbvio que a Venezuela tem muita força, porém o Brasil quer equilibrar o jogo. O Brasil não quer uma disputa militar. Os militares venezuelanos têm muita proximidade com os militares brasileiros. O Brasil já ajudou a Venezuela em outras situações.  Nesse sentido, está muito longe de um conflito armado montado nessa situação".

Assista a entrevista em vídeo:
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
mundo
venezuela
guiana
anexar guiana
soane-guerreiro
leonardo trevisan
sbt

Últimas notícias

STF condena mais 15 pessoas por participação nos atos golpistas de 8 de janeiro

STF condena mais 15 pessoas por participação nos atos golpistas de 8 de janeiro

Penas variam entre 14 e 17 anos de prisão, por crimes de associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado
Mais de 20% das indicações de cirurgia para endometriose são desnecessárias, conclui estudo

Mais de 20% das indicações de cirurgia para endometriose são desnecessárias, conclui estudo

Pesquisa do Hospital Albert Einstein mostra que, na maioria dos casos, a doença pode ser tratada com medicação
Uma em cada oito pessoas no mundo sofre com obesidade

Uma em cada oito pessoas no mundo sofre com obesidade

Além dos obesos, a pesquisa constatou que 43% dos adultos do mundo estão com sobrepeso
Mosquito da dengue oferece risco também a cachorros e gatos

Mosquito da dengue oferece risco também a cachorros e gatos

Aedes aegypti pode transmitir aos pets doença conhecida como 'verme do coração'; conheça sintomas e tratamento
José Dirceu deve ter alta hospitalar neste sábado

José Dirceu deve ter alta hospitalar neste sábado

Político está internado desde o dia 25 de fevereiro por causa de uma pneumonia
Brasil volta a ser top 10 das maiores economias do mundo com PIB de 2023

Brasil volta a ser top 10 das maiores economias do mundo com PIB de 2023

País ocupa atualmente a 9ª colocação, à frente de Canadá, Rússia e Austrália. Confira lista
Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Dois ministros do STM consideraram homicídio culposo a ação do Exército que teve 257 tiros de fuzil e resultou em duas mortes
Mistura de biodiesel no diesel sobe para 14% a partir desta sexta

Mistura de biodiesel no diesel sobe para 14% a partir desta sexta

Combinação evita a emissão de 5 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera
Aumento de casos de doenças como a dengue deve causar impacto de até R$ 20 bilhões no PIB

Aumento de casos de doenças como a dengue deve causar impacto de até R$ 20 bilhões no PIB

País pode fechar o ano com mais de quatro milhões de infectados por arboviroses
Belo Horizonte inaugura hospital de campanha para atendimento de pacientes com dengue

Belo Horizonte inaugura hospital de campanha para atendimento de pacientes com dengue

Minas Gerais é o estado com o maior número de casos prováveis da doença
Publicidade
Publicidade