Publicidade

Primeira-dama de Israel pede a Janja que se manifeste em solidariedade a vítimas do Hamas

Michal Herzog enviou carta à primeira-dama do Brasil; confira a íntegra

Primeira-dama de Israel pede a Janja que se manifeste em solidariedade a vítimas do Hamas
Janja sorrindo (Sara Cheida/Itaipu Binacional)
Publicidade

A primeira-dama de Israel, Michal Herzog, enviou uma carta à primeira-dama do Brasil, Rosângela da Silva - a Janja. O documento foi escrito em 22 de novembro e divulgado nesta 2ª feira (27.nov) pela embaixada israelense no Brasil.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Na carta, ela faz um apelo para que Janja se manifeste em solidariedade às mulheres vítimas de violência cometida pelo Hamas no ataque de 7 de outubro. Herzog afirma que, após o episódio, "os socorristas descobriram inúmeros corpos de mulheres, nuas da cintura para baixo, ensanguentadas e feridas".

"Os vídeos que vi revelaram literalmente mulheres de todas as idades, nos seus próprios quartos e nos campos do festival de música, que tinham sido literalmente violadas até a morte".

Ela diz ainda que algumas "foram estupradas em grupo e depois assassinadas e mutiladas". "Outras foram baleadas primeiro, depois estupradas e depois queimadas. As confissões de terroristas capturados comprovaram que a violação em massa era uma parte premeditada do plano do Hamas".

Entretanto, pontua a primeira-dama de Israel, "apesar das provas esmagadoras da violência sexual baseada no gênero contra as mulheres israelitas, as mulheres de todo o mundo permanecem em silêncio. As organizações internacionais que defendem os direitos das mulheres permanecem mudas".

Conforme Herzog, "é claro que transformar a violação em arma e utilizar os corpos das mulheres como instrumentos de guerra é um crime contra a humanidade". "De alguma forma, as mulheres que foram atacadas no dia 7 de outubro em Israel são colocadas numa categoria separada e seleta".

Confira a íntegra da carta:

Escrevo no momento em que nos aproximamos do Dia Internacional para a Prevenção da Violência contra as Mulheres. Tradicionalmente, a Residência do Presidente Israelita celebra o dia 25 de novembro por meio de uma sombria reunião de vítimas de violência, ativistas da sociedade civil e acadêmicos comprometidos com os direitos e a segurança das mulheres. Tenho sempre orgulho de me juntar à comunidade global de mulheres que promovem uma causa tão crítica - pela qual sei que tanto você como eu somos apaixonados.

Este ano, ao assinalarmos esta ocasião anual apenas algumas semanas após o monstruoso massacre infligido pelo Hamas ao povo de Israel, considero visceralmente clara a crueldade da violência sexual baseada no gênero.

Após o violento ataque de 7 de outubro, os socorristas descobriram inúmeros corpos de mulheres, nuas da cintura para baixo, ensanguentadas e feridas. Os vídeos que vi revelaram literalmente mulheres de todas as idades, nos seus próprios quartos e nos campos do festival de música, que tinham sido literalmente violadas até a morte. Algumas foram estupradas em grupo e depois assassinadas e mutiladas. Outras foram baleadas primeiro, depois estupradas e depois queimadas. As confissões de terroristas capturados comprovaram que a violação em massa era uma parte premeditada do plano do Hamas.

E, no entanto, apesar das provas esmagadoras da violência sexual baseada no gênero contra as mulheres israelitas, as mulheres de todo o mundo permanecem em silêncio. As organizações internacionais que defendem os direitos das mulheres permanecem mudas. O silêncio é ainda mais ensurdecedor tendo em vista que, neste exato momento, dezenas de mulheres e meninas são mantidas reféns em Gaza, despojadas da sua humanidade e da sua dignidade básica. Aviv, uma menina de dois anos, Avigail, Emma e Yuli, de apenas três anos, são mantidas em cativeiro. Somente quando forem libertadas saberemos o que suportaram.

É claro que transformar a violação em arma e utilizar os corpos das mulheres como instrumentos de guerra é um crime contra a humanidade. De alguma forma, as mulheres que foram atacadas no dia 7 de outubro em Israel são colocadas numa categoria separada e seleta.

Ignorar os gritos de meninas e mulheres, das cinzas e dos túneis, significa abandonar as vítimas de violência sexual que sofrem violações bárbaras e um horror insondável. Ignorar o que estas mulheres sofreram significa prolongar a desumanização cerimoniosamente lançada no dia 7 de outubro.

O silêncio de uma mulher rouba a voz de outra. Eu invoco você, eu invoco as primeiras-damas de todo o mundo: Soem o seu grito. Manifestem-se em solidariedade às mulheres vitimadas, como muitas já o foram antes e muitas, infelizmente, poderão voltar a sê-lo. Este deveria ser um grito universal em nome daquelas que não podem mais gritar.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
mundo
noticias
governo
primeiras damas
israel
janja
carta
vítimas
hamas
ataque
7 de outubro
guilherme-resck
mulheres

Últimas notícias

Barbeiro transforma ponto de taxi em barbearia após perder comércio em Porto Alegre

Barbeiro transforma ponto de taxi em barbearia após perder comércio em Porto Alegre

No dia 4 de maio deste ano, Laio viu tudo o que tinha ficar embaixo d'água, inclusive sua residência
Com hospitais alagados, gestantes e recém-nascidos são atendidos em abrigos no RS

Com hospitais alagados, gestantes e recém-nascidos são atendidos em abrigos no RS

Uma das crianças atendidas tem 11 dias de vida e nem chegou a usar o enxoval, que foi totalmente perdido nas enchentes
Imposto de renda: 17 milhões de contribuintes ainda não entregaram declaração; veja dicas

Imposto de renda: 17 milhões de contribuintes ainda não entregaram declaração; veja dicas

No dia 31 de maio, encerra-se o prazo para declarar o IRPF 2024; escritórios de contabilidade têm ampliado a capacidade de atendimento
Enquanto o Sul do Brasil enfrenta os efeitos da chuva, outras partes do mundo sofrem com a seca

Enquanto o Sul do Brasil enfrenta os efeitos da chuva, outras partes do mundo sofrem com a seca

No México, por exemplo, mais de 22 milhões de pessoas podem ficar sem água nas próximas semanas
Santa Catarina recebe mais de 400 famílias afetadas pelas chuvas no RS

Santa Catarina recebe mais de 400 famílias afetadas pelas chuvas no RS

Estado vem fazendo um mapeamento para distribuir auxílios conforme a demanda de cada um dos gaúchos
Irã mata 7 pessoas na forca; ONG denuncia aumento de execuções

Irã mata 7 pessoas na forca; ONG denuncia aumento de execuções

Penas teriam sido aplicadas neste sábado (18); das 7 vítimas, 2 seriam mulheres
Flores são projetadas no Cristo para lembrar combate ao abuso sexual de crianças

Flores são projetadas no Cristo para lembrar combate ao abuso sexual de crianças

Ação faz parte da campanha de mobilização nacional. Do início de 2024 até agora, o Disque 100 recebeu mais de 11 mil denúncias
Chuvas no RS: Força-tarefa encontra galão de água sendo vendido a R$ 80

Chuvas no RS: Força-tarefa encontra galão de água sendo vendido a R$ 80

Ação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) contra preços abusivos autuou 65 estabelecimentos
Municípios do RS discutem plano para dar novas moradias aos afetados pelas chuvas

Municípios do RS discutem plano para dar novas moradias aos afetados pelas chuvas

Relatório da Confederação Nacional dos Municípios aponta que mais de 100 mil casas foram danificadas ou completamente destruídas
Cantor Arlindinho denuncia que filha de 9 anos foi vítima de racismo em escola

Cantor Arlindinho denuncia que filha de 9 anos foi vítima de racismo em escola

Filho de Arlindo Cruz relatou o fato nas redes sociais; escola se manifestou por meio de nota
Publicidade
Publicidade