Publicidade

Padre Júlio sobre CPI: "Devemos deixar dependentes químicos morrerem de fome?"

Vereador de SP tenta instaurar comissão para investigar trabalho do religioso com pessoas em situação de rua e dependentes químicas

Padre Júlio sobre CPI: "Devemos deixar dependentes químicos morrerem de fome?"
Padre Júlio Lancellotti é coordenador da Pastoral do Povo de Rua | Reprodução/Redes Sociais
Publicidade

O padre Júlio Lancellotti, alvo de um pedido de instauração de CPI na Câmara de Vereadores de São Paulo, questionou nesta quinta-feira (4.jan) a tentativa de investigá-lo por seu trabalho social de distribuição de alimentos para a população de rua do centro da capital paulista. "A gente deve deixar as pessoas dependentes químicas morrerem de fome? Seria uma forma de resolver o problema matá-los de fome, privados de alimentação?", perguntou o religioso.

+ Vereador de SP diz ter votos para abrir CPI contra Padre Júlio Lancellotti

Em entrevista ao Primeiro Impacto, do SBT, o coordenador da Pastoral do Povo de Rua disse que considera o requerimento protocolado pelo vereador Rubinho Nunes (União) em 6 de dezembro "um pedido legítimo". "Faz parte dos instrumentos da Câmara Municipal instalar CPIs", destacou.

Chamada de CPI das ONGs, a comissão parlamentar de inquérito pretende investigar a atuação dessas instituições na região central da capital paulista, em especial na Cracolândia. Segundo o requerimento, assinado por 21 vereadores, as Organizações Não Governamentais "fornecem alimentos, utensílios para uso de substâncias ilícitas e tratamento dos dependentes químicos que frequentam a região da Cracolândia".

O documento não cita o padre Júlio em sua justificativa, nem mesmo o nome das organizações a serem investigadas. Em entrevista ao SBT News na quarta-feira (03), Rubinho Nunes tentou associar o religioso ao que chamou de "máfia da miséria". Questionado sobre o padre não pertencer a nenhuma ONG, o vereador rebateu:

"O padre não consta no quadro diretivo de nenhuma, mas ele atua como 'frente' dessas ONGs. Na verdade, é aquela velha história: ele utiliza de 'testas' para se ocultar dentro delas, mas ele responde enquanto figura individual, pessoa física, e vai ser chamado para prestar esclarecimentos", disse.

Júlio Lancellotti negou qualquer relação com instituições que atuam na região da Cracolândia. "Eu não sou nenhuma ONG, não existe uma ONG Padre Júlio Lancellotti. Não pertenço a nenhuma dessas ONGs e também não recebo nenhum dinheiro público", disse.

Há mais de 40 anos lutando pelos direitos dos mais pobres e necessitados, o sacerdote acredita que existem outras perguntas a serem feitas. Para ele, é mais importante saber como se dão as políticas públicas para as pessoas em situação de rua e dependentes químicas.

"Eu estou desde ontem tentando conseguir vagas de internamento para pessoas que estão solicitando e não estou conseguindo. Muitas vezes se fala até de internações forçadas ou compulsórias, mas não se consegue nem daqueles que querem voluntariamente. É importante refletir sobre tudo isso e não ficarmos nos efeitos, irmos para as causas do problema", afirmou.

Por fim, o padre se mostrou sereno. "Quem está do lado dos rejeitados, vai ser rejeitado. Quem está do lado dos desprezados vai ser desprezado também. Eu sei disso, sei dessa lógica e sou seguidor de um crucificado ressuscitado", disse ele.

Arquidiocese se diz perplexa

Ainda na quarta, a Arquidiocese de São Paulo afirmou que acompanha "com perplexidade" a notícia de uma possível instauração de CPI para investigar o padre.

No pronunciamento do Vicariato Episcopal para Comunicação, eles questionam os motivos para a abertura de "uma CPI contra um sacerdote que trabalha com os pobres, justamente no início de um ano eleitoral".

Padre Júlio, ainda segundo a nota, "exerce o importante trabalho de coordenação, articulação e animação dos vários serviços pastorais voltados ao atendimento, acolhida e cuidado das pessoas em situação de rua na cidade".

Abertura de CPI precisa ser votada em plenário da Câmara Municipal

Por enquanto, o vereador do União Brasil deu apenas o primeiro passo para a instauração de uma CPI: protocolou o pedido com a assinatura de mais de um terço dos parlamentares da Câmara Municipal. Ele precisava de pelo menos 18 assinaturas e conseguiu 21.

Agora, segundo o regimento interno da Câmara de Vereadores, ele precisa de aprovação em plenário pela maioria absoluta (mais de 50%) dos parlamentares para instaurar a Comissão: 28 das 55 cadeiras.

Isso porque, segundo o documento que rege a atuação dos vereadores, cinco CPIs podem ser instauradas ao mesmo tempo, mas após a abertura das duas primeiras as outras três só podem ser instaladas em caráter excepcional. Para isso, precisam passar pela votação no plenário da Casa. Outros 44 pedidos já estão na fila para serem apreciados pelos parlamentares.

Atualmente, três Comissões já estão em atividade na Casa: a dos Furtos de Fios e Cabos, a da Enel e a da Violência e Assédio Sexual Contra Mulheres.

O vereador afirma que conseguiu o apoio de 30 parlamentares – mais do que os 28 necessários – e que teria um acordo com a mesa diretora para que uma "votação simbólica" acontecesse em fevereiro, no retorno do recesso. O presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (União), não confirma a informação. "Para ser criada, esta CPI, assim como todas as outras, precisa passar por aprovação no plenário da Câmara", afirmou.

Veja abaixo a entrevista completa:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Padre Júlio Lancellotti
Câmara
Vereadores
São Paulo
CPIs

Últimas notícias

Barbeiro transforma ponto de taxi em barbearia após perder comércio em Porto Alegre

Barbeiro transforma ponto de taxi em barbearia após perder comércio em Porto Alegre

No dia 4 de maio deste ano, Laio viu tudo o que tinha ficar embaixo d'água, inclusive sua residência
Com hospitais alagados, gestantes e recém-nascidos são atendidos em abrigos no RS

Com hospitais alagados, gestantes e recém-nascidos são atendidos em abrigos no RS

Uma das crianças atendidas tem 11 dias de vida e nem chegou a usar o enxoval, que foi totalmente perdido nas enchentes
Imposto de renda: 17 milhões de contribuintes ainda não entregaram declaração; veja dicas

Imposto de renda: 17 milhões de contribuintes ainda não entregaram declaração; veja dicas

No dia 31 de maio, encerra-se o prazo para declarar o IRPF 2024; escritórios de contabilidade têm ampliado a capacidade de atendimento
Enquanto o Sul do Brasil enfrenta os efeitos da chuva, outras partes do mundo sofrem com a seca

Enquanto o Sul do Brasil enfrenta os efeitos da chuva, outras partes do mundo sofrem com a seca

No México, por exemplo, mais de 22 milhões de pessoas podem ficar sem água nas próximas semanas
Santa Catarina recebe mais de 400 famílias afetadas pelas chuvas no RS

Santa Catarina recebe mais de 400 famílias afetadas pelas chuvas no RS

Estado vem fazendo um mapeamento para distribuir auxílios conforme a demanda de cada um dos gaúchos
Irã mata 7 pessoas na forca; ONG denuncia aumento de execuções

Irã mata 7 pessoas na forca; ONG denuncia aumento de execuções

Penas teriam sido aplicadas neste sábado (18); das 7 vítimas, 2 seriam mulheres
Flores são projetadas no Cristo para lembrar combate ao abuso sexual de crianças

Flores são projetadas no Cristo para lembrar combate ao abuso sexual de crianças

Ação faz parte da campanha de mobilização nacional. Do início de 2024 até agora, o Disque 100 recebeu mais de 11 mil denúncias
Chuvas no RS: Força-tarefa encontra galão de água sendo vendido a R$ 80

Chuvas no RS: Força-tarefa encontra galão de água sendo vendido a R$ 80

Ação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) contra preços abusivos autuou 65 estabelecimentos
Municípios do RS discutem plano para dar novas moradias aos afetados pelas chuvas

Municípios do RS discutem plano para dar novas moradias aos afetados pelas chuvas

Relatório da Confederação Nacional dos Municípios aponta que mais de 100 mil casas foram danificadas ou completamente destruídas
Cantor Arlindinho denuncia que filha de 9 anos foi vítima de racismo em escola

Cantor Arlindinho denuncia que filha de 9 anos foi vítima de racismo em escola

Filho de Arlindo Cruz relatou o fato nas redes sociais; escola se manifestou por meio de nota
Publicidade
Publicidade