Publicidade

50 anos depois: USP entrega diplomas de estudantes mortos pela ditadura

Alexandre Vannuchi e Ronaldo Queiroz eram alunos de Geologia quando foram assassinados em 1973

50 anos depois: USP entrega diplomas de estudantes mortos pela ditadura
Publicidade

Cinquenta anos de espera para a conclusão do curso de Geologia da Universidade de São Paulo, a USP. Esse foi o tempo que os estudantes Alexandre Vannuchi Leme e Ronaldo Mouth Queiroz foram obrigados a esperar para serem finalmente diplomados. Assassinados por agentes da ditadura militar, em 1973, os dois recebem diplomas póstumos, entregues nas mãos de seus familiares ou de representantes, em uma sessão solene nesta 6ª feira (15.dez), no Instituto de Geociência.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

"Os dois eram estudantes, muito daquele anseio, do sonho de ser geólogo, de ter o diploma e a profissão de geólogo também foi ceifado junto com a vida deles", diz Camilo Vannuchi, jornalista e primo de segundo grau de Alexandre.

Para ele, a homenagem aos dois estudantes, tantos anos após serem mortos pela repressão, é um gesto de reparação. Alexandre já estava no último ano da graduação quando foi morto. Se vivo, ainda em 1973 sairia da universidade formado.

"É interessante essa reparação também, a ideia de que ele teria esse diploma se não vivêssemos numa ditadura truculenta, em que estudantes com posicionamento político poderiam ser assassinados", completa o primo.

O diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política, Maurice Politi, concorda. "Dar o diploma aos dois, como homenagem póstuma, é um gesto de reparação que a sociedade brasileira ainda deve a quem lutou por ideais democráticos na resistência ativa a um regime ilegal e ilegítimo", afirma.

A ideia, agora, é que outros estudantes da USP, também vítimas da ditadura, possam receber a mesma homenagem. São pelo menos 30, segundo Camilo Vannuchi.

+ Apátrida: jovem foi expulso do Brasil durante ditadura

Quem são os homenageados?

Ronaldo Queiroz era estudante de Geologia da USP e presidiu o Diretório Central dos Estudantes (DCE) entre 1970 e 1971. Integrante da Ação Libertadora Nacional (ALN), ele abandonou o curso após sofrer perseguição política. Ronaldo foi um dos responsáveis por continuar com o movimento estudantil durante a repressão. 

Alexandre assumiu a presidência em seguida e também foi militante da ALN à época da prisão. O assassinato do jovem virou um símbolo da luta pela liberdade. O então cardeal de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, tomou a frente e realizou uma missa em homenagem ao estudante na Catedral da Sé, sendo uma das primeiras ações públicas que desafiou as autoridades militares. Em 1976, o DCE da USP passou a levar o seu nome.

Funeral de Alexandre Vannuchi, em Sorocaba (SP), em 1973 | Arquivo Pessoal

Como os estudantes morreram?

Alexandre Vannuchi foi sequestrado e levado para o Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), um dos principais locais de tortura da ditadura, no dia 16 de março de 1973. Ele havia realizado uma cirurgia de retirada de apêndice dois meses antes do sequestro. Por dois dias, o corte - ainda não cicatrizado - foi manipulado pelos agentes como forma de tortura. Quem conviveu nas celas da detenção ao lado do estudante conta que o jovem teria sofrido uma hemorragia interna durante o tempo que ficou preso.

Até 2012, a versão oficial para a morte de Alexandre era de que ele havia sido atropelado. Antes, os agentes chegaram a afirmar que ele tinha se suicidado dentro da enfermaria do DOI-Codi, mas depoimentos de presos políticos fizeram a história cair por terra.

Foi só durante a Comissão Nacional da Verdade que um ex-servidor do centro de tortura admitiu que o estudante de geologia foi morto nas dependências do órgão da repressão. Sua certidão de óbito, que tinha como causa da morte "lesão traumática crânio-encefálica causada por atropelamento", passou a atestar em 2013 que ele foi morto por "lesões decorrentes de torturas e maus-tratos sofridos quando estava nas dependências do DOI-Codi".

Ronaldo Queiroz estava em um ponto de ônibus, no dia 6 de abril daquele mesmo ano, na região central de São Paulo. Três agentes do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) desceram armados de uma perua veraneio e um deles disse: "É esse, é esse". Ronaldo sofreu dois disparos à queima-roupa e não resistiu.

Depois, um dos policiais colocou um revólver na mão do estudante, outro na cintura e uma pequena agenda em seu bolso, para simular um tiroteio. Esse foi o depoimento de Paulo Antônio, uma das testemunhas do crime, à Comissão Estadual da Verdade, em 2013.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
sbt
noticias
brasil
estudantes
usp
alexandre vannuchi
ronaldo queiroz
ditadura
ditadura militar
são paulo
sp
geologia
doi-codi
dops

Últimas notícias

Joseli Camelo, do STM, diz que militares cometeram excessos na ditadura

Joseli Camelo, do STM, diz que militares cometeram excessos na ditadura

Ministro também condenou militares que estão se candidatando a cargos políticos ao falar das eleições municipais
Machado de Assis: após 'Brás Cubas' viralizar com tiktoker, conheça outros livros do escritor

Machado de Assis: após 'Brás Cubas' viralizar com tiktoker, conheça outros livros do escritor

Livro do "defunto-autor" é o mais vendido na Amazon americana na categoria Literatura Caribenha e Latino-Americana
MG: Ex-paciente e stalker de médico tem pedido de liberdade negado

MG: Ex-paciente e stalker de médico tem pedido de liberdade negado

Kawara Welch teria enviado 1,3 mil mensagens e feito 500 ligações telefônicas para a vítima
Médico nega atestado para mãe que precisa cuidar do filho doente

Médico nega atestado para mãe que precisa cuidar do filho doente

Profissional estava na lista de pediatras de unidade, mas não tem a especialidade; mulher afirma que fará um boletim de ocorrência
Lula recebe presidente do Benim em visita oficial no Palácio do Planalto nesta quinta (23)

Lula recebe presidente do Benim em visita oficial no Palácio do Planalto nesta quinta (23)

Presidentes vão tratar da relação comercial entre os dois países e celebrar reabertura da embaixada do país africano no Brasil
VÍDEO: Mariachis e “engolidor de fogo” brigam no meio da rua

VÍDEO: Mariachis e “engolidor de fogo” brigam no meio da rua

Confusão foi registrada no México; artistas estariam disputando espaço para apresentações
Haddad: "Queremos que a economia do RS volte e se recupere o mais rapidamente possível"

Haddad: "Queremos que a economia do RS volte e se recupere o mais rapidamente possível"

Ministro da Fazenda agradeceu ao Congresso por pactuar com projetos para a recuperação do estado na crise climática
Peixe de 100 quilos é encontrado morto na Praia da Boa Viagem, em Niterói

Peixe de 100 quilos é encontrado morto na Praia da Boa Viagem, em Niterói

O animal é da espécie Cherne e foi carregado por garis em uma maca improvisada; veja o vídeo
Anatel confirma criação de novo sistema de alerta de emergências até dezembro para Sul e Sudeste

Anatel confirma criação de novo sistema de alerta de emergências até dezembro para Sul e Sudeste

Atualmente em fase de testes pela Defesa Civil, procedimento deve começar a funcionar justamente quando chuvas de verão atingem regiões
Ex-jogador de beisebol é preso após marcar encontro com adolescente

Ex-jogador de beisebol é preso após marcar encontro com adolescente

Austin Maddox foi flagrado pela polícia quando chegava na casa da suposta vítima, na Flórida (EUA)
Publicidade
Publicidade