Publicidade

Servidores aumentam pressão ao governo e insistem em aumento para 2024

Greve deve avançar antes de resposta do Executivo; ministério avalia contraproposta, mas garante reajuste apenas para o próximo biênio

Servidores aumentam pressão ao governo e insistem em aumento para 2024
Pedro França/Agência Senado
Publicidade

Com uma resposta incerta por parte do governo, servidores públicos federais planejam aumentar a pressão contra o Executivo para insistir na negociação de um aumento salarial em 2024. Algumas categorias, como a dos funcionários do Banco Central, iniciaram paralisações. A possibilidade de greve começou a ser discutida entre servidores da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Tesouro Nacional.

+ Leia as últimas notícias do portal SBT News

Na avaliação de Rudinei Marques, presidente do Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate), o movimento deve se intensificar nas próximas semanas, em ações que devem se desenrolar antes de junho - prazo estipulado pelo governo para confirmar o possível reajuste. Até o momento, o Ministério da Gestão e Inovação garante adequações para o próximo biênio - nos anos de 2025 e 2026. Além de uma recomposição de benefícios, como tíquete alimentação e creche. A possibilidade foi criticada por diferentes categorias, por não contemplar aposentados.

“Os servidores saíram indignados da última reunião com o governo para discutir a questão salarial, porque depois de 6 anos de ataques reiterados do governo Temer e Bolsonaro, todos esperavam que o governo fosse retomar a política de valorização do serviço público federal”, analisa Marques, a respeito de reunião que analisou o pedido apresentado pelo servidores na última quinta-feira (28).

O presidente do Fórum também afirma haver análise de que há recursos disponíveis para atender categorias do serviço público, e que essa é a motivação para outras ações por parte dos funcionários: “É bem verdade que tivemos o reajuste emergencial, mas o nome já diz em que circunstâncias ele veio, no ano passado. Mas chegou o momento de retomar o fortalecimento do serviço público. E aí o governo anuncia um congelamento o que revoltou as lideranças e não nos deixou opção a não ser intensificar as mobilizações”.

+ Servidores públicos cogitam possível greve unificada para aumento em 2024

Na última reunião, o secretário de Relações do Trabalho do MGI, José Lopez Feijoó, afirmou que o governo aguarda a confirmação da arrecadação extra no ano para definir se haverá reajuste salarial aos servidores públicos. A expectativa apresentada foi de que a resposta seja dada apenas em junho, o que provocou insatisfação dos servidores.

Pedido de servidores

Conforme noticiou o SBT News, servidores públicos federais ligados ao Fonacate protocolaram em janeiro uma contraproposta para reajuste salarial ao governo. O documento formalizou pedido para que o reajuste parcelado, de 9% em 2025 e 2026, sugerido pelo Executivo, seja antecipado para este ano. Servidores também propuseram outros aumentos: de duas parcelas de 7,5% no próximo biênio. O texto também pedia para que as parcelas fossem oficializadas nos meses de maio, de cada ano.

O documento rebateu uma sugestão enviada pelo governo em dezembro. À época, a pasta definiu que um aumento salarial ficaria para os anos de 2025 e 2026 e que, para este ano, os benefícios seriam voltados em aumentos nos auxílios alimentação, creche e saúde.

No caso dos benefícios, a adequação proposta foi de 51%. No caso do vale alimentação, o aumento proposto foi de passar dos R$ 658 para R$ 1 mil. A recomposição salarial, no entanto, ficou de fora, com sugestão de ser paga em duas parcelas de 4,5%, em 2025 e 2026.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Política

Últimas notícias

Presidente do Irã morto em queda de helicóptero será enterrado nesta quinta-feira (23)

Presidente do Irã morto em queda de helicóptero será enterrado nesta quinta-feira (23)

Corpo de Ebrahim Raisi vem sendo velado desde o início da semana; enterro será na cidade de Mashhad
GO: Morre mulher que teria sido espancada por fisiculturista

GO: Morre mulher que teria sido espancada por fisiculturista

Suspeito segue preso e câmeras registraram quando o homem sai do condomínio, carregando a vítima desacordada
Brasil se aproxima de 3 mil mortes por dengue em 2024

Brasil se aproxima de 3 mil mortes por dengue em 2024

Ministério da Saúde já confirma 2.959 óbitos pela doença; outros 2.662 estão sob investigação
CONTEXTUALIZANDO: Detentos em abrigos do RS são do semiaberto e não têm relação com crimes de violência sexual

CONTEXTUALIZANDO: Detentos em abrigos do RS são do semiaberto e não têm relação com crimes de violência sexual

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Polícia da Bahia se consolida como a que mais mata no Brasil em 2024

Polícia da Bahia se consolida como a que mais mata no Brasil em 2024

Estado deixa para trás SP e RJ na lista de letalidade policial; em média, 18 pessoas foram mortas por dia por agentes de segurança no Brasil no 1º trimestre
Brasil Agora: Lixo toma conta de ruas em Porto Alegre; Lula sanciona Perse

Brasil Agora: Lixo toma conta de ruas em Porto Alegre; Lula sanciona Perse

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta quinta-feira (23)
Derrotada nas primárias, Nikki Haley anuncia voto em Trump nas eleições dos EUA

Derrotada nas primárias, Nikki Haley anuncia voto em Trump nas eleições dos EUA

Política foi o último obstáculo para a nomeação do ex-presidente no Partido Republicano
Imposto de Renda 2024: Receita abre consulta ao 1º lote de restituição nesta quinta-feira (23)

Imposto de Renda 2024: Receita abre consulta ao 1º lote de restituição nesta quinta-feira (23)

Créditos somam R$ 9,5 bilhões e serão depositados para mais de 5,5 milhões de contribuintes
Médico é afastado após negar atestado para mãe cuidar de filho doente

Médico é afastado após negar atestado para mãe cuidar de filho doente

Profissional alegou que criança de cinco anos poderia ficar sozinha em casa; Conselho Regional de Medicina do Paraná investiga o caso
RS recebe primeiras unidades de habitação emergencial enviadas pela ONU

RS recebe primeiras unidades de habitação emergencial enviadas pela ONU

Estruturas são montáveis e serão instaladas para acolher desabrigados
Publicidade
Publicidade