Publicidade

Rui Costa minimiza ato bolsonarista e diz que Bolsonaro assumiu crime na Paulista

Ministro da Casa Civil ironizou pedido de anistia de Bolsonaro aos presos do dia 8 de Janeiro

Rui Costa minimiza ato bolsonarista e diz que Bolsonaro assumiu crime na Paulista
Rui Costa durante o programa Bom dia, Ministro
Publicidade

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou em entrevista coletiva, nesta segunda-feira (26), que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), confessou crime em suas falas durante as manifestação realizada no último domingo (25).

+ Tarcísio exalta governo Bolsonaro e diz que ex-presidente 'representa movimento'; Michelle ora

Em declaração a jornalistas após evento no Palácio do Planalto que lançou o Programa de Democratização de Imóveis da União, Costa minimizou a presença de público na Avenida Paulista e mencionou a fala em que Bolsonaro admite ter conhecimento da minuta do golpe. A Polícia Federal (PF) teria incluído as declarações no inquérito que investiga a tentativa do ex-presidente e de aliados de promover um rompimento democrático para continuar no poder.

+ Ato de Bolsonaro na Paulista reuniu 600 mil, diz SSP; levantamento da USP fala em 185 mil

Rui Costa argumentou que não houve um golpe de estado porque a “esmagadora maioria” da sociedade brasileira se opôs às tentativas de Jair Bolsonaro e de seus aliados. “Aquele negócio: tentei fazer estupro e não concluí, tentei o golpe e não tive êxito. Eu sequestrei a pessoa, mas não consegui receber pelo resgate porque a polícia e a sociedade me impediram de concluir o crime. É um negócio estarrecedor”, disse

“Talvez aqueles que invadiram e quebraram todos os prédios públicos, patrimônio histórico, o fizeram tentando que aquilo virasse um efeito dominó, uma bola de neve, como foi em 2013 um protesto dos 20 centavos de ônibus. Começou aquilo em São Paulo e aquilo transbordou para o resto do país, talvez os intelectuais do golpe tenham tentado replicar a mesma lógica para o 8 de janeiro”, acrescentou o ministro.

Segundo Rui Costa, a divisão no país por conta de Lula e Bolsonaro possui influência do “ódio” pregado por “setores religiosos mobilizados por seus líderes”. Entre os presentes no ato pró-Bolsonaro estava o pastor Silas Malafaia. “Eu acho que isso é um processo. O nível de radicalização e ódio que foi alcançado no país, nós não vamos resolver isso em poucos meses. Isso é um processo de decantação e de busca pela racionalidade e pela volta à paz no país. É um processo lento. Isso está acontecendo lentamente. É como jogar água numa camada de areia. Não vai molhar imediatamente todas as camadas, ela vai descendo e molhando lentamente”, disse Rui Costa.

O ministro disse que o trunfo do governo para reduzir a polarização é atuar de forma “republicana” e governando com todos os setores ideológicos em prol do desenvolvimento do país. “Quando você faz o que estamos fazendo, uma atuação republicana com prefeitos e governadores, sem excluir governadores de qualquer partido. Nós fizemos o PAC com 27 governadores. [...] isso você dá um exemplo concreto, não pela retórica ou oratório, que nós governamos para todos”, complementou.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Lula
Bolsonaro
Atos golpistas

Últimas notícias

"Estou anestesiada. Nos vimos ontem", lamenta ex-esposa do cantor Nahim

"Estou anestesiada. Nos vimos ontem", lamenta ex-esposa do cantor Nahim

Sucesso nos anos 80, artista foi encontrado morto em sua casa na manhã desta quinta-feira (13)
Ciro Nogueira atribui derrota de Bolsonaro nas eleições de 2022 também a aliados

Ciro Nogueira atribui derrota de Bolsonaro nas eleições de 2022 também a aliados

Sem citar Roberto Jefferson e Carla Zambelli, ex-ministro da Casa Civil diz que casos midiáticos a uma semana do pleito prejudicaram ex-presidente
Albinismo nem sempre afeta a cor da pele; entenda o que é condição rara

Albinismo nem sempre afeta a cor da pele; entenda o que é condição rara

Exposição ao sol pode causar queimaduras no corpo e, em alguns casos, apenas a região dos olhos é atingida
Suspeito de matar jovem e ocultar cadáver em casa é preso no Rio

Suspeito de matar jovem e ocultar cadáver em casa é preso no Rio

"Amigo" da vítima estava foragido; Já Caio da Silva Rendão, de 21 anos, estava desaparecido desde o dia 9 de fevereiro
Nahim gravou "Qual é a Música", do "Programa Silvio Santos, com Patrícia Abravanel"; exibição será em breve

Nahim gravou "Qual é a Música", do "Programa Silvio Santos, com Patrícia Abravanel"; exibição será em breve

Cantor esteve nos estúdios do SBT em São Paulo no começo deste mês, onde gravou o famoso quadro musical
Urgência de PL sobre aborto foi demonstração de força de Lira em semana ruim do governo; veja análise

Urgência de PL sobre aborto foi demonstração de força de Lira em semana ruim do governo; veja análise

Jornalista Nathalia Fruet traz bastidores políticos sobre aprovação relâmpago de urgência de projeto que iguala aborto a homicídio na Câmara dos Deputados
El Niño chega ao fim, com previsão de La Niña; entenda o que pode mudar no clima

El Niño chega ao fim, com previsão de La Niña; entenda o que pode mudar no clima

Inmet aponta que novo fenômeno climático, associado à diminuição da temperatura e aumento das chuvas, deve começar no próximo semestre
Pastor da igreja Bola de Neve é afastado após medida protetiva concedida à esposa

Pastor da igreja Bola de Neve é afastado após medida protetiva concedida à esposa

Rinaldo Seixas, conhecido como “apóstolo Rina”, é líder da instituição; ele responde por denúncias de lesão corporal, violência psicológica e outros
PL que equipara aborto a homicídio pode manter vítimas presas por mais tempo que estupradores; entenda

PL que equipara aborto a homicídio pode manter vítimas presas por mais tempo que estupradores; entenda

Na quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados definiu urgência na tramitação da pauta; a expectativa é de que seja votada já na próxima semana
Maré: suspeitos de matar policial do Bope são identificados pela Polícia Civil no Rio

Maré: suspeitos de matar policial do Bope são identificados pela Polícia Civil no Rio

Investigações apontam que os homens atuam na segurança de lideres da facção criminosa da região
Publicidade
Publicidade