Publicidade

Pacheco ameniza crítica e diz que mudança em MP da reoneração não é uma afronta

Presidente do Senado rebateu Haddad, avaliou que envio de mudança como projeto “seria o correto” e teria avançado mais rápido entre parlamentares

Pacheco ameniza crítica e diz que mudança em MP da reoneração não é uma afronta
Publicidade

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), amenizou problemas na relação entre Congresso e governo, mas manteve o tom crítico à estratégia da equipe econômica em tentar retomar a reoneração a municípios. "Não há nenhum tipo de afronta, nenhum ato de irresponsabilidade fiscal", disse o senador.

O movimento veio por medida provisória (MP), no fim do ano passado, e foi alvo de críticas entre parlamentares por sugerir a mudança em um projeto recém-aprovado pelo Congresso.

+ Com críticas ao governo, Pacheco retira reoneração de municípios de medida provisória

A posição de Pacheco veio nesta terça-feira (2), um dia após ele retirar trechos da MP e manter a desoneração a municípios. Ao divulgar a mudança, o presidente do Senado questionou a estratégia do governo na forma de propor a mudança.

“Eu considero que se há um propósito de modificação da lei votada no mês de dezembro, o correto seria, ao invés da medida provisória, desde sempre, ser representado por um projeto de lei. Estaria a princípio hoje sendo finalizada a discussão e não ter apostado uma medida provisória que flagrantemente não tinha viabilidade política”, afirmou Pacheco.

O senador ainda disse que as divergências não alteram a relação entre os Poderes. “Isso não abala a relação que nós estabelecemos, inclusive muito proveitosa no ano de 2023, com aprovações importantes, como a reforma tributária”, destacou.

A declaração veio horas após o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ter dito que não foi avisado da mudança na medida provisória. O mesmo foi destacado pelo líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA). Do outro lado, Pacheco rebateu, e disse ter avisado o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Nos bastidores, a cobrança do governo foi vista com surpresa, pelo calendário ligado à medida provisória colocar para o mês de abril o início da cobrança a municípios. A MP também precisou ser prorrogada - e o período deveria estar no radar do governo, conforme apontam interlocutores.

Pacheco defendeu a continuidade do previsto pelo Congresso aos municípios como uma alternativa que possibilita segurança jurídica, de forma que não haja mudanças tributárias em um curto período.

“Nos três primeiros meses, valeu a lei que definiu 8% da alíquota. A partir da vigência da MP, são 60 dias de proveito, de arrecadação, passando para 20%. Mas daqui a pouco volta para 8%. Até que se discuta um modelo que não vai ser nem 8% nem 20% [...] Nós vamos ter três, quatro modelos de estilos tributários ao longo do ano por conta de uma instabilidade gerada a partir do manejo de medida provisória”, pontuou.

O governo insiste em não conseguir bancar a desoneração para municípios e planeja uma alternativa como projeto de Lei. O texto ainda não chegou ao Congresso. Outro ponto da MP, que coloca fim ao Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), também está em negociação. Uma alternativa ao projeto também será enviada como projeto.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Política

Últimas notícias

SP: Dois jovens são baleados em tentativas de assalto na mesma região

SP: Dois jovens são baleados em tentativas de assalto na mesma região

Polícia investiga se crimes foram cometidos pelos mesmos bandidos; na capital, foragido em moto roubada foi baleado e preso
ONU pede investigação sobre valas comuns descobertas em hospitais de Gaza

ONU pede investigação sobre valas comuns descobertas em hospitais de Gaza

Quase 300 corpos foram encontrados por autoridades palestinas; vítimas estavam despidas e com mãos amarradas
Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 6 milhões

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 6 milhões

Próximo sorteio será na quinta-feira (25)
Madonna em Copacabana: Metrô do Rio confirma operação especial até 4h

Madonna em Copacabana: Metrô do Rio confirma operação especial até 4h

Cantora norte-americana se apresenta no dia 4 de maio; expectativa é de público de 1 milhão de pessoas
Governo libera R$ 2,7 bilhões ao Congresso e posterga negociações às vésperas de análise de vetos

Governo libera R$ 2,7 bilhões ao Congresso e posterga negociações às vésperas de análise de vetos

Deputados e senadores vão avaliar decisões de Lula nesta quarta-feira (24); saiba o que está em jogo
Brasil Agora: Lula minimiza queda de popularidade; Câmara aprova reestruturação do Perse

Brasil Agora: Lula minimiza queda de popularidade; Câmara aprova reestruturação do Perse

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta quarta-feira (24)
INSS começa a pagar 13º salário nesta quarta-feira (24); veja quem recebe

INSS começa a pagar 13º salário nesta quarta-feira (24); veja quem recebe

Primeira parcela do benefício deve contemplar mais de 33 milhões de segurados
Moraes autoriza nova investigação da PF sobre cartão de vacina de Bolsonaro

Moraes autoriza nova investigação da PF sobre cartão de vacina de Bolsonaro

Decisão atende pedido da PGR, que apura ligação com tentativa de golpe de Estado
Polícia vai investigar morte de cachorro embarcado em voo errado da Gol

Polícia vai investigar morte de cachorro embarcado em voo errado da Gol

Cão da raça golden retriever deveria ser levado para Mato Grosso, mas foi enviado por engano para o Ceará; viagem levou 8 horas
Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Chamas queimam desde o último domingo (21) em um dos maiores aterros da Índia; moradores relataram dificuldade para respirar
Publicidade
Publicidade