Publicidade

Lula encontra Pacheco para negociar medida provisória da compensação

Proposta restringe créditos em impostos para empresas, mas foi mal recebida por empresários e batizada de "MP do Fim do Mundo"

Lula encontra Pacheco para negociar medida provisória da compensação
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o presidente Lula (PT) em 2023; nesta segunda-feira (10), os dois se reuniram no Palácio do Planalto | Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
Publicidade

O governo iniciou a semana em negociações para defender mudanças no crédito tributário para empresas no país. A alteração foi implementada por meio de uma medida provisória (MP) e já está em vigor, mas enfrenta resistência no Congresso Nacional para se tornar permanente.

+ Governo não teme aumento dos preços com mudanças tributárias, diz Haddad

Como forma de resposta, o presidente Lula (PT) se reuniu com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), na tarde desta segunda-feira (10). O encontro, fora da agenda oficial, se dá em meio a uma pressão da oposição e do meio empresarial, que pedem para que Pacheco não aceite a proposta e devolva a MP.

O movimento permitiria que o texto deixasse de valer e não fosse analisado pelos parlamentares, mas pode impactar na desoneração na folha de pagamentos a setores e municípios.

A nova proposta do governo, que chegou a ser apelidada de “MP do Fim do Mundo”, suspende o uso de créditos tributários em impostos como PIS e Cofins por parte de empresas. Atualmente, o benefício é utilizado como uma forma de diminuição do valor final de impostos a serem pagos.

O texto é defendido pela equipe econômica como uma forma de aumentar a arrecadação e está atrelado por governistas à continuidade da desoneração na folha de pagamentos para setores e municípios.

O desconto em folha foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas teve a aplicação adiada por um período de 60 dias para conceder a possibilidade de acordo entre o governo e o Congresso - falta pouco mais de um mês para que esse prazo chegue ao fim.

+ Governo fecha acordo com Congresso para reoneração gradual, sem impacto em 2024

A alternativa encontrada foi a de uma reoneração gradual aos setores, com possível adesão de municípios, até o ano de 2027. Para seguir com a apresentação de um texto nesse sentido, no entanto, a base governista sustenta a necessidade de uma compensação financeira apresentada pela nova MP.

Críticas à medida provisória

A mudança adotada pelo governo tem sido alvo de críticas, principalmente do setor empresarial. Diferentes confederações, como da Agricultura e Pecuária (CNA), ligadas ao comércio (CNC) da Indústria (CNI) e do Transporte (CNT), publicaram uma nota de repúdio ao setor e defendem que a adequação traz instabilidade jurídica.

"A consequência é a diminuição da competitividade dos produtos brasileiros, além de ameaçar a saúde financeira das empresas, os empregos, e investimentos, aumentar a insegurança jurídica e causar reflexos prejudiciais na inflação do país", diz trecho do comunicado.

O impacto na inflação e a possibilidade de que os custos sejam repassados aos consumidores foram rebatidos pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. O titular da economia afirma que a devolução de créditos segue garantida e que as discussões estarão atreladas ao prazo.

“A devolução continua garantida, a preocupação maior que ouvi de empresários é sobre o prazo, e isso estamos dispostos a sintonizar com a reforma tributária”, disse, a jornalistas na Esplanada.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Política

Últimas notícias

Governo define regras mais rígidas para distribuidoras de energia

Governo define regras mais rígidas para distribuidoras de energia

Segundo as novas normas, a satisfação do consumidor será um dos critérios de avaliação
Polícia do DF prende suspeitos de chefiar quadrilha que realizava falsos sequestros

Polícia do DF prende suspeitos de chefiar quadrilha que realizava falsos sequestros

Segundo as investigações, o grupo atuava em 15 estados
Vídeo: deputada é flagrada derramando água dentro da bolsa de colega nos EUA

Vídeo: deputada é flagrada derramando água dentro da bolsa de colega nos EUA

"Por cinco meses, passei por isso", desabafou parlamentar que teve a bolsa encharcada
Polícia Federal prende quadrilha suspeita de fraudes bancárias

Polícia Federal prende quadrilha suspeita de fraudes bancárias

Prisões foram em cinco diferentes cidades do estado de São Paulo
Dólar atinge R$ 5,46, maior valor em um ano e meio

Dólar atinge R$ 5,46, maior valor em um ano e meio

Alta acontece após críticas do presidente Lula à decisão do Copom de manter taxa de juros
Idosa de 105 anos recebe seu diploma de mestrado 83 anos após iniciar os estudos

Idosa de 105 anos recebe seu diploma de mestrado 83 anos após iniciar os estudos

Virginia precisou largar os estudos para casar com seu namorado da época, que foi chamado para servir na Segunda Guerra Mundial
Ronnie Lessa passa 1ª noite em presídio de SP, onde será monitorado dia e noite

Ronnie Lessa passa 1ª noite em presídio de SP, onde será monitorado dia e noite

Assassino confesso de Marielle Franco, em 2018, foi transferido de presídio federal em MS, como benefício da delação
Toffoli abre terceira via e STF adia decisão sobre descriminalização da maconha

Toffoli abre terceira via e STF adia decisão sobre descriminalização da maconha

Para o ministro, o porte da erva para consumo próprio já não tem natureza criminal. Julgamento continua na próxima terça (26)
STF decide arquivar inquérito contra Google e Telegram

STF decide arquivar inquérito contra Google e Telegram

Relator do documento, Moraes seguiu parecer da PGR
Agência promete R$ 10 milhões para pequenas empresas do RS

Agência promete R$ 10 milhões para pequenas empresas do RS

Ricardo Capelli, presidente da ABDI, diz que agência vai fechar parceria em junho
Publicidade
Publicidade