Publicidade

Juiz em Haia explica decisão da Corte para que Israel atue contra genocídio em Gaza

Ao SBT News, Leonardo Brant detalha decisão e aponta que não cabe ao Tribunal em Haia ordenar cessar-fogo; veja entrevista

Juiz em Haia explica decisão da Corte para que Israel atue contra genocídio em Gaza
Publicidade

Com uma determinação para que Israel tome providências para não cometer genocídio na Faixa de Gaza, a Corte Internacional de Justiça aguarda a apresentação de esclarecimentos de ações adotadas pelo governo isralense e estima concluir o julgamento do caso em um período de até três anos. Assim como a decisão do último 26 de janeiro, os desdobramentos não devem pedir por um cessar-fogo, conforme explica o único juiz brasileiro no Tribunal de Haia, Leonardo Nemer Caldeira Brant.

+ Corte Internacional de Justiça determina que Israel evite atos de genocídio em Gaza

Em entrevista ao programa Mapa Mundi, do SBT News, Brant condiciona as ações da Corte aos temas que são de competência do próprio tribunal. O juiz explica que mesmo com sensibilidade ao conflito entre Israel e Hamas, não cabe a Haia estabelecer o fim da guerra através de uma denúncia apresentada por um país que não está ligado ao confronto. O tema em análise foi apresentado pela África do Sul, e ganhou apoio do Brasil.

“Não é uma decisão em cima do muro. A Corte indica que é um risco potencial de violação da convenção em matéria de genocídio, e ela disse que ela irá analisar o mérito da questão no momento apropriado mas que, até o momento da análise do mérito, todos os direitos relativos às garantias impostas pela convenção devem ser protegidos”, afirma Leonardo Brant.

O juiz também aponta que, por ser um tema delicado, a análise de genocídio deve ser concluída após um período de dois a três anos. E que a decisão inicial veio em caráter de urgência, com a obrigação de medidas para evitar genocídio na Faixa de Gaza. Até este domingo (4), o Ministério de Saúde de Gaza estimou a morte de 27.365 mortos, em maioria mulheres, adolescentes e crianças.

“A Corte impõe que Israel Deva cessar, punir e prevenir qualquer incitação relativa ao terrorismo, que as forças armadas militares de Israel devem prevenir a condição de atos de terrorismo imediatamente, que, imediatamente, o serviço humanitário deva ser estendido a Faixa de Gaza. Portanto, há obrigações concretas a serem cumpridas e a Corte evidentemente e recebendo o seu relatório ainda no prazo de um mês, irá avaliar se Israel tem cumprido ou não as obrigações impostas pela Corte e a matéria será necessariamente analisada no momento oportuno, quando vier a ser decidido a questão de mérito”, explica.

A decisão foi alvo de críticas do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Movimento que não tira a obrigação do país em avançar com os pedidos da mais alta corte jurídica ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). Ainda de acordo com Leonardo Brant, há o entendimento internacional de que a decisão tomada pelos 15 juízes em Haia é obrigatória, sob pena de impactos políticos ou até avanço de medida junto ao Conselho de Segurança da ONU.

+ Mapa Mundi | Gaza sob ataque: juiz brasileiro em Haia fala sobre genocídio de Israel

“Há duas opções. Uma das opções é o estado, a Corte internacional de Justiça ou a outra parte levar a matéria ao Conselho de Segurança. Isso está previsto no artigo 94 da carta parágrafo 2, o Conselho de Segurança, então poderia ou deveria tomar as medidas que forem cabíveis para obrigar o estado a cumprir exatamente a sentença. A questão, portanto, sairia da base é é jurisdicional e iria para o órgão executivo, para o órgão é principal de solução de controvérsias e de manutenção da Paz, com capacidade de autorizar o uso da força”, detalha Brant, ao citar possível movimento caso Israel não cumpra a ordem.

Por outro lado, o magistrado considera que as relações entre países estabelecem por si só o cumprimento. “O direito internacional é fundado na boa-fé”, diz. “Embora não haja um sistema sancionatório próprio como nós reconhecemos no âmbito do direito interno com o poder de polícia central, uma indicação da corte de violação do direito internacional, não apenas da convenção de genocídio, mas de qualquer natureza, é um profundo indicativo de que aquele estado convive com uma declaração de ilegalidade. Com reconhecimento de atuação de ilegalidade, e isto dentro da esfera internacional que é fundada necessariamente na boa-fé, tem profundas consequências políticas”, conclui.

+ Israel rejeita acusações de genocídio em Gaza feitas na Corte em Haia

Veja a íntegra da entrevista concedida por Leonardo Brant. As declarações foram ao ar em 2 de fevereiro, no programa Mapa Mundi:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Política
Guerra

Últimas notícias

Torcedora flagra criança chamando Vinicius Jr de macaco durante jogo

Torcedora flagra criança chamando Vinicius Jr de macaco durante jogo

Ofensa racista aconteceu durante jogo entre Valencia x Real Madrid; mãe da criança tentou impedir gravação
Esquerda convoca ato para se contrapor ao de Bolsonaro, mas descarta pedido de prisão

Esquerda convoca ato para se contrapor ao de Bolsonaro, mas descarta pedido de prisão

Diferentes cidades deverão ter manifestações em 23 de março; divulgação de que atos exigiriam prisão de Bolsonaro foi criticada
Morre o jornalista Claudio Tognolli, aos 60 anos

Morre o jornalista Claudio Tognolli, aos 60 anos

Também músico e escritor, o profissional venceu os prêmios Esso e Jabuti
Fiocruz indica que vacina BCG é ineficaz quando aplicada em adultos

Fiocruz indica que vacina BCG é ineficaz quando aplicada em adultos

Segundo uma pesquisa conduzida pela fundação, o imunizante é mais eficaz quando aplicado em crianças de até 5 anos
FALSO: Vídeo é editado para insinuar falsamente que Magno Malta estava bêbado em ato pró-Bolsonaro

FALSO: Vídeo é editado para insinuar falsamente que Magno Malta estava bêbado em ato pró-Bolsonaro

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Paciente com câncer consegue congelamento de óvulos pelo plano de saúde

Paciente com câncer consegue congelamento de óvulos pelo plano de saúde

Mulher do Rio Grande do Sul ganhou na justiça o direito de tratamento pago pelo plano de saúde
Papa volta a suplicar por fim de guerras e por desarmamento

Papa volta a suplicar por fim de guerras e por desarmamento

Em reflexão na Praça São Pedro, o pontífice falou sobre o conflito entre Israel e o Hamas e pediu a libertação dos reféns
Apenas 1 em 4 pacientes recebem tratamento adequado contra o câncer

Apenas 1 em 4 pacientes recebem tratamento adequado contra o câncer

Levantamento global aponta para a importância de exames preventivos
2 milhões de árvores nativas foram replantadas na Amazônia

2 milhões de árvores nativas foram replantadas na Amazônia

Venda de crédito de carbono ajuda a manter floresta em pé
Terremoto volta a aterrorizar sul da Itália

Terremoto volta a aterrorizar sul da Itália

Abalo sísmico aconteceu nesta manhã de domingo e foi claramente sentido em Nápoles
Publicidade
Publicidade