Publicidade

G7 alerta sobre "custos severos" para quem ajudar a Rússia na guerra

Ministros das Relações Exteriores das grandes economias do planeta se reuniram no Japão

G7 alerta sobre "custos severos" para quem ajudar a Rússia na guerra
Bombeiros atuam em frente a prédio destruído (Reprodução/Agência Brasil)
Publicidade

Os chefes da diplomacia do G7 alertaram nesta 3ª feira (18.abr) sobre os "custos severos" para aqueles que ajudam a Rússia em sua guerra contra a Ucrânia, ao mesmo tempo que expressaram união diante da China, que representa outro desafio geopolítico.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Depois de dois dias de reunião na localidade montanhosa japonesa de Karuizawa, os ministros das Relações Exteriores das grandes economias do planeta não anunciaram novas medidas contra Moscou, mas prometeram responder aqueles que ajudam a Rússia a evitar as sanções impostas ou a adquirir armas.

Os ministros também anunciaram oposição às "atividades de militarização" de Pequim no Mar da China Meridional e reiteraram sua política a respeito de Taiwan.

A declaração provocou uma reação irritada de Pequim, que acusou os ministros de "maliciosamente caluniar e difamar a China".

Os ministros das Relações Exteriores do G7 também pediram à Coreia do Norte que não execute novos lançamentos de mísseis ou testes nucleares.

Embora a Ucrânia e os desafios regionais tenham dominado o encontro, os ministros abordaram outras questões de geopolítica internacional.

Em meio aos combates entre o exército e grupos paramilitares no Sudão, o comunicado da reunião pede "a interrupção imediata da violência (...) e o retorno do poder civil no Sudão".

A nota final do encontro também condena as crescentes restrições impostas contra as mulheres e as minorias pelo regime Talibã no Afeganistão, descritas como "abusos sistemáticos".

O porta-voz do governo Talibã, Zabihullah Mujahid, respondeu que "os países estrangeiros não devem interferir nos temas internos do Afeganistão", cujos princípios e leis são questões dos afegãos.

O comunicado também pede a "revogação imediata das decisões inaceitáveis" dos talibãs, como a proibição de trabalho para as mulheres na ONU e em organizações não governamentais no Afeganistão.

"Retórica nuclear irresponsável"

Mas as duas crises que dominaram as discussões do grupo - formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido - foram a Ucrânia e o crescente peso militar e econômico da China.

Os ministros do G7 prometeram "intensificar" as sanções contra a Rússia e aumentar os esforços para impor "custos severos" aos que oferecem apoio armamentista ou de outro tipo a Moscou.

Também criticaram "retórica nuclear irresponsável" da Rússia e consideraram "inaceitável" a instalação de armas táticas em Belarus.

"Enquanto a Ucrânia se prepara para iniciar uma contraofensiva para recuperar seu território (...) estamos com a Ucrânia", declarou o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

O comunicado deixou claro que os ministros estavam cientes da polêmica provocada pelas declarações do presidente francês, Emmanuel Macron, após sua visita a Pequim, onde pediu para a UE não seguir os Estados Unidos na questão de Taiwan.

"Não há mudanças nas posições básicas dos membros do G7 sobre Taiwan", afirma a nota, antes de destacar que a paz e a estabilidade nesta região são "indispensáveis" para a segurança e a prosperidade global.

"Pela primeira vez na história do G7, nós conseguimos confirmar por escrito nosso compromisso como uma ordem internacional livre e aberta, baseada no império da lei", declarou o ministro japonês das Relações Exteriores, Yoshimasa Hayashi.

Blinken afirmou que nunca observou uma "convergência maior" de critérios sobre a China e Taiwan. O comunicado adverte Pequim sobre vários temas, de seu arsenal nuclear até suas práticas comerciais.

De modo específico, o texto critica a expansão "acelerada" do arsenal nuclear de Pequim e expressa preocupação de que a China esteja desenvolvendo "sistemas vetores cada vez mais complexos sem transparência, controle armamentista de boa-fé ou medidas de redução de risco".

E, embora sem mencionar diretamente a potência asiática, defende o aumento da cooperação contra a "coerção econômica", uma referência à prática de instrumentalizar as regras de importação e exportação com fins políticos.

Até mesmo a advertência contra o apoio à Rússia na Ucrânia pode ser interpretada como uma mensagem para a China, que recebeu vários alertas de países ocidentais para não fornecer armas a Moscou.

O porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin, respondeu que os ministros do G7 "ignoraram os fatos objetivos, interferiram de modo grosseiro em temas internos de China e maliciosamente caluniaram e difamaram a China".

A reunião preparou o caminho para o encontro de cúpula de líderes do G7, programado para maio em Hiroshima, onde o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, deseja estabelecer como questão prioritária o desarmamento nuclear.

O comunicado desta terça-feira dedica um grande trecho ao desarmamento e à não proliferação, mas com um conteúdo reduzido sobre novos compromissos e referências ao "difícil cenário de segurança atual", o que sugere um caminho complicado para obter avanços.

Também pede aos países que documentem de forma transparente seus arsenais, insta a Rússia respeite a moratória dos testes nucleares e pede à China que mantenha negociações de "redução de risco" com Washington.

*com reportagem de Tomohiro OSAKI, da AFP

Veja também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
mundo
g7
relações exteriores
ministros
moscou
rússia
ajuda
custos
china
desafio
afp
sanções
armas
taiwan
guerra-na-ucrania

Últimas notícias

Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Atualmente no cargo, Marinho se afasta do cargo por 120 dias para se dedicar às eleições municipais
Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Presidente do Senado se posicionou acerca do polêmico tema diante de parte da bancada feminina da Casa
Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Agentes realizavam operação contra estabelecimentos comerciais que receptavam e revendiam roupas de grifes roubadas
Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Por se tratar de um convite, o jogador pode recusar a participação
Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Nove equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas e conseguiram conter o fogo no local
Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

No ranking com 56 países, o Brasil aparece na 44ª colocação, empatado com Peru, Panamá e Arábia Saudita
Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Segundo a polícia, integrante de um grupo criminoso que gerenciava um laboratório de drogas em Castelo Branco foi localizado por equipes do Depom
80 milhões de pessoas estão sob alerta para altas temperaturas nos Estados Unidos

80 milhões de pessoas estão sob alerta para altas temperaturas nos Estados Unidos

Onda de calor extremo afeta quase todo o território americano
Lira anuncia que debate de projeto antiaborto só ocorrerá no segundo semestre

Lira anuncia que debate de projeto antiaborto só ocorrerá no segundo semestre

Presidente da Câmara afirma que projeto não "irá retroagir nos direitos já garantidos e nada irá avançar que traga qualquer dado aos diretos das mulheres"
"Não vamos intervir", afirma porta-voz de Milei sobre foragidos do 8 de janeiro

"Não vamos intervir", afirma porta-voz de Milei sobre foragidos do 8 de janeiro

Em entrevista ao SBT, Manuel Adorni disse que não cabe ao governo decidir sobre asilo a brasileiros condenados por atos antidemocráticos que estão na Argentina
Publicidade
Publicidade