Publicidade

O Brasil e o Relatório Anticorrupção 2022: sobre os principais países exportadores

Documento analisa a aplicação de leis anticorrupção pelos 47 maiores exportadores mundiais

O Brasil e o Relatório Anticorrupção 2022: sobre os principais países exportadores
O Brasil e o Relatório Anticorrupção 2022: sobre os principais países exportadores
Publicidade

*Corrupção em Debate é uma coluna do Instituto Não Aceito Corrupção (INAC)


Os países no mundo todo enfrentaram uma crise global de saúde pública com a rápida disseminação da COVID-19. A crise entre a Rússia e os países ocidentais em razão da guerra com a Ucrânia trouxe um delicado cenário geopolítico internacional. Infelizmente, a corrupção prospera e muito em tempos de crise com vivemos hoje.

+ Conheça os colunistas do SBT News
+ Leia as últimas notícias de Justiça
+ Todas as notícias no portal SBT News

A pandemia expôs mais do que nunca rachaduras nos sistemas públicos de saúde e mostrou várias possibilidades e oportunidades de condutas corruptas. Mas não foi só o setor da saúde que ficou exposto à corrupção.

O atual cenário geopolítico permitiu que vários outros setores também ficassem sujeitos às práticas corruptas, com a interrupção das cadeias de suprimento, tornando inúmeros produtos escassos e o aumento da demanda.

A pandemia, a Guerra na Ucrânia foram alguns dos grandes obstáculos ao combate à corrupção e tiveram um impacto significativo no monitoramento e fiscalização pelos países. Isso fica muito claro no relatório Exporting Corruption 2022 da Transparência Internacional, cuja 14ª edição foi lançada recentemente.

O relatório Exporting Corruption 2022 analisa a efetiva aplicação de leis anticorrupção pelos quarenta e sete maiores países exportadores mundiais, quase todos integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), representando assim 84% das exportações globais.

A base do relatório está no número de investigações anticorrupção realizadas, nas ações de fiscalização e controle e em outros dados que permitiram avaliar se tais países estiveram de fato e de modo eficaz monitorando e controlando o combate à corrução transnacional. Os resultados são muito preocupantes.

A Convenção sobre Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais (Convenção Antissuborno) da OCDE foi concluída em 1997, em Paris.

Os trinta e oito países membros da OCDE são signatários da Convenção Antissuborno, ao lado de seis países não membros: Argentina, Brasil, Bulgária, Peru, Rússia e África do Sul.

A corrupção nos negócios internacionais causa danos ao desenvolvimento sustentável, à Agenda 2030, aos direitos humanos e às instituições democráticas.

A Convenção da OCDE traz sólidos fundamentos para redução da corrupção nas transações internacionais, embora sua implementação pelos países ainda seja um desafio.

Mais de duas décadas após a adoção da Convenção Antissuborno, a maioria dos países ainda está aquém de suas obrigações. É o que demonstra o relatório Exporting Corruption 2022.

Dentre os quarenta e sete países examinados pelo relatório, apenas três deles ? China, Índia e Singapura ? não são signatários da Convenção Antissuborno e somente a Islândia, país signatário da Convenção Antissuborno, não é examinada pelo relatório, diante de sua pequena participação no comércio internacional.

Todos os países examinados ratificaram a Convenção da Nações Unidas contra a Corrupção, o único tratado internacional multilateral anticorrupção juridicamente vinculativo.

O relatório Exporting Corruption 2022 está dividido em quatro categorias: 1) ativa; 2) moderada; 3) limitada; e, 4) pouca ou nenhuma fiscalização.

Os países recebem pontos baseados no desempenho da suas respectivas fiscalizações ao combate à corrupção, diante do número de investigações de corrupção iniciadas, número de acusações de conduta corruptas apresentadas e casos de corrupção concluídos com sanções, entre os anos de 2018 a 2021.

O relatório demonstra um declínio global na fiscalização do combate à corrupção. Apenas dois países, os Estados Unidos da América e a Suíça, estão efetivamente combatendo a corrupção através da concreta aplicação e fiscalização da legislação anticorrupção.

Pior, somente dois países melhoraram de nível de fiscalização no relatório: a Letônia (de fiscalização limitada ? nível três ? para moderada ? nível dois) e o Peru (de pouca ou nenhuma fiscalização ? nível quatro, para fiscalização limitada ? nível 3). Em suma, segundo o Exporting Corruption 2022, dois países realizaram uma fiscalização ativa; sete países fiscalizaram de modo moderado; dezoito países fizeram uma fiscalização limitada e vinte países tiveram pouca ou nenhuma fiscalização contra a corrupção.

O Brasil foi rebaixado neste relatório, em comparação com sua edição anterior, lamentavelmente. No período de 2018-2021, o País foi do nível dois ? fiscalização moderada ? para o nível três ? fiscalização limitada.

Em 2021, por exemplo, as prisões por corrupção feitas pela Polícia Federal chegaram ao menor patamar dos últimos 14 anos, equivalendo a uma redução de 44% em comparação ao mesmo período do ano de 2020. Segundo o relatório, o Brasil instaurou 5 investigações anticorrupção, iniciou 1 único processo judicial e 2 processos anticorrupção tiveram sentença definitiva com a aplicação de sanções.

Ao compararmos o Brasil com os dois países que estão no topo da lista, com ativa fiscalização anticorrupção, os Estados Unidos e a Suíça, vemos que no caso dos Estados Unidos foram abertas 48 investigações, iniciadas 163 casos e concluídos 145 com aplicação de sanções; e, no caso da Suíça, 39 investigações iniciadas, 2 processos foram instaurados e 11 casos concluídos com a aplicação de sanções.

Segundo o Exporting Corruption 2022, dentre as principais causas do declínio no combate à corrupção no Brasil se pode citar: a inadequação dos instrumentos de denúncia e proteção do "informante do bem" (whistleblower); o desmantelamento do bem-sucedido modelo de "força-tarefa" para o combate à corrupção, o que levou a um grande declínio das investigações de corrupção; a interferência política nas agências especializadas para aplicação da lei anticorrupção (como Polícia Federal e Ministério Público Federal), com graves consequências para os esforços anticorrupção; e, a decisão do Supremo Tribunal Federal de transferir a competência jurisdicional dos casos envolvendo corrupção política para a justiça eleitoral, que não dispõe de conhecimento ou recursos para conduzir essas investigações e processos, resultando em impunidade, na maior parte dos casos.

A corrupção tem impactos devastadores no mundo real. Quantas pessoas não morreram por falta de ventiladores durante a COVID-19, porque os recursos foram desviados para os bolsos de poucos?

A corrução não é um crime sem vítimas, muito pelo contrário; apenas a identidade de suas vítimas é desconhecida pela maioria e por essa razão muitos pensam, erroneamente, que sem vítimas identificáveis não há crime.

Que bom seria que se ao invés de termos apenas dois países liderando o combate à corrupção, como demonstra o relatório Exporting Corruption 2022, tivéssemos uma competição com grande número de concorrentes, todos por um mundo melhor, mais inclusivo, mais sustentável e menos corrupto.
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbtnews
colunista
justica
colunista-ligia-maura-costa
nao-aceito-corrupcao
portalnews
justiça

Últimas notícias

SP: Ladrão agride mulher com socos e chutes para roubar celular

SP: Ladrão agride mulher com socos e chutes para roubar celular

Idoso tenta interferir na agressão e ajudar a vítima
Justiça do Rio decide soltar filha do bicheiro Piruinha

Justiça do Rio decide soltar filha do bicheiro Piruinha

Monalliza Escafura estava presa desde o dia 18 de junho pelo crime de extorsão
Superior Tribunal de Justiça determina absolvição de jovem apontado como criminoso por reconhecimento fotográfico

Superior Tribunal de Justiça determina absolvição de jovem apontado como criminoso por reconhecimento fotográfico

Desembargador argumentou que recurso não deve ser o único indício para levar alguém à prisão "em razão de sua fragilidade”
RJ: idosa de 65 anos é espancada por assaltantes após dizer que não tinha dinheiro

RJ: idosa de 65 anos é espancada por assaltantes após dizer que não tinha dinheiro

Ela foi socorrida e levada para o hospital municipal de Nova Iguaçu em estado grave
Polícia prende golpista que usava antena para invadir o celular das vítimas

Polícia prende golpista que usava antena para invadir o celular das vítimas

Homem ficava entre 8 e 12 horas dentro de carro em São Paulo para aplicar os golpes
"Pílula do câncer": por que a fosfoetanolamina não é regulamentada pela Anvisa?

"Pílula do câncer": por que a fosfoetanolamina não é regulamentada pela Anvisa?

Substância foi distribuída gratuitamente por 20 anos, mas não possui registro para ser usada como medicação no Brasil; entenda
Recém-nascida levada por falsa pediatra é encontrada em Goiás; suspeita é presa

Recém-nascida levada por falsa pediatra é encontrada em Goiás; suspeita é presa

Criança foi localizada a pelo menos 130 km de distância da maternidade em que foi roubada, em Uberlândia, Minas Gerais
Comissão dos Direitos Humanos do RJ pede extradição de argentina que imitou macacos em roda de samba

Comissão dos Direitos Humanos do RJ pede extradição de argentina que imitou macacos em roda de samba

Polícia Civil pediu que Consulado Argentino esclareça se ela já saiu do Brasil
Pivotando: "Sempre o resultado de uma empresa é reflexo da sua governança", defende Danilo Fedel

Pivotando: "Sempre o resultado de uma empresa é reflexo da sua governança", defende Danilo Fedel

O diretor e co-fundador da Sense Inteligência Financeira conversou com João Kepler no 48º episódio do videocast do SBT News; assista!
Maduro diz, sem provas, que eleições não são auditadas no Brasil

Maduro diz, sem provas, que eleições não são auditadas no Brasil

Sob desconfiança de autoridades internacionais, eleição presidencial na Venezuela está marcada para domingo (28)
Publicidade
Publicidade