Publicidade

Dino deve enfrentar questões sobre carreira e atuação no 8/1 durante sabatina

Parlamentares da oposição se preparam para tentar barrar indicação de Lula ao Supremo

Dino deve enfrentar questões sobre carreira e atuação no 8/1 durante sabatina
Publicidade

A sabatina do atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado deverá contar com indagações de senadores oposicionistas sobre os diferentes momentos da carreira do indicado por Lula (PT) ao Supremo Tribunal Federal, que tem um período como juiz e outro como político, e se ele agiu corretamente durante o ataque às sedes dos Três Poderes em 8 de janeiro.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

O SBT News apurou que o líder da bancada do Partido Liberal (PL) no Senado, Carlos Portinho (RJ), membro titular da CCJ, focará em demonstrar na sabatina, recuperando a carreira de Dino, que ele não possui notório saber jurídico - um dos requisitos constitucionais para ser ministro do Supremo. Os senadores do Partido Liberal são contra a indicação. Quatro dos membros titulares da CCJ são da sigla: além de Portinho, Flávio Bolsonaro (RJ), Magno Malta (ES) e Marcos Rogério (RO).

"Espera-se de um ministro da Suprema Corte uma postura de equilíbrio, serenidade e capacidade para dialogar e se manter distante de paixões políticas e ideológicas. Não é o caso de Flávio Dino. Nunca antes na história do Brasil vimos um ministro com tamanho apego ideológico", argumentou Marcos Rogério no X, nesta 3ª feira (28.nov). Ainda na rede social, na 2ª feira (27.nov), quando Dino foi indicado, Magno Malta afirmou que trabalhará "ativamente para conseguir mais votos contrários" à aprovação.

Na mesma data, Flávio Bolsonaro fez uma publicação chamando de "descaramento e um absurdo" indicar Dino ao Supremo. "A Suprema Corte precisa de gente qualificada e técnica, não de um político profissional que vai usar todos os seus poderes para proteger os esquemas do PT e os amigos, além de fazer avançar as pautas da esquerda como aborto e legalização de drogas", acrescentou.

Flávio ainda acusou Lula e Dino de serem ameaças à democracia do Brasil e disse que "o STF não pode ser um órgão político, a Corte dos amigos". "Isso é inadmissível numa democracia. Lula indicar um AMIGO extremamente íntimo é um atrevimento gigantesco com o Congresso Nacional e com o Brasil. Cobre o seu parlamentar para que este absurdo não passe no Senado!".

Apesar de o PL já ter anunciado que seus senadores votarão contra a indicação e outros senadores oposicionistas já terem afirmado que farão o mesmo, como Damares Alves (Republicanos-DF) e Eduardo Girão (Novo-CE), o posicionamento, ao menos por enquanto, não é unanimidade na oposição.

Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) disse à reportagem que ainda está analisando a indicação. "Não tenho um juízo ainda sobre esse assunto".

Ele também é titular da CCJ. Questionado se acredita que Dino será indagado na sabatina sobre sua atuação no 8 de janeiro, pontuou: "Alguns vão perguntar sobre isso".

Zequinha Marinho (Podemos-PA), suplente da CCJ, disse considerar fundamental que a oposição questione, na sabatina, se Dino vai deixar "a questão política e ideológica e se concentrar só na questão legal" caso se torne ministro do Supremo.

O SBT News perguntou a ele ainda como avalia a escolha de Lula, se positiva ou negativa. Em resposta, pontuou: "O governo trabalha com o melhor que ele tem. Uma vaga dessa aí é uma vaga única. O governo tem que botar alguém da sua inteira confiança. E acho que ele fez da forma que ele achou correta. Direito de todo mundo democraticamente a aceitar ou não aceitar, querer ou não querer. Acho que o governo fez a parte dele".

Hamilton Mourão (Republicanos-RS), que já anunciou que votará contra a indicação, disse que "provavelmente" o tema da atuação de Dino no 8 de janeiro será abordado durante a sabatina. Ao menos parte da oposição no Congresso defende que o Governo Federal agiu com omissão no episódio. Na CPMI dos Atos de 8.jan, oposicionistas, incluindo suplentes da CCJ, chegaram a apresentar votos em separado defendendo essa tese e pedindo o indiciamento de Flávio Dino.

Tema em almoço

A sabatina de Dino, que está marcada para 13 de dezembro, foi um dos temas discutidos por senadores oposicionistas, incluindo Portinho, em almoço realizado nesta 3ª feira, em Brasília. Os parlamentares fazem o almoço toda 3ª, para discutirem pautas.

Placar

O atual titular do Ministério da Justiça e Segurança Pública precisa de no mínimo 14 votos favoráveis na CCJ para que sua indicação seja aprovada pelo colegiado. A votação é secreta. Nesta 3ª, o senador Weverton (PDT-MA), relator da indicação do ministro, apostou que serão de 17 a 20 votos favoráveis. No plenário, depois, ele precisa de pelo menos 41, e Weverton estima que serão mais de 50. Recentemente, porém, o plenário rejeitou uma indicação de Lula para a Defensoria Pública da União (DPU).

Idas ao Congresso

Dino está acostumado a responder questionamentos de parlamentares cara a cara: ele participou de diversas reuniões em comissões do Senado e Câmara neste ano, devido à aprovação de requerimentos de convite.

Respostas dele durante essas participações chegaram a viralizar na internet. Por exemplo, quando disse para o senador Marcos do Val (Podemos-ES) que se o parlamentar era da Swat, ele (Dino) era dos Vingadores.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
congresso
ccj
senado
flávio dino
indicação
senadores
oposição
perguntas
estratégia
8 de janeiro
carreira
ministro
supremo tribunal federal
stf
oposicionistas
noticias
guilherme-resck

Últimas notícias

SBT News na TV: empresários acusados de financiarem atos golpistas são presos

SBT News na TV: empresários acusados de financiarem atos golpistas são presos

Trio de detidos teria financiado acampamento golpista montado em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília
Mega-Sena acumula e chega a R$ 185 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 185 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 152 ganhadores, que vão receber mais de R$ 45 mil cada
Antonio Ais e a esposa são presos na Argentina

Antonio Ais e a esposa são presos na Argentina

Procurados pela Interpol, o casal foi condenado por crimes contra o sistema financeiro; golpes em criptomoedas foram milionários
Gênero musical choro torna-se Patrimônio Cultural do Brasil

Gênero musical choro torna-se Patrimônio Cultural do Brasil

Melodia é conjunto dos sons do bandolim, flauta, violão 7 cordas, pandeiro, cavaquinho e clarinete, tocados em rodas
Rio registra primeiro caso de febre oropouche, transmitida por mosquito

Rio registra primeiro caso de febre oropouche, transmitida por mosquito

Homem infectado mora na zona sul do Rio e esteve no Amazonas, onde a doença está em alta
Grupo político de Bolsonaro tentou golpe, mas as penas devem ser ponderadas; avalia Alessandro Vieira

Grupo político de Bolsonaro tentou golpe, mas as penas devem ser ponderadas; avalia Alessandro Vieira

Senador do MDB defendeu penas diferenciadas para apoiadores e financiadores em entrevista ao SBT News; confira
Lewandowski anuncia intensificação do combate a ações ilegais em Roraima

Lewandowski anuncia intensificação do combate a ações ilegais em Roraima

Tráfico de drogas, contrabando e imigração ilegal estão entre as prioridades do ministro da Justiça e Segurança Pública na região
Polícia prende quadrilha especializada em golpe do empréstimo consignado no Rio

Polícia prende quadrilha especializada em golpe do empréstimo consignado no Rio

Foram encontrados registros de ocorrência contra o grupo em delegacias do Rio, Pernambuco, Acre, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Amapá, Goiás e Tocantins
Guerras em curso fazem com que G20 não chegue a consenso, diz Haddad

Guerras em curso fazem com que G20 não chegue a consenso, diz Haddad

'Houve recuo em relação à redação do ano passado', disse ministro da Fazenda brasileiro no encerramento das reuniões do G20 em São Paulo
Leilão define empresa que será responsável por trem de São Paulo a Campinas

Leilão define empresa que será responsável por trem de São Paulo a Campinas

Consórcio entre empresas da China e do Brasil deve investir mais de R$ 14 bilhões em trem de velocidade
Publicidade
Publicidade