Publicidade

CPMI do 8 de Janeiro aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro

Foram 20 votos a favor e 11 contra; documento aponta crimes contra 61 pessoas, como ex-ministros e ex-comandantes das Forças Armadas

CPMI do 8 de Janeiro aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro
cpmi
Publicidade

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro aprovou por 20 votos a 11 o relatório final, em que recomenda o indiciamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e outros 60 alvos, entre eles seis ex-ministros, comandantes das Forças Armadas, foi aprovado nesta 4ª feira (18.out). Houve uma abstenção. 

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

A aprovação do documento marca o fim da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do 8/1 e representa mais uma derrota política para a oposição bolsonarista no Congresso. 

São 26 crimes listados nas 1.333 páginas do relatório final, contra 61 alvos. O material e as provas serão encaminhados para o Ministério Público Federal e para outros órgãos competentes para abrir processos criminais e civeis e também administrativos, como os da Advocacia Geral da União.

O relatório final coloca Bolsonaro no centro de um plano para destituir o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), desde o final de 2022, que culminou com a invasão às sedes dos Três Poderes, em Brasília (DF), no dia 8 de janeiro, e as depredações.

+ Relatório da CPMI pede indiciamento de Bolsonaro e outras 60 pessoas

Além dos pedidos de indiciamento, o relatório faz ainda o apontamento para aprofundamento de investigações, como no caso das jóias incorporadas pela família Bolsonaro, das falsificações de atestados de vacina da Covid-19, entre outros.

Há ainda outros nomes listados, como os financiadores dos protestos em rodovias e os envolvidos no caso das jóias da família Bolsonaros, com indícios de crimes associados. Mas o documento da relatora pede aprofundamento de investigações nesses casos.

votos
Painel de votação da CPMI do 8/1, antes do resultado | Edilson Rodrigues/Agencia Senado

A sessão de votação começou após as 9h e seguiu até o fim da tarde. A senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da CPMI, afirmou que o relatório encerra as teses da oposição de envolvimento de membros do atual governo nos crimes do 8 de Janeiro. 

Segundo o relatório final, Bolsonaro "tem responsabilidade direta, como mentor moral, por grande parte dos ataques perpetrados a todas as figuras republicanas que impusessem qualquer tipo de empecilho à sua empreitada golpista". "Agentes públicos, jornalistas, empresários, militares, membros dos Poderes: todos sofreram ataques incessantes por parte de Jair Bolsonaro e de seus apoiadores, muitos deles ocupantes de cargos públicos, que se utilizavam da máquina estatal para coagir e agredir pessoa."

Os crimes imputados a Bolsonaro pela CPMI do 8/1:

  • Abolição violenta do estado democrático de direito - pena de 4 a 8 anos de prisão; 
  • tentativa de golpe de estado - pena de 4 a 12 anos; 
  • associação criminosa - pena de - 1 a 3 anos; 
  • violência política - pena de 3 a 6 anos

A oposição apresentou dois relatórios paralelos, com apontamentos que contrapõe a tese da base do governo e ataca o PT, Lula e aliados. Os votos em separado, que não tem validade oficial como conclusão da CPMI, pediram o indiciamento de Lula, do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, e do general Marco Edson Gonçalves Dias, ex-chefe Gabinete de Segurança Institucional (GSI) - que não foi ouvido pela comissão, mas não foi pedido seu indiciamento.

Leia também:

+ Eliziane Gama: "Havia planejamento de se repetir o que ocorreu em 1964"

+ CPMI do 8 de janeiro: veja a íntegra do relatório final

+ CPMI pede responsabilização de ex-ministro da Defesa e de dois ex-comandantes das Forças Armadas

+ CPMI isenta G. Dias e pede responsabilização de militares que eram de confiança do general Augusto Heleno

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbt
sbtnews
ricardo-brandt
nathalia-fruet
marcia-lorenzatto
cmpi
8/1
8 de janeiro
golpistas
congresso
noticia
relatorio
bolsonaro

Últimas notícias

Imposto de Renda 2024: Receita libera consulta ao 2º lote de restituição nesta sexta-feira

Imposto de Renda 2024: Receita libera consulta ao 2º lote de restituição nesta sexta-feira

Serão liberados RS 8,5 bilhões distribuídos entre 5, 7 milhões de contribuintes; crédito é no dia 28 de junho
Empresário morre ao cair de paramotor no interior de SP

Empresário morre ao cair de paramotor no interior de SP

Vítima estaria fazendo manobras arriscadas e perdeu o controle do equipamento
Quina de São João vai pagar R$ 220 milhões no sábado (22); saiba como apostar

Quina de São João vai pagar R$ 220 milhões no sábado (22); saiba como apostar

Segundo a Caixa Econômica Federal, o apostador que levar a fortuna terá um rendimento de R$ 1,2 milhão no primeiro mês
ENGANOSO: Lula não foi excluído de foto do G7 que mostra apenas os líderes dos países-membros

ENGANOSO: Lula não foi excluído de foto do G7 que mostra apenas os líderes dos países-membros

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Brasil Agora ao vivo: Toffoli diverge sobre maconha, Lula critica presidente do BC e mais notícias do dia

Brasil Agora ao vivo: Toffoli diverge sobre maconha, Lula critica presidente do BC e mais notícias do dia

Confira esses e outros assuntos que são destaques nesta sexta-feira (21)
SBT News na TV: Polícia indicia mãe, irmão e mais 9 pessoas no caso da ex-sinhazinha Djidja Cardoso

SBT News na TV: Polícia indicia mãe, irmão e mais 9 pessoas no caso da ex-sinhazinha Djidja Cardoso

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta sexta-feira (21); assista!
Mega-Sena acumula e chega a R$ 86 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 86 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 79 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 40 mil cada
Dez trabalhadores são regatados pela PF em situação análoga a escravidão no Mato Grosso do Sul

Dez trabalhadores são regatados pela PF em situação análoga a escravidão no Mato Grosso do Sul

Ação durou pouco mais de duas semanas em propriedades rurais na região do Pantanal
Deputada cassada por fazer harmonização com dinheiro público diz que provas foram forjadas

Deputada cassada por fazer harmonização com dinheiro público diz que provas foram forjadas

Silvia Waiãpi é acusada de utilizar recursos do Fundo Campanha para pagar o procedimento. Confira entrevista ao Poder Expresso
Governo define regras mais rígidas para distribuidoras de energia

Governo define regras mais rígidas para distribuidoras de energia

Segundo as novas normas, a satisfação do consumidor será um dos critérios de avaliação
Publicidade
Publicidade