Publicidade

TSE rejeita cassação e mantém o mandato do senador Sergio Moro

Por unanimidade, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral rejeitou, em sessão nesta terça-feira (21), acusação de abuso de poder econômico

TSE rejeita cassação e mantém o mandato do senador Sergio Moro
Publicidade

Por unanimidade, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral manteve, na sessão desta terça-feira (21), o mandato do senador Sergio Moro (União-PR). A decisão se deu no julgamento dos recursos apresentados pelo Partido Liberal (PL) e pela coligação Federação Brasil da Esperança (PT/PCdoB/PV) contra decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) que havia preservado o mandato do senador.

As legendas recorreram ao TSE, que iniciou o julgamento na semana passada, com a leitura do relatório. Ao retomar o julgamento nesta terça, o plenário ouviu as sustentações orais da acusação e da defesa, além da apresentação do parecer da Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE), que concordou com a decisão do TRE-PR.

Voto do relator

Em seguida, o relator, ministro Floriano de Azevedo Marques, seguiu a linha da PGE e votou por rejeitar a cassação do mandato e a declaração de inelegibilidade do senador e dos dois suplentes - o advogado Luís Felipe Cunha e o empresário Ricardo Augusto Guerra. O ministro considerou não haver provas de condutas ilícitas por parte de Moro.

+ Alexandre de Moraes usa o termo “burrice” durante julgamento de Zambelli e do hacker Delgatti

Entre outros pontos, o relator disse que Moro não usou a pré-campanha à presidência da República como “trampolim” para obter sucesso na campanha ao Senado. Para Floriano, o candidato só deveria ser punido se tivesse agido de má-fé, aproveitando-se da superexposição de presidenciável, com real intenção de, no fim das contas, entrar no Senado.

Floriano foi acompanhado pelos ministros Ramos Tavares, Cármen Lúcia, Nunes Marques, Raul Araújo, Isabel Galotti e o ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE.

Moro corria risco de sequestro

Ao proferir o último voto do plenário, Moraes criticou com veemência a alegação das advogados do PL e do PT de que os gastos expressivos com a segurança de Sergio Moro deveriam ser computados como despesas de campanha.

Ao abordar esse ponto, o presidente do TSE fez referência a um plano descoberto pela polícia na época em que Moro deixou o cargo de ministro da Justiça e passou a cogitar a disputa eleitoral. Pelo que a polícia apurou na época, o ex-juiz corria o risco de ser sequestrado por integrantes do facção PCC.

“Eu sei, como ex-secretário de segurança [de São Paulo], ex-ministro da Justiça, nesse período turbulento que o país viveu, eu sei o que é ser ameaçado pelo PCC. Eu sei o que é ser ameaçado - você e sua família - de morte. Então, dizer que a segurança para o ex-juiz, ex-ministro Sergio Moro, dizer que isso afeta o equilíbrio eleitoral? Quem vai votar em uma pessoa porque ela precisa de segurança?”, protestou o presidente do TSE.

“Ninguém gosta de andar com segurança, com carro blindado. Só em filmes as pessoas gostam. Esses gastos devem ser totalmente afastados de qualquer conotação eleitoral de pre-campanha ou de campanha”, concluiu Moraes.

Campanha presidencial

De acordo com as acusações, o fato de Moro ter se lançado como pré-candidato à presidência e, posteriormente, ter optado pela corrida ao Senado, desequilibrou a disputa. O então candidato, conforme alegaram os adversários, beneficiou-se de um limite de gastos exatamente 20 vezes moior.

Em 2022, o teto para a campanha à Presidência era de R$ 88 milhões. Já para o Senado pelo Paraná era de R$ 4,4 milhões. Por isso, as legendas acusaram Sergio Moro e seus suplentes de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação, entre outros ilícitos eleitorais.

Grande parte dos gastos de Moro na fase de pré-campanha se referiam a transporte aéreo e despesas com segurança privada, sobretudo contratação de serviços de carros blindados com motorista.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

TSE
Justiça
Sergio Moro
Alexandre de Moraes
Partido dos Trabalhadores
senador

Últimas notícias

Mauro Cid e pai prestam novo depoimento à PF sobre caso das joias sauditas

Mauro Cid e pai prestam novo depoimento à PF sobre caso das joias sauditas

Agentes identificaram mais um item que teria sido colocada à venda ilegalmente pelos auxiliares de Bolsonaro
Putin elogia Coreia do Norte por apoio em guerra contra Ucrânia

Putin elogia Coreia do Norte por apoio em guerra contra Ucrânia

Presidente russo também alfinetou países ocidentais, dizendo que o plano de isolar Moscou não funcionou
Corpo de Jacqueline Laurence será velado no Teatro Tablado, no RJ, nesta terça-feira (18)

Corpo de Jacqueline Laurence será velado no Teatro Tablado, no RJ, nesta terça-feira (18)

Cerimônia ocorrerá das 10h e 14h e será aberta ao público; crematório será reservado aos familiares
Nota Fiscal Paulista libera R$ 34,7 milhões em créditos; veja como resgatar

Nota Fiscal Paulista libera R$ 34,7 milhões em créditos; veja como resgatar

Valor é referente às compras realizadas em fevereiro de 2024 e ficará disponível para transferência por um ano
Coreia do Sul volta a fazer disparos de advertência após norte-coreanos cruzarem fronteira

Coreia do Sul volta a fazer disparos de advertência após norte-coreanos cruzarem fronteira

Militares recuaram após os tiros; Seul acredita que violação não foi intencional
SBT News na TV: chuvas voltam ao RS e provocam novos alagamentos

SBT News na TV: chuvas voltam ao RS e provocam novos alagamentos

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta terça-feira (18); assista!
Brasil se aproxima de 6 milhões de casos e 4 mil mortes por dengue em 2024

Brasil se aproxima de 6 milhões de casos e 4 mil mortes por dengue em 2024

Números são maiores que os registrados em todo o ano de 2023
STF recebe queixa-crime de Bolsonaro contra Janones por crime de injúria

STF recebe queixa-crime de Bolsonaro contra Janones por crime de injúria

Deputado chamou ex-presidente de “assassino”, “miliciano” e “ladrãozinho de joias”; imunidade parlamentar foi rejeitada
Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Supremo confirma prorrogação das cotas em concursos públicos por unanimidade

Supremo confirma prorrogação das cotas em concursos públicos por unanimidade

Após validade expirada, novo projeto para Lei de Cotas tramita no Congresso Nacional com mudanças
Publicidade
Publicidade