Publicidade

Alexandre de Moraes usa o termo “burrice” durante julgamento de Zambelli e do hacker Delgatti

Por unanimidade, a Primeira Turma do STF aceitou, nesta terça-feira (21), a denúncia do MPF contra os dois acusados de invasão a sistemas do Judiciário

Alexandre de Moraes usa o termo “burrice” durante julgamento de Zambelli e do hacker Delgatti
Walter Delgatti e Carla Zambelli | Foto: reprodução / mídias sociais
Publicidade

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes usou, nesta terça-feira (21), o termo “burrice” durante sessão da Primeira Turma que tornou réus a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) e o hacker Walter Delgatti, acusados de invadir sistemas do Poder Judiciário. A denúncia da Procuradoria-Geral da República, aceita por unanimidade na sessão, refere-se ao episódio em que foi expedido um mandado de prisão falso contra Moraes, assinado por ele mesmo.

+ MP se manifesta por condenação de jornalista que foi ameaçado por Zambelli

A ministra Cármen Lúcia relacionava o mandado de prisão falso aos riscos do uso malicioso da inteligência artificial quando Moraes fez o comentário. “Eu começo a não me preocupar mais só com a inteligência artificial, mas com a desinteligência natural de alguns que atuam criminosamente, além de tudo, sem qualquer ‘tracinho’ de inteligência”, disse a ministra.

"Vossa Excelência, sempre muito educada, disse a ‘desinteligência natural’. Eu chamaria burrice mesmo, natural. E achando que isso não fosse ser descoberto”, afirmou Alexandre de Moraes, sobre o comentário de Cármen Lúcia. Para o ministro, não há dúvidas da existência de crime no caso, com atuação direta do hacker Walter Delgatti e o envolvimento de Carla Zambelli.

O crime

Na denúncia aceita por 5 votos a 0, a PGR atribui à deputada o papel de mandante da invasão eletrônica executada por Delgatti. A dupla teria concretizado 13 invasões em seis sistemas diferentes do Poder Judiciário, entre agosto de 2022 e janeiro de 2023. Em algumas das invasões, teriam inseridos 16 documentos falsos, incluindo quebras de sigilo e o mandado de prisão falso contra o ministro Alexandre de Moraes, assinado por ele mesmo.

Segundo a PGR, o objetivo seria abalar a credibilidade do Judiciário, por meio da demonstração da fragilidade dos sistemas usados. Com isso, de acordo com a PGR, Zambelli teria argumentos para se projetar politicamente e levar adiante o discurso contra a confiabilidade da Justiça brasileira.

Em troca, Zambelli teria prometido a Delgatti contratá-lo formalmente para “prestação de serviços relacionados à sua atividade parlamentar”. Ainda segundo a PGR, foi a própria Zambelli quem escreveu o texto do mandado de prisão fraudulento.

Defesa da deputada nega

A defesa de Zambelli nega o suposto envolvimento da deputado. Diz que não há qualquer prova de que ela participou, direta ou indiretamente. E afirma que a denúncia da PGR se baseia exclusivamente em depoimento de Delgatti, réu confesso do crime.

Ação penal

Com o recebimento da denúncia pelo STF, tem início da ação penal. Zambelli será julgada na corte porque tem foro privilegiado em razão do mandato de deputada federal. Embora seja uma pessoa “comum”, Delgatti também acaba sendo julgado no STF, em razão da suposta coautoria com uma pessoa que tem mandato de deputado federal. Eles responderão por invasão a dispositivo informático e falsidade ideológica.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

STF
Conselho Nacional de Justiça
Carla Zambelli
hacker
Prisão
Alexandre de Moraes
Cármen Lúcia

Últimas notícias

Boulos pretende criar "Mais Médicos das especialidades" e defende dobrar efetivo da Guarda Municipal

Boulos pretende criar "Mais Médicos das especialidades" e defende dobrar efetivo da Guarda Municipal

Pré-candidato à prefeitura de São Paulo trouxe planos de campanha pela primeira vez após criação da coligação "Amor Por São Paulo"
Bolsonaro diz que Ramagem "paga preço alto pela ousadia" de querer governar o Rio

Bolsonaro diz que Ramagem "paga preço alto pela ousadia" de querer governar o Rio

Ex-presidente e pré-candidato à prefeitura participaram de ato pré-campanha nesta quinta (18)
Poder Expresso: Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulga dados alarmantes sobre a violência

Poder Expresso: Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulga dados alarmantes sobre a violência

Relatório divulgado nesta quinta mostra que, em 2023, foram registrados 83.988 de estupro, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior
Polícia Federal prende dois suspeitos de matar filho de Mãe Bernadete na Bahia

Polícia Federal prende dois suspeitos de matar filho de Mãe Bernadete na Bahia

Operação investiga morte de mãe e filho no quilombo Pitanga dos Palmares
Empresário que atirou cinco vezes contra carro será indiciado por dupla tentativa de homicídio

Empresário que atirou cinco vezes contra carro será indiciado por dupla tentativa de homicídio

Adriano Domingues Costa foi indiciado por dupla tentativa de homicídio, porte de arma de fogo e receptação de pistola usada em crime
Vítima provoca atirador antes de ser baleada e morrer: "Atira, então"

Vítima provoca atirador antes de ser baleada e morrer: "Atira, então"

Câmeras de segurança flagraram toda a ação do suspeito
Polícia do Rio investiga morte de bebê de 2 anos; família é suspeita de maus-tratos

Polícia do Rio investiga morte de bebê de 2 anos; família é suspeita de maus-tratos

Em entrevista ao SBT Rio, a mãe do menino, Aline Julia, negou que o menino tenha morrido após agressão em casa
Justiça Federal determina prisão do ex-diretor da Petrobras Renato Duque

Justiça Federal determina prisão do ex-diretor da Petrobras Renato Duque

Engenheiro deverá ficar 39 anos, dois meses e 20 dias em regime fechado
Vídeo: jovens são flagrados em bar antes de batida que matou motorista de aplicativo em Guarulhos

Vídeo: jovens são flagrados em bar antes de batida que matou motorista de aplicativo em Guarulhos

De acordo com a comanda dos envolvidos, eles compraram três garrafas de bebidas que passaram de R$ 1 mil
Vídeo mostra tribo isolada na Amazônia peruana perto de área de exploração madeireira

Vídeo mostra tribo isolada na Amazônia peruana perto de área de exploração madeireira

Várias empresas madeireiras detêm concessões dentro do território que pertence aos Mashco Piro; ONG pede que governo peruano revogue as licenças
Publicidade
Publicidade