Publicidade

Ministros do STF e políticos eram alvos da "Abin paralela", investigada pela PF

Operação mira ex-diretor Ramagem e policiais federais, por monitoramento ilegal de autoridades e adversários

Ministros do STF e políticos eram alvos da "Abin paralela", investigada pela PF
Fachada da Abin
Publicidade

A Polícia Federal (PF) busca na Operação Vigilância Aproximada, deflagrada nesta quinta-feira (25), aprofundar dados sobre um esquema montado dentro da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para levantar dados de inimigos políticos, obter vantagens pessoais e atrapalhar investigações.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Entre os alvos está o deputado federal e ex-diretor da Abin Alexandre Ramagem (PL-RJ), agentes do órgão e policiais federais ligados a ele – o parlamentar é delegado da PF.

+ Alexandre Ramagem é alvo de operação da Polícia Federal contra monitoramento ilegal na Abin

Foram realizadas buscas em sua residência e no seu gabinete, na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). O alvo foi procurado, mas ainda não se manifestou.

Os alvos da chamada "Abin paralela", investigada pela PF, seriam ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), como Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, políticos, a exemplo do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia, o ex-governador do Ceará Camilo Santana, atual ministro da Educação, servidores públicos, policiais, advogados e jornalistas.

+ Quem é Alexandre Ramagem, deputado e ex-diretor da Abin alvo de operação da PF

Jair Bolsonaro e Alexandre Ramagem

Bolsonaro e Ramagem na posse do então diretor-geral da Abin: aliados políticos

A Operação Vigilância Aproximada faz parte das apurações iniciadas em 2023, que têm como alvo um núcleo paralelo montado dentro da Abin. Esse grupo criminoso usava um programa espião adquirido pela agência, o FirstMile, em 2018 – no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB). Os alvos da ação são policiais federais ligados a Ramagem.

As buscas desta quinta são desdobramento da primeira operação, a Última Milha, de outubro de 2023.

+ Valdemar Costa Neto fala em "perseguição" a Bolsonaro após operação da PF contra Ramagem

"O grupo criminoso criou uma estrutura paralela na Abin e utilizou ferramentas e serviços daquela agência de inteligência do Estado para ações ilícitas, produzindo informações para uso político e midiático", disse a PF, em nota. O objetivo, segundo a corporação, seria "obtenção de proveitos pessoais e até mesmo para interferir em investigações da Polícia Federal".

A PF descobriu que o software comprado pela Abin usava dados de GPS dos alvos para monitorar ilegalmente adversários via celulares. Quem operava o sistema eram servidores da agência designados para o Centro de Inteligência Nacional (CIN). A unidade, criada na gestão Bolsonaro, era vinculada ao gabinete de Ramagem. A estrutura foi desmontada pelo atual governo.

Nas apurações, descobriu-se que a ferramenta foi usada para acessar mais de 30 mil localizações de celulares, em especial durante as eleições de 2020. A Abin abriu apuração interna e colaborou com as apurações.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Polícia Federal
Bolsonaro
STF
Política

Últimas notícias

Berinjela para conserva é o destaque da semana para compras em atacados

Berinjela para conserva é o destaque da semana para compras em atacados

Abobrinha italiana e berinjela também estão entre produtos favoráveis; confira lista completa
Exército de Israel afirma ter encontrado corpo de refém brasileiro do Hamas em Gaza

Exército de Israel afirma ter encontrado corpo de refém brasileiro do Hamas em Gaza

Forças de Defesa de Israel dizem que Michel Nisenbaum, de 59 anos, foi morto no ataque de 7 outubro de 2023
ENGANOSO: Janja não combinou cena com militar e cachorro para divulgar vídeo nas redes sociais

ENGANOSO: Janja não combinou cena com militar e cachorro para divulgar vídeo nas redes sociais

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Brasil Agora: caos, novas inundações em Porto Alegre e alerta de mais chuvas no RS

Brasil Agora: caos, novas inundações em Porto Alegre e alerta de mais chuvas no RS

Programa do SBT News traz as primeiras notícias do dia nas primeiras horas da manhã
Incêndio atinge empresa de óleo para carros em Guarulhos (SP)

Incêndio atinge empresa de óleo para carros em Guarulhos (SP)

Foram deslocadas 18 viaturas dos Bombeiros; local fica próximo da rodovia Dutra e do aeroporto internacional
Com três dias de festa, ordem de desfile do carnaval 2025 do Rio é definida

Com três dias de festa, ordem de desfile do carnaval 2025 do Rio é definida

Próximo ano terá quatro escolas por noite na Sapucaí, de domingo a terça; promessa é de ingressos mais baratos
SBT News na TV: Chuva volta a provocar enchentes no RS; Lula diz que deve vetar taxação de importados

SBT News na TV: Chuva volta a provocar enchentes no RS; Lula diz que deve vetar taxação de importados

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta sexta-feira (24); assista!
Governo federal libera crédito de R$ 1,8 bi para recuperação do Rio Grande do Sul

Governo federal libera crédito de R$ 1,8 bi para recuperação do Rio Grande do Sul

Anúncio totalizou R$ 62,5 bilhões direcionados pela União ao enfrentamento da tragédia climática no estado
Dinheiro de acordos de leniência da Lava Jato deve ir para o RS, defende André Mendonça

Dinheiro de acordos de leniência da Lava Jato deve ir para o RS, defende André Mendonça

Ministro do STF fez a proposta nesta quinta-feira (23) em audiência de conciliação com entes públicos e empresas investigadas na operação
Campanha do SBT 'Juntos pelo Rio Grande do Sul' bate recorde em volume de doações

Campanha do SBT 'Juntos pelo Rio Grande do Sul' bate recorde em volume de doações

Materiais de limpeza e produtos de higiene estão entre as principais necessidades das vítimas das enchentes que assolam o estado
Publicidade
Publicidade