Publicidade

Conheça a primeira mulher a integrar força-tarefa antipirataria no Oriente Médio

A oficial Luciana Mendes vem de uma família com história no pioneirismo feminino nas Forças Armadas

Conheça a primeira mulher a integrar força-tarefa antipirataria no Oriente Médio
Publicidade

“Você pode chegar onde você quiser”. A frase, embora possa parecer inocente, deixou uma forte impressão na jovem Luciana. Afinal, ela a escutou em idade formativa de sua mãe, Dalva Maria Carvalho Mendes, primeira mulher do país a alcançar um cargo de oficial general das Forças Armadas Brasileiras. A marca deixada pelo exemplo caseiro, aliás, foi tão profunda, que Luciana seguiu o pioneirismo feminino de sua família na Marinha.

Luciana Carvalho Mendes se tornou a primeira oficial do sexo feminino a integrar o Estado-Maior da Combined Task Force 151 (CTF-151). “Sempre valorizei os valores e tradições do meio militar que minha mãe trazia para casa. A ideia de se dedicar ao seu trabalho, buscar crescer e se desafiar, sair da zona de conforto. É claro que existe o medo das limitações, de não dar conta, mas quando passei a enxergar essas situações como oportunidades, como minha mãe me ensinou, comecei a mudar minha perspectiva e enxergar meu potencial”, explicou Luciana, em entrevista para o SBT News.

Oficial Luciana Mendes e sua mãe, a Contra-Almirante Dalva Mendes. Pioneirismo feminino militar na mesma família | Arquivo pessoal
Oficial Luciana Mendes e sua mãe, a Contra-Almirante Dalva Mendes. Pioneirismo feminino militar na mesma família | Arquivo pessoal

A comandante carioca de 39 anos exerce atualmente a função de Consultora para Assuntos Jurídicos voltados para o Direito do Mar e Direito Internacional, assessorando o Contra-Almirante Antonio Braz de Souza, em uma missão de repressão à pirataria no Mar Vermelho, Golfo de Aden e Mar Arábico. “Se trata de uma força marítima combinada, da qual fazem parte mais de 40 países. No contexto mais amplo, buscamos garantir a segurança da navegação na região. É também uma oportunidade de aprender e assimilar as melhores práticas de outras marinhas, trocar informações, conhecer sistemas diversos para incrementar a nossa própria defesa”, explica Luciana.

Sobre os desafios de ser uma mulher nas Forças Armadas trabalhando em uma região conservadora como o Oriente Médio, Luciana afirma que, até o momento, não encontrou problemas de preconceito ou discriminação.

“No momento, por exemplo, estou no Bahrein, e claro que há questões culturais, religiosas, que você tem que observar. Mas em relação ao trabalho, o tratamento é totalmente igualitário, não tem diferenciação. Em relação a toda minha jornada na Marinha, os critérios para avaliação, evolução na carreira, conseguir cursos e missões sempre foram objetivos e meritocráticos”, defende.

Histórico

Além da dedicação e do profissionalismo, a ascensão de Luciana foi possibilitada pela Lei 13.541/2007, que permitiu às mulheres ocupar cargos em atividades operativas da Marinha, podendo integrar o oficialato do corpo da Armada e o de Fuzileiros Navais, até então restritos apenas a homens.

Sem restrição à admissão e promoção de mulheres em seus quadros, a Marinha do Brasil pretende elevar dos atuais 11,7% para 27% a participação do sexo feminino em seu efetivo até 2030, de acordo com a Portaria 244/2020. A meta ultrapassa os números de potências militares como os Estados Unidos que, até 2021, contavam com 20,5% de mulheres na Marinha e 9,1%, no Corpo de Fuzileiros Navais, conforme relatório do Departamento de Defesa norte-americano.

No Brasil, esse aumento de mulheres no efetivo vai contar com a colaboração, por exemplo, de cursos, como acesso da primeira turma de alunos no Colégio Naval em 2023, marcando a primeira vez que mulheres puderam prestar concurso para Soldados Fuzileiros Navais e estar na linha de frente.

Essa abertura segue o pioneirismo histórico da Marinha que, em 1980, foi a primeira Força Armada a fazer um curso de formação para oficiais voltado a mulheres. Nessa turma, estava a mãe de Luciana, a médica anestesista Dalva Maria Carvalho.

Dalva Mendes e sua filha, Luciana Mendes | Arquivo Pessoal
Dalva Mendes e sua filha, Luciana Mendes | Arquivo Pessoal

Ela se tornou contra-almirante, ocupando o terceiro posto mais importante da Marinha em 2012, uma patente equivalente à de general de brigada no Exército, e de brigadeiro na Aeronáutica. Pela legislação anterior, tal ascensão não seria possível, porém, por ser médica e já fazer parte do corpo de saúde da instituição, pôde realizar o seu potencial.

“Vim de uma família de classe média baixa, mas que sempre valorizou o trabalho honesto, a dedicação, apostar em si mesmo. Isso foi a minha maior inspiração e o que tentei passar para os meus filhos. Acredite em você mesma, trabalhe, se dedique e poderá conquistar todo espaço que quiser. Não há barreiras para mulheres na marinha”, aconselhou Dalva.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Marinha do Brasil
Mulher

Últimas notícias

Criança argentina está em estado grave após acidente no Autódromo de Interlagos

Criança argentina está em estado grave após acidente no Autódromo de Interlagos

Lorenzo Somaschini participava de treino de um dos campeonatos de motociclismo mais importantes da América do Sul quando caiu
Brasil não assina manifesto que defende “integridade territorial” da Ucrânia como base para paz

Brasil não assina manifesto que defende “integridade territorial” da Ucrânia como base para paz

Oitenta países concordaram com o documento após negociações durante Cúpula da Paz, realizada neste fim de semana, na Suíça
Tempestade destelha casas, escolas e secretaria de Saúde no RS

Tempestade destelha casas, escolas e secretaria de Saúde no RS

Defesa Civil do estado classificou o fenômeno na cidade de São Luiz Gonzaga como uma "microexplosão"
Atirador fere nove pessoas e deixa criança em estado crítico após ataque nos EUA

Atirador fere nove pessoas e deixa criança em estado crítico após ataque nos EUA

Suspeito, de 42 anos, foi encontrado morto dentro de casa
Receita Federal organiza leilão de iPhone e produtos Apple com lance a partir de R$ 20 mil

Receita Federal organiza leilão de iPhone e produtos Apple com lance a partir de R$ 20 mil

No lote tem vários modelos de iPhone, iPad, Apple Watch, além de videogames PlayStation 5 e celulares da Xiaomi; saiba como dar seu lance
Polícia faz busca e apreensão contra motorista que atirou em carro por briga de trânsito em Boituva

Polícia faz busca e apreensão contra motorista que atirou em carro por briga de trânsito em Boituva

Discussão começou após uma ultrapassagem entre os veículos, seguida de uma colisão, na rodovia Castelo Branco, no interior de SP
Incêndio no Parque do Itatiaia: Corpo de Bombeiros não tem previsão para controle das chamas

Incêndio no Parque do Itatiaia: Corpo de Bombeiros não tem previsão para controle das chamas

Semana seria de comemorações já que, na quinta-feira (13), o local completou 87 anos; combate ao fogo chega a 48 horas
Após post de Elon Musk, rumor aponta para criação de um "celular X" em parceria com a Samsung

Após post de Elon Musk, rumor aponta para criação de um "celular X" em parceria com a Samsung

Rumores surgiram após bilionário dono da Tesla e SpaceX responder a uma publicação nas redes sociais; empresa coreana não se manifestou
Enem 2024: inscrição é reaberta para moradores do Rio Grande do Sul

Enem 2024: inscrição é reaberta para moradores do Rio Grande do Sul

Estudantes do estado não vão precisar pagar a taxa de inscrição; governo estudo nova data para a aplicação da prova
Quase 90% dos brasileiros querem mais transparência sobre o uso das imagens de IA

Quase 90% dos brasileiros querem mais transparência sobre o uso das imagens de IA

Segundo o relatório da Getty Images, mesmo com o aumento do uso da tecnologia de inteligência artificial, há interesse sobre como as imagens são manipuladas
Publicidade
Publicidade