Publicidade

CFM tentará derrubar liminar de Moraes sobre aborto em caso de estupro

O ministro suspendeu, nesta sexta (17), uma resolução do Conselho Federal de Medicina que impedia a paralisação do coração do feto

CFM tentará derrubar liminar de Moraes sobre aborto em caso de estupro
Ministro do STF Alexandre de Moraes Marcelo Camargo/Agência Brasil
Publicidade

O Conselho Federal de Medicina (CFM) anunciou nesta sexta-feira (17) que vai tentar derrubar a liminar de Alexandre de Moraes que suspendeu restrição ao aborto em casos de estupro. A entidade discorda da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e critica o fato de não ter sido chamada a se manifestar nos autos.

“O CFM já prepara manifestação para se contrapor à liminar concedida nesta sexta-feira (17) pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendendo os efeitos da Resolução 2.378/2024, que normatiza o uso da assistolia fetal em casos de aborto legal”, declarou o conselho, em nota.

“A autarquia estranha que a decisão do ministro tenha sido tomada sem ter sido chamada a se manifestar previamente. Para o CFM, as justificativas que serão encaminhadas, após ser devidamente intimado e cientificado da íntegra da decisão, serão suficientes para o convencimento dos ministros do STF sobre a legalidade de sua resolução”, conclui o CFM.

Pedido do PSOL

Moraes suspendeu a Resolução 2.378/2024, do CFM, atendendo a um pedido do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). Na Arguição De Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 1.141, o partido solicitou a suspensão liminar (provisória e emergencial) da resolução, o que foi prontamente atendido por Moraes.

+ Moraes suspende resolução do CFM que restringe aborto legal

Além da suspensão provisória, o partido pede, no mérito, a declaração de inconstitucionalidade da resolução. O PSOL alega que a resolução do CFM proíbe “sem justificativa clínica, ética ou legal, e pela via ilegítima, um procedimento crucial para a garantia do aborto em gestações acima de 20 semanas, decorrentes de estupro”.

“Abuso de poder”

Para Moraes, a lei que autorizou o aborto em caso de estupro não criou ressalvas em relação à forma como a gravidez pode ser interrompida. Além disso, segundo o ministro, houve “abuso de poder” por parte do CFM na elaboração da resolução. Por fim, afirmou Moraes, a concessão da liminar se justifica pelo “risco da demora” entre mulheres que se encontram na situação abordada na ação do PSOL.

Embora não tenha ouvido o CFM antes da liminar, Moraes abriu prazo para a entidade se manifestar. “Comunique-se ao Conselho Federal de Medicina para ciência e cumprimento imediato desta decisão, solicitando-lhe informações, no prazo de dez dias”, determinou o ministro. “Após esse prazo, dê-se vista ao advogado-geral da União e ao procurador-geral da República, sucessivamente, no prazo de cinco dias, para a devida manifestação definitiva sobre a controvérsia”, finalizou Moraes, na liminar.r

Feticídio por administração de drogas

Na resolução suspensa por Moraes, o CFM proibiu médicos de realizarem a chamada “assistolia fetal”. De acordo com a própria resolução, esse procedimento de “feticídio” consiste em “ato médico que provoca óbito antes do procedimento de interrupção de gravidez, induzido por administração de drogas no feto”. Essas drogas, esclarece o CFM, são injetadas no líquido amniótico, no corpo ou diretamente no coração do feto.

Efeitos colaterais

Ao expor os motivos da proibição, o CFM diz que o procedimento, em si, é seguro, mas há riscos de complicações como infecção materna, internação hospitalar e nascimento com vida em situações não planejadas. O conselho menciona treze estudos científicos para embasar a proibição, entre eles um de 2020 que “evidenciou taxa mais alta de eventos adversos maternos graves em pacientes recebendo drogas feticidas do que naquelas situações em que as mulheres não receberam tais medicamentos”.

Falta de evidências científicas

Segundo o CFM, “embora os defensores da assistolia fetal digam que ela é fundamental para uma melhor satisfação materna”, não há evidências científicas nesse sentido. Para o conselho, ainda que o aborto em casos de estupro seja permitido em lei, o “o procedimento de assistolia fetal é profundamente antiético e perigoso em termos profissionais”, exceto “em situações muito específicas” relacionadas a riscos de morte para a mãe.

Legislação brasileira e internacional

A proibição teve também argumentos jurídicos. O CFM cita, entre outros dispositivos, “o direito inviolável à vida”, previsto no artigo 5º da Constituição Federal. Menciona ainda a Declaração de Genebra, adotada em 1948 pela Associação Médica Mundial, segundo a qual “será mantido o máximo respeito pela vida humana, promovendo a honra e as nobres tradições da profissão médica, evitando o uso dos conhecimentos médicos para violar os direitos humanos”.

A proibição

Após a exposição de todos esses argumentos, o CFM finaliza a resolução com uma ordem expressa à classe médica:

“É vedado ao médico a realização do procedimento de assistolia fetal, ato médico que ocasiona o feticídio, previamente aos procedimentos de interrupção da gravidez nos casos de aborto previsto em lei, ou seja, feto oriundo de estupro, quando houver probabilidade de sobrevida do feto em idade gestacional acima de 22 semanas”.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

STF
Aborto
Mulher
estupro
Alexandre de Moraes
medicina

Últimas notícias

Lula diz que nunca teve uma relação tão boa com o Congresso; derrotas mostram contradição

Lula diz que nunca teve uma relação tão boa com o Congresso; derrotas mostram contradição

Presidente diz que conseguiu aprovar todos os projetos prioritários para o país, mas no Congresso governo encontra dificuldades em 5 temas, ao menos
Famoso em Paris, museu Pompidou vai abrir primeira filial no Brasil

Famoso em Paris, museu Pompidou vai abrir primeira filial no Brasil

Nova unidade, a primeira da instituição na América Latina, será instalada em Foz do Iguaçu, no Paraná
Preço médio do aluguel sobe 8% no primeiro semestre no Brasil; Brasília teve maior alta

Preço médio do aluguel sobe 8% no primeiro semestre no Brasil; Brasília teve maior alta

Índice de monitoramento da Fipe identificou aumento em 24 das 25 cidades avaliadas; reajustes superaram a inflação oficial
Vídeo feito por IA mostra encontro de famosos com suas versões jovens; veja

Vídeo feito por IA mostra encontro de famosos com suas versões jovens; veja

Michael Jackson, Will Smith, Paul Mccartney, entre outros, foram recriados abraçando suas versões mais novas
Anvisa confirma terceiro caso de malária em navio no Porto de Santos

Anvisa confirma terceiro caso de malária em navio no Porto de Santos

Infectados eram tripulantes de dois navios que chegaram do continente africano neste mês
Em meio a debate sobre autonomia do BC, Kajuru chama Campos Neto de ‘desprezível’ e ‘antibrasileiro’

Em meio a debate sobre autonomia do BC, Kajuru chama Campos Neto de ‘desprezível’ e ‘antibrasileiro’

Críticas foram feitas pelo senador durante sessão na CCJ que discutia PEC do BC
O que "Era uma Vez um Sonho", livro de J.D. Vance que virou filme, conta sobre o vice de Trump

O que "Era uma Vez um Sonho", livro de J.D. Vance que virou filme, conta sobre o vice de Trump

Busca por obras inspiradas na vida do senador de Ohio aumentaram drasticamente após anúncio do republicano na chapa presidencial
Força Nacional será enviada ao MS para atuar nos conflitos entre indígenas e fazendeiros

Força Nacional será enviada ao MS para atuar nos conflitos entre indígenas e fazendeiros

Autorização do Ministério da Justiça e Segurança Pública foi publicada nesta quarta
Prefeita de Paris mergulha no rio Sena para mostrar que há segurança para as provas dos Jogos Olímpicos

Prefeita de Paris mergulha no rio Sena para mostrar que há segurança para as provas dos Jogos Olímpicos

Anne Hidalgo tenta garantir condições para banho que estão previstas provas aquáticas na capital francesa
Carlos Viana tira licença do Senado para disputar prefeitura de Belo Horizonte

Carlos Viana tira licença do Senado para disputar prefeitura de Belo Horizonte

Pesquisa mostra Viana com 8% das intenções de voto para prefeito da capital mineira nas eleições deste ano
Publicidade
Publicidade