Publicidade

Metade das ações de calúnia na Justiça Militar envolve civis ou está sob segredo

52 processos que tratam do tipo penal estão em análise. Em 18 meses, STM julgou 771 não-militares

Metade das ações de calúnia na Justiça Militar envolve civis ou está sob segredo
Ministério Público Militar: maior parte das ações envolve civis e processos sob sigilo
Publicidade

Mais da metade das ações de calúnia julgadas pela Justiça Militar envolve civis ou está sob segredo. Levantamento exclusivo do SBT News a partir de dados do Ministério Público Militar revela um total de 52 processos que tratam do tipo penal na primeira e na segunda instância. Desses, 21 estão em segredo; nove estão relacionados a não-militares; dois não apresentam informações; e 20 analisam atos de integrantes das Forças Armadas.

O crime de caúnia está previsto no art. 214 do Código Penal Militar. A pena vai de seis meses a dois anos de detenção, que pode ser acrescida em um terço se o crime for cometido contra o presidente da República ou chefe de governo estrangeiro; contra superior, militar ou funcionário público -em razão das funções-; ou "na presença de duas ou mais pessoas, ou de inferior do ofendido, ou por meio que facilite a divulgação da calúnia, da difamação ou da injúria".

O que está em jogo não é o crime, mas o julgamento de civis por parte dos militares. No último mês de abril, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma ação para tirar da Justiça Militar os julgamentos de calúnia relacionados a civis. O objetivo: coibir o emprego abusivo de procedimentos criminais contra o exercício da liberdade de expressão e de imprensa.

Para o professor do departamento de sociologia Arthur Trindade, os militares se sentiam desprotegidos do ponto de vista da lei para estarem atuando nas ruas, sem terem a devida cobertura legal. Então, em 2017, o Código Penal Militar foi alterado. "Essa alteração fez duas coisas importantes: a primeira, tornou crime militar uma série de outros crimes cometidos por militares que anteriormente eram crimes civis."

Mas a outra alteração tornou uma série de crimes cometidos por civis, por exemplo, injúria e difamação, como crimes militares. "Hoje, a lei está sendo empregada para coibir e constranger civis. O emprego das Forças Armadas para substituir a deficiência nas polícias já é um remendo. Foi feita essa medida para atender o remendo e agora está sendo utilizada para outra finalidade. E de erros em erros vamos caminhando", ressalta.

Superior Tribunal Militar

Nos últimos 18 meses, a Justiça Militar julgou 771 civis. Números obtidos com exclusividade pelo SBT News no Superior Tribunal Militar (STM) mostram que, dos processos que já chegaram ao fim, 163 não-militares foram condenados, e 50, absolvidos. Os crimes vão de desacato, calúnia, furtos de frutas em áreas militares a invasão de quarteis e roubos de armas exclusivas das Forças Armadas por traficantes, além de homicídios.

"O Supremo tem entendido que apenas nos casos em que as 'instituições militares' são afetadas é legítima a caracterização do fato como crime militar. Nos casos em que não se verifica a capacidade da conduta do autor de 'atingir as Forças Armadas', a Corte afasta a competência da Justiça Militar e a aplicação do Código Penal Militar", defenderam os advogados da ABI Cláudio Pereira de Souza Neto e Luis Guilherme Vieira em artigo publicado na Folha de S.Paulo em 2.jul.

Mesmo com tal interpretação, avaliam os advogados, as expressões "afetar as instituições militares" e "atingir as Forças Armadas" para aplicação deixam aberta a possibilidade de aplicação do Código Penal Militar pela Justiça Militar. O artigo 124 da Constituição diz que Justiça Militar deve processar e julgar os crimes definidos em lei. A Advocacia-Geral da União (AGU), órgão da Presidência, enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) em que defende que condutas praticadas por civis, quando ofensivas às instituições militares, devem ser configuradas como crimes militares e ser julgadas pela Justiça Militar da União. 

Segundo o Código Penal Militar, civis podem ser julgados por crime militar nos seguintes casos: contra o patrimônio sob a administração militar, ou contra a ordem administrativa militar; em lugar sujeito à administração militar contra militar em situação de atividade ou assemelhado, ou contra funcionário de Ministério Militar ou da Justiça Militar, no exercício de função inerente ao seu cargo; contra militar em formatura, ou durante o período de prontidão, vigilância, observação, exploração, exercício, acampamento, acantonamento ou manobras; ainda que fora do lugar sujeito à administração militar, contra militar em função de natureza militar, ou no desempenho de serviço de vigilância, garantia e preservação da ordem pública, administrativa ou judiciária, quando legalmente requisitado para aquele fim, ou em obediência a determinação legal superior.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
brasil
leonardo-cavalcanti
fernanda-bastos
justiça militar
processos
civis
calunia

Últimas notícias

Nova massa de ar quente deve elevar temperaturas em até 7ºC nos próximos dias

Nova massa de ar quente deve elevar temperaturas em até 7ºC nos próximos dias

Noites e madrugadas continuarão geladas devido à menor incidência de radiação solar
Primeira pesquisa após atentado contra Trump indica empate técnico com Biden

Primeira pesquisa após atentado contra Trump indica empate técnico com Biden

Ataque não provocou grandes mudanças nas intenções de voto, mas aumentou preocupação com violência
Ramagem presta depoimento à PF nesta quarta (17) sobre "Abin paralela" de Bolsonaro

Ramagem presta depoimento à PF nesta quarta (17) sobre "Abin paralela" de Bolsonaro

Deputado federal e ex-diretor da agência fala à Polícia Federal após nova fase da operação Última Milha e divulgação de áudio com Bolsonaro
ENGANOSO: Presos que aparecem em vídeo não são ex-membros da Suprema Corte de El Salvador

ENGANOSO: Presos que aparecem em vídeo não são ex-membros da Suprema Corte de El Salvador

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Brasil Agora: governo terá de cortar gastos, mas Lula resiste; Trump, o atentado e a convenção

Brasil Agora: governo terá de cortar gastos, mas Lula resiste; Trump, o atentado e a convenção

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta quarta-feira (17)
+Milionária sorteia prêmio de R$ 245 milhões nesta quarta-feira (17)

+Milionária sorteia prêmio de R$ 245 milhões nesta quarta-feira (17)

Apostas podem ser feitas até as 19h em casas lotéricas ou pela internet
Hóspedes são encontrados mortos em hotel 5 estrelas na Tailândia

Hóspedes são encontrados mortos em hotel 5 estrelas na Tailândia

Polícia aponta para envenenamento com cianeto; corpos são de cidadãos vietnamitas
Carpinteiro atingido por estaca de madeira na cabeça deixa o CTI

Carpinteiro atingido por estaca de madeira na cabeça deixa o CTI

Vitor Soares do Nascimento precisou passar por cirurgia de emergência para retirada do objeto; quadro de saúde é estável
Com R$ 362 milhões, "Divertida Mente 2" se torna maior arrecadação em bilheterias da história no Brasil

Com R$ 362 milhões, "Divertida Mente 2" se torna maior arrecadação em bilheterias da história no Brasil

Nova animação da Disney/Pixar já foi assistida por 18 milhões de espectadores
Nota Fiscal Paulista libera R$ 46,5 milhões em créditos; veja como resgatar

Nota Fiscal Paulista libera R$ 46,5 milhões em créditos; veja como resgatar

Valor é referente às compras realizadas em março de 2024 e ficará disponível para transferência por um ano
Publicidade
Publicidade