Publicidade

Haddad diz que governo pode ir ao STF contra desoneração de municípios

Lula será consultado sobre pedido para a AGU acionar a Justiça para retomar a reoneração da previdência de municípios

Haddad diz que governo pode ir ao STF contra desoneração de municípios
Publicidade

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que a Advocacia Geral da União (AGU) pode entrar na Justiça contra a desoneração da folha de pagamentos dos municípios. A reoneração dos municípios foi excluída da proposta que tramita no Congresso pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG)

+ Com críticas ao governo, Pacheco retira reoneração de municípios de medida provisória

Após uma reunião com o vice-presidente e ministro da Indústria, Geraldo Alckmin, sobre depreciação acelerada da Indústria e sobre incentivos a pequenos exportadores, Haddad respondeu aos jornalistas que a responsabilidade fiscal deve partir de todos os poderes. O ministro defendeu que todo gasto tributário deve vir acompanhado de uma fonte para custeio ou compensação.

"A AGU está estudando a matéria. Isso ainda não foi submetido ao presidente Lula. Nós temos de entender que todo gasto tributário primário tem de vir acompanhado de uma compensação. Não sou eu que estou inventando, isso é uma lei complementar aprovada pelo próprio Congresso", disse.

+ Haddad apresenta programa de redução das dívidas dos estados em troca de investimentos na educação técnica

"Toda renúncia fiscal, todo aumento de gasto público tem de vir acompanhada de uma fonte. Caso contrário, nós não conseguimos atingir os objetivos que todos nós concordamos que são importantes (meta fiscal zero). E, sem isso, nós atrasamos a agenda econômica", concluiu.

Imbróglio

Na segunda-feira (1º), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prorrogou os efeitos da medida provisória (MP) 1.202/2023, mas deixou expirar o trecho sobre a reoneração ao INSS dos municípios. A Fazenda desejava que as prefeituras voltassem a contribuir com 20%, mas com a medida tomada por Pacheco, os repasses seguirão em 8%.

A MP editada em dezembro do ano passado originalmente pretendia também reonerar 17 setores da economia e acabar com o Perse. No entanto, as empresas que seiram impactadas conseguiram fazer uma forte mobilização no Congresso e o governo recuou e deixou no texto apenas a retomada da cobrança de 20% de impostos dos municípios sobre a previdência e o fim do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse).

Com a alteração promovida por Pacheco, apenas o Perse permanece no texto. Em entrevista coletiva na segunda-feira, o presidente do Senado explicou a decisão tomada após uma se´rie de negociações entre parlamentares e a equipe econômica do governo.

“Uma MP não pode revogar uma lei promulgada no dia anterior, como se fosse mais um turno do processo legislativo”, criticou Pacheco em nota, ao divulgar a alteração na medida provisória.

O movimento dele confirmou a retirada de quatro trechos do texto enviado pelo governo, todos ligados à reoneração. E estabeleceu que alterações na proposta devem ser apresentadas como projeto de lei - o que condiciona o apoio de deputados e senadores antes de que uma mudança passe a valer. A MP, por outro lado, estabelece a regra para uma votação posterior de parlamentares.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Ministério da Fazenda
Vice-Presidente
Geraldo Alckmin
Desoneração da folha de pagamento

Últimas notícias

Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Mobilização recebeu apoio de setores da oposição em todo o país
Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Segundo a empresa, a suspensão é "para se dedicar totalmente a concluir o processo de investigação" do caso
Perfis de bolsonaristas no X bloqueados pelo STF usaram canal de bate-papo para fazer lives "clandestinas"

Perfis de bolsonaristas no X bloqueados pelo STF usaram canal de bate-papo para fazer lives "clandestinas"

PF identificou que acusados de integrar milícia digital fizeram, dos EUA, transmissões ao vivo, por canais inativados judicialmente
Polícia desarticula quadrilhas especializadas em roubos a condomínios

Polícia desarticula quadrilhas especializadas em roubos a condomínios

Investigações pegaram criminosos que atuavam em 5 estados, se passavam por moradores e ostentavam nas redes sociais
Polícia prende integrantes de quadrilha envolvida na morte de empresário, em SP

Polícia prende integrantes de quadrilha envolvida na morte de empresário, em SP

Caso aconteceu em setembro do ano passado; criminosos usavam aplicativos de namoro para atrair as vítimas
Empresária condenada por matar o marido com um tiro na nuca se entrega à polícia em SP

Empresária condenada por matar o marido com um tiro na nuca se entrega à polícia em SP

Crime aconteceu em janeiro de 2013, na Zona Leste de São Paulo; Andressa Ramos de Araújo foi condenada a 13 anos e seis meses de prisão
Câmara aprova continuidade de benefício para o setor de eventos com impacto de R$ 15 bilhões

Câmara aprova continuidade de benefício para o setor de eventos com impacto de R$ 15 bilhões

Andamento do programa emergencial contrariou pedido do governo e valerá para 30 atividades econômicas. Texto segue para o Senado
Datena, educação e polarização na Segurança Pública: confira íntegra da entrevista de Tabata Amaral

Datena, educação e polarização na Segurança Pública: confira íntegra da entrevista de Tabata Amaral

Pré-candidata à Prefeitura de São Paulo pelo PSB falou sobre propostas para a maior cidade do Brasil ao SBT News
Candidatos reclamam de falhas técnicas e problemas na lista de espera do Fies

Candidatos reclamam de falhas técnicas e problemas na lista de espera do Fies

Mesmo com os problemas relatados, Ministério da Educação afirma que não deve fazer alterações no cronograma
Alckmin responde cobrança de Lula com meme de desenho animado: “Pé na tábua”

Alckmin responde cobrança de Lula com meme de desenho animado: “Pé na tábua”

Presidente havia cobrado vice-presidente e ministros agilidade e para melhorarem articulações com o Congresso Nacional
Publicidade
Publicidade