Publicidade

Fenômeno climático El Niño começa a perder força, mas impactos devem continuar

Previsão da OMM é que calor acima da média continue sendo registrado até maio deste ano

Fenômeno climático El Niño começa a perder força, mas impactos devem continuar
Publicidade

O fenômeno climático El Niño, que atingiu o pico entre novembro de 2023 e janeiro de 2024, começou a perder força. É o que mostra um relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM), que aponta que, mesmo em ritmo enfraquecido, o fenômeno continuará impactando nas temperaturas globais, deixando os termômetros acima da média.

+ O que esperar se a temperatura média global aumentar mais de 1,5ºC?

O El Niño é um fenômeno climático natural que aquece a superfície do oceano no Pacífico tropical central e oriental, alterando o clima e a formação de tempestades pelo mundo. Segundo a OMM, a previsão é que o fenômeno influencie as temperaturas até maio deste ano. A partir de abril, o fenômeno deve atingir 80% de chance de condições neutras.

Apesar de passar para a transição de neutralidade, os impactos associados ao El Niño, como secas severas e chuvas torrenciais, irão continuar em algumas partes do mundo. “Nessa fase pós pico, alguns dos impactos observados vão persistir sobretudo na região da África mais ao sul”, explicou Álvaro Silva, cientista climático da OMM.

+ Influência humana está presente em 80% dos estudos de mudanças climáticas

Ele alertou que o fenômeno foi reforçado pela crise climática, que está acelerando cada vez mais os eventos extremos no mundo. Desde junho de 2023, todos os meses tiveram recordes de temperatura, com o ano passado sendo o mais quente já registrado na história. Em janeiro de 2024, a temperatura da superfície do mar foi a mais alta registrada no mês.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Mundo
El Niño
clima
Aquecimento global
calor

Últimas notícias

Apagão cibernético afeta companhias aéreas, bancos e emissoras ao redor do mundo

Apagão cibernético afeta companhias aéreas, bancos e emissoras ao redor do mundo

Falha vem sendo relatada sobretudo por usuários da Microsoft
CNC: intenção de consumo reduz, mas satisfação com renda é a maior desde 2015

CNC: intenção de consumo reduz, mas satisfação com renda é a maior desde 2015

Crédito ainda seletivo deixa famílias de baixa renda com pouca perspectiva de compras
Parlamento israelense vota contra criação de Estado palestino

Parlamento israelense vota contra criação de Estado palestino

Partidos alegaram que ação representaria um perigo existencial para o país, provocando conflito
MEC libera consulta às bolsas ofertadas pelo Prouni; veja como acessar

MEC libera consulta às bolsas ofertadas pelo Prouni; veja como acessar

Programa ofertará mais de 243 mil vagas em universidade privadas do país; inscrições começam em 23 de julho
SBT News na TV: terremoto de 7,3 graus atinge Chile e é sentido por brasileiros

SBT News na TV: terremoto de 7,3 graus atinge Chile e é sentido por brasileiros

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta sexta-feira (19); assista!
Trump promete "maior operação de deportação da história dos EUA" se eleito

Trump promete "maior operação de deportação da história dos EUA" se eleito

Declaração foi feita durante discurso na Convenção Nacional do Partido Republicano
Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Recurso pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 201 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 14 mil cada
Dia Nacional do Futebol: entenda a origem da data comemorativa de 19 de julho

Dia Nacional do Futebol: entenda a origem da data comemorativa de 19 de julho

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) oficializou o Dia Nacional do Futebol em 1976
No 1º discurso após o atentado, Trump adota discurso moderado e pede que "discórdia" e "divisão" sejam curadas

No 1º discurso após o atentado, Trump adota discurso moderado e pede que "discórdia" e "divisão" sejam curadas

Ex-presidente também destacou que poderia ter morrido e relembrou detalhes do atentado
Publicidade
Publicidade