Publicidade

Cessar-fogo de 72 horas no Sudão não é respeitado; são quase 500 mortes

Dois lados do conflito se acusam mutuamente do descumprimento

Cessar-fogo de 72 horas no Sudão não é respeitado; são quase 500 mortes
Homens armados em cima de caminhonete no Sudão
Publicidade

Um cessar-fogo de 72 horas entre os dois generais que disputam o poder no Sudão entrou oficialmente em vigor nesta 3ª feira (25. abr), mas testemunhos relataram novos bombardeios após dias de combates que deixaram centenas de mortos.

"A pausa não foi completamente respeitada, com ataques contra bases, tentativas de ganhar terreno, ataques aéreos e explosões em diferentes áreas da capital", informou o representante da ONU no país, Volker Perthes, ao Conselho de Segurança.

Perthes afirmou ter tido contato com os dois generais em guerra: o chefe do Exército, Abdel Fatah al Burhan, e seu ex-aliado Mohamed Hamdan Daglo, que comanda as paramilitares Forças de Apoio Rápido (FAR). "Ainda não há sinais claros de que algum deles esteja pronto para negociar seriamente", acrescentou Perthes.

Testemunhos na capital do Sudão, Cartum, informaram de bombardeios do Exército contra posições e veículos das FAR, que responderam com tiros de metralhadoras. Em um vídeo, o grupo paramilitar afirma ter tomado o controle de uma refinaria e de uma central elétrica 70 km ao norte da capital, de cinco milhões de habitantes.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, havia anunciado na segunda-feira um cessar-fogo de três dias no Sudão após "negociações intensas" entre as partes. Também observou-se um cessar-fogo na região norte de Darfur, no leste do país, há vários dias, informou a ONU.

Mas testemunhas disseram à AFP que viram confrontos entre o Exército e as FAR em Wad Banda, no Cordofão Ocidental, uma região fronteiriça mais ao sul. Como aconteceu nos anúncios anteriores de cessar-fogo, os lados se acusam mutuamente de não respeitá-lo.

Os confrontos que explodiram em 15 de abril deixaram mais de 459 mortos e mais de 4.000 feridos, de acordo com as agências da ONU.

Combatentes empunham rifles rua no distrito de East Nile, na grande Cartum | AFP Photo/HO/Sudan Rapid Support Forces (RSF)

- Fuga de prisioneiros -

As Forças para a Liberdade e a Mudança, o principal bloco civil que os dois generais que agora disputam o poder derrubaram em um golpe em 2021, confiavam que a trégua permitiria "diálogo nas modalidades de um cessar-fogo permanente".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta para riscos biológicos "elevados" no Sudão após a ocupação de um laboratório nacional de saúde onde há agentes patógenos de sarampo, cólera e poliomelite.

Vídeos publicados na internet - que não tiveram a autenticidade comprovada - mostram o cenário de violência e ataques dos últimos dias: estabelecimentos comerciais incendiados, imóveis destruídos e civis perambulando entre os escombros ainda em chamas.

Segundo os advogados, durante os combates houve pelo menos uma fuga de uma prisão. Outras informações apontam para outra fuga na prisão de Kober, onde está encarcerado o ex-ditador Omar al Bashir, procurado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).

Um ex-assessor de Bashir, Ahmed Harun, também perseguido pelo TPI, disse em mensagem à televisão sudanesa que um grande número de funcionários do regime de Bashir havia escapado.

"Ficamos no centro de detenção de Kober, sob o fogo cruzado desta batalha, por nove dias, mesmo quando a prisão foi esvaziada de guardas e prisioneiros, e "agora assumimos a responsabilidade por nossa proteção", disse ele.

A localização de Bashir, acusado de crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio, não pôde ser estabelecida de forma independente.

- Retirada de estrangeiros -

Antes do cessar-fogo, várias nações conseguiram negociar com os dois lados beligerantes a retirada de funcionários diplomáticos e de cidadãos de seus países.Centenas de cidadãos da União Europeia, China, Estados Unidos, Japão, Reino Unido e vários países árabes conseguiram deixar o Sudão.

Além disso, quase 700 funcionários da ONU, de embaixadas e de organizações internacionais foram levados para Porto Sudão, uma cidade às margens do Mar Vermelho, segundo as Nações Unidas. A Agência da ONU para os Refugiados calcula que até 270.000 pessoas podem fugir para o Chade e o Sudão do Sul.

As pessoas que não conseguiram fugir do fogo cruzado tentam sobreviver sem o fornecimento de água ou energia elétrica, escassez de alimentos e cortes de internet e das linhas telefônicas.

Aqueles que não conseguem escapar do fogo cruzado estão tentando sobreviver sem água ou eletricidade, com escassez de alimentos e cortes de internet e telefone.Essa espiral "arrisca uma conflagração catastrófica dentro do Sudão que pode envolver toda a região e além", disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

"À medida que os estrangeiros fogem, a violência em uma situação humanitária já crítica no Sudão se agrava", alertou a ONU.

Bloqueadas no fogo cruzado, as agências das Nações Unidas e outras organizações humanitárias suspenderam as atividades no país. Cinco trabalhadores humanitários - quatro deles da ONU - morreram e, de acordo com o sindicado dos médicos, quase 75% dos hospitais do país estão foram de serviço. A disputa entre Burhan e Daglo, que se aliaram para derrubar civis do poder, surgiu de planos de integrar as FAR ao Exército.

Leia também

+ Quênia: mortes provocadas por jejum para 'conhecer Jesus' sobem para 90

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

mundo
guerra
sudão
confronto
militar
acordo
não respeitado
cessar-fogo
mortes
conflito
sbt
sbtnews
portalnews

Últimas notícias

Mega-Sena não tem ganhadores e prêmio chega a R$ 47 milhões

Mega-Sena não tem ganhadores e prêmio chega a R$ 47 milhões

Prêmio acumulado será sorteado no sábado (15)
Brasília tem manifestação contra PL que equipara aborto ao crime de homicídio

Brasília tem manifestação contra PL que equipara aborto ao crime de homicídio

Grupo se reuniu em frente ao Museu Nacional da República, na Esplanada dos Ministérios, na noite desta quinta (13)
Mulher fica sem roupa em aeroporto após ser impedida de embarcar; veja vídeo

Mulher fica sem roupa em aeroporto após ser impedida de embarcar; veja vídeo

Ela estava prestes a pegar um voo de volta para o Vietnã quando se revoltou e tirou as roupas
Vítimas de violência doméstica serão prioridade em cirurgia reparadora no SUS

Vítimas de violência doméstica serão prioridade em cirurgia reparadora no SUS

A atualização na Lei Maria da Penha já garantia o direito ao procedimento e, agora, assegura a preferência na fila de espera
Na contagem regressiva para as Olimpíadas, atletas revelam ansiedade para as competições

Na contagem regressiva para as Olimpíadas, atletas revelam ansiedade para as competições

São 241 vagas garantidas para o Brasil e 219 atletas já estão classificados, sendo 127 mulheres, 85 homens e sete pessoas do hipismo, com gênero a definir
Yasmin Aparecida: família cai em golpe e perde R$ 2 milhões arrecadados para tratamento

Yasmin Aparecida: família cai em golpe e perde R$ 2 milhões arrecadados para tratamento

Menina de 11 anos foi diagnosticada com neuroblastoma -- um tipo de câncer raro, que cresce em partes do sistema nervoso ou nas glândulas adrenais
Número de refugiados no Brasil mais que dobrou em um ano, diz Ministério da Justiça

Número de refugiados no Brasil mais que dobrou em um ano, diz Ministério da Justiça

Segundo o órgão, a maioria é de origem venezuelana
Pacheco diz que aborto é diferente de homicídio e defende discussão longa no Senado

Pacheco diz que aborto é diferente de homicídio e defende discussão longa no Senado

Presidente da Casa negou possibilidade de que projeto passe com urgência, se chegar para análise dos senadores
Críticas contra PL que iguala aborto a homicídio invadem redes sociais

Críticas contra PL que iguala aborto a homicídio invadem redes sociais

Hashtags #PLdoEstuproNão e #CriançaNãoÉMãe ficaram entre os assuntos mais comentados do X nesta quinta (13)
Deputadas de esquerda e de direita debatem aborto após estupro

Deputadas de esquerda e de direita debatem aborto após estupro

Discussão entre Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Franciane Bayer (Republicanos-RS) ocorre em meio a aprovação da urgência de projeto de lei na Câmara sobre o tema
Publicidade
Publicidade