Publicidade

Entenda os motivos que levam à crescente tensão entre Rússia e Ucrânia

Países voltaram a ser destaque após deslocamento de tropas russas para a fronteira ucraniana

Entenda os motivos que levam à crescente tensão entre Rússia e Ucrânia
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e presidente da Rússia, Vladimir Putin
Publicidade

Rússia e Ucrânia nunca tiveram relações amistosas. Apesar da cultura e povos de mesmas origens, a tensão entre ambos os países voltou a ser destaque em novembro deste ano com o deslocamento de tropas do exército russo para a fronteira ucraniana. Ao SBT News, especialistas comentaram o cenário, pontuando quais são as chances reais de um ataque na região e as consequências para a geopolítica internacional.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

A aproximação ucraniana ao Ocidente, sobretudo à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar criada após o fim da Segunda Guerra Mundial com o objetivo de atuar contra o expansionismo da União Soviética, vem desagradando o atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, que a encara como uma ameaça. "A Rússia se sente ameaçada com o avanço da Otan, que está chegando cada vez mais próxima das fronteiras russas. Ao mesmo tempo, ela tenta recuperar o papel de protagonista internacional com a área que entende ser a de sua influência, que é a das antigas repúblicas soviéticas [Ucrânia, Belarus, Estônia, entre outras]", explicou César Albuquerque, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP). Fatores econômicos, como a presença da "terra negra", ideal para a agricultura, petróleo e gás natural, principais produtos exportados pelos russos, também despertaram o interesse do Kremlin em relação ao território. 

No início de novembro, tropas militares russas foram deslocadas para a fronteira entre os dois países. A ameaça de um suposto ataque previa que a invasão estaria programada para o fim de janeiro ou início de fevereiro de 2022. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, chegou a declarar que a Rússia estaria arquitetando um golpe de Estado para tirá-lo do poder. Apesar da ameaça, disse que a Ucrânia teria condições de se defender dos ataques. 

A fala, no entanto, foi questionada pelos especialistas ouvidos pelo SBT News, que ressaltaram a reformulação do exército russo. "A Rússia controla todo o antigo arsenal da União Soviética. Além disso, nos últimos anos, o governo Putin tem investido no setor militar e desenvolvimento de novas tecnologias", afirmou Albuquerque. 

"Se a Rússia atacar a Ucrânia de uma maneira convencional, com grandes contingentes de tropas e bombardeios, os ucranianos dificilmente seriam capazes de se defender. Eles precisariam de apoio da Otan, da União Europeia e dos Estados Unidos", complementou Maurício Santoro, especialista em Relações Internacionais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Ele acrescenta: "A invasão seria um golpe duro contra a União Europeia, que tem como um de seus pilares a preservação da paz. Poderia gerar, por exemplo, uma crise de refugiados que bateria com força na porta da Europa".

Os Estados Unidos estimam que 175 mil soldados russos foram escalados para o conflito. Na 2ª feira (6.dez), o presidente americano, Joe Biden, reuniu-se com líderes europeus para discutir a atual situação. Nesta 3ª (7.dez), é a vez de Biden conversar com Putin em busca de um acordo que diminua a tensão. "O deslocamento das tropas e a ameaça de invasão é uma forma da Rússia chamar o Ocidente para negociar. Não significa necessariamente que vai invadir", afirmou Pericles Tesone, mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Os EUA já adiantaram que, caso a invasão se concretize, estão prontos para aplicar novas sanções aos russos. Tais sanções estariam ligadas, especialmente, ao âmbito econômico. 

O governo da Rússia nega os ataques ao mesmo tempo que defende publicamente a não aderência da Ucrânia à Otan. Além dos Estados Unidos, a Organização conta com a presença de 27 membros --- entre eles, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Canadá. Para os especialistas, as chances reais de um ataque à Ucrânia são baixas, de modo que tensões poderiam ser amenizadas por meio de acordos encabeçados por Rússia e Estados Unidos, que tenham como foco a não entrada dos ucranianos na Organização do Tratado do Atlântico Norte.

"Se houver reuniões entre Biden e Putin, pode-se chegar a alguma maneira de acomodar a situação sem ferir a autonomia e soberania ucraniana, satisfazendo os desejos do presidente russo. Os Estados Unidos não têm interesse, no atual momento, em um conflito armado. A prioridade dos americanos é a China", pontuou Thomas Heye, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF). 

O cenário em torno da suposta invasão relembra 2014, quando a região da Crimeia, anexada ao território ucraniano, foi invadida e incorporada pelos russos. A península, localizada em torno do Mar Negro, era considerada estratégica do ponto de vista militar pela presença de bases navais. A questão étnica também propiciou o ataque, em uma região cuja população é, do ponto de vista cultural, ligada à Rússia. "Se voltarmos para a Idade Média, a cultura russa surgiu na Ucrânia, em cidades-Estados ao redor da capital, Kiev. Essas cidades foram destruídas, ao passo que continuaram a florescer no que, hoje, é o território da Rússia. É uma ligação forte, na qual os russos estavam em uma posição de dominação. Com o colapso da União Soviética, em 1991, não aceitaram de bom grado a separação da Ucrânia", explicou Santoro.
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbtnews
portalnews
rússia
ucrânia
estados unidos
otan
internacional
conflito
leste europeu
vladimir putin
joe biden
mundo
victoria nogueira

Últimas notícias

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 75 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 41 cada
De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

Cantor foi detido por dirigir embriagado. Mas a prisão foi somente mais um episódio controverso na carreira do astro
Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Cinco cidades baianas estão à frente. Taxas superaram 50 homicídios por 100 mil habitantes em 2022, segundo Atlas da Violência
Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Atualmente no cargo, Marinho se afasta do cargo por 120 dias para se dedicar às eleições municipais
Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Presidente do Senado se posicionou acerca do polêmico tema diante de parte da bancada feminina da Casa
Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Agentes realizavam operação contra estabelecimentos comerciais que receptavam e revendiam roupas de grifes roubadas
Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Por se tratar de um convite, o jogador pode recusar a participação
Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Nove equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas e conseguiram conter o fogo no local
Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

No ranking com 56 países, o Brasil aparece na 44ª colocação, empatado com Peru, Panamá e Arábia Saudita
Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Segundo a polícia, integrante de um grupo criminoso que gerenciava um laboratório de drogas em Castelo Branco foi localizado por equipes do Depom
Publicidade
Publicidade