Publicidade

Dino se diz contra criação de novo ministério e silencia sobre STF: "Tema que não penso é sair daqui"

Ministro da Justiça não apoia pasta separada para a Segurança Pública e adotou discrição ao comentar possível indicação ao Supremo

Dino se diz contra criação de novo ministério e silencia sobre STF: "Tema que não penso é sair daqui"
Dino se diz contra criação de novo ministério e silencia sobre STF: Tema que não penso é sair daqui (Reprodução/YouTube)
Publicidade

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse não apoiar a criação de uma pasta separada para a segurança pública e adotou discrição ao comentar possível indicação ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

As declarações foram dadas em coletiva de imprensa após lançamento de programa de combate às organizações criminosas, orçado em R$ 900 milhões.

Ministério da Segurança Pública e resposta a críticas

Na conversa com jornalistas, Dino respondeu às críticas que vem sofrendo pela atuação do ministério para conter a onda de violência na Bahia e no Rio de Janeiro. "Há um lugar-comum errado segundo o qual o problema é a falta do Ministério da Segurança Pública. Isso é erro gravíssimo, na minha ótica", declarou.

"Não haveria a reação imediata no dia 8 de janeiro se o ministério estivesse separado. Foi a integração que permitiu a resposta rápida", completou. O ministro reforçou que o "Brasil já tem um Ministério da Segurança Pública, que é este". "90% do meu tempo, da minha agenda é segurança pública", explicou.

Violência na Bahia e intervenção federal

Sobre as mais de 60 mortes registradas na Bahia em confrontos entre suspeitos de integrar facções criminosas e a polícia, Dino disse que lamenta "todas as vítimas" e que a morte de agentes, como a do policial federal Lucas Caribé, "dói na alma".

"Lamentamos que o uso da força tenha levado a dezenas de vítimas. Não queremos isso, somos contra isso. É uma circunstância concreta que lá está e demanda esforço sério de diálogo, revisão de métodos para chegar naquilo que é adequado", afirmou.

Novamente, como fez durante o lançamento do programa, quando disse que "intervenção federal não é varinha de condão", Dino se disse contra o uso dessa medida.

"Não é nossa prática. Porque deu errado. Quem quiser consultar a história, veja quantas GLOs (Garantia da Lei e da Ordem) foram feitas, quantas intervenções foram feitas. Que resultaram em trabalho para a PF. Não vamos cometer erros do passado", complementou.

Possível indicação ao Supremo

Na coletiva, Dino falou em "postura de absoluto silêncio" em relação à possível indicação ao STF por Lula e de respeito à decisão do presidente. "É coerente com o que está na minha cabeça. Tema que não trato e não penso é sair daqui. Tempo dele [de Lula], escolha dele, critério dele", comentou.

O secretário-executivo do ministério, Ricardo Cappelli, número 2 de Dino na pasta, aproveitou o papo com jornalistas para falar sobre duas polêmicas em torno dele: o bloqueio a quem o critica nas redes sociais e a declaração à CNN Brasil em que disse que "não se enfrenta o crime organizado com fuzil com rosas".

Cappelli afirmou que já desbloqueou dois jornalistas, mas criticou o que chamou de agressões e insinuações de que ele é racista, genocida e oportunista. "Convido a virem aqui sem problema algum", falou.

Sobre a fala à CNN, Dino se adiantou e esclareceu que a declaração vai ao encontro às ações adotadas pelo ministério, de prevenção, inteligência e combate ao crime.

Leia também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
noticias
flávio dino
ministério da justiça e segurança pública
stf
supremo tribunal federal
bahia
rio de janeiro
felipe moraes
governo

Últimas notícias

No dia de São João, governo reconhece quadrilhas como manifestação da cultura nacional

No dia de São João, governo reconhece quadrilhas como manifestação da cultura nacional

Dança típica foi considerada relevante para a identificação regional nas apresentações juninas
"Pausas táticas não aliviam situação humanitária em Gaza", diz OMS

"Pausas táticas não aliviam situação humanitária em Gaza", diz OMS

Combates paralelos e contínuo deslocamento forçado de civis dificultam a entrega de ajuda na região
Intenção de consumo das famílias cresce 0,5% em junho e mantém índice positivo

Intenção de consumo das famílias cresce 0,5% em junho e mantém índice positivo

Resultado foi influenciado pelo acesso ao crédito e pelo aquecimento do mercado de trabalho
Brasil ultrapassa marca de 6 milhões de casos de dengue em 2024

Brasil ultrapassa marca de 6 milhões de casos de dengue em 2024

SP e MG seguem liderando ranking de infecções; número de mortes confirmadas chega a 4 mil
Ataques contra igrejas e sinagogas deixam mais de 15 mortos na Rússia

Ataques contra igrejas e sinagogas deixam mais de 15 mortos na Rússia

Homens armados invadiram os locais na tarde de domingo (23); autoridades investigam o caso
Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 6

Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 6

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente; calendário também conta com Auxílio Gás
SBT News na TV: Professores das universidades federais decidem encerrar greve

SBT News na TV: Professores das universidades federais decidem encerrar greve

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta segunda-feira (24); assista!
Netanyahu diz que combate intenso contra o Hamas está perto do fim, mas que guerra continuará

Netanyahu diz que combate intenso contra o Hamas está perto do fim, mas que guerra continuará

Primeiro-ministro israelense concedeu entrevista a uma emissora do país pela primeira vez desde o início da guerra
Universidades federais: professores decidem encerrar greve

Universidades federais: professores decidem encerrar greve

Paralisação nacional começou em abril. Retorno às aulas depende de decisão interna de cada instituição
Professores de ensino básico e técnico de instituições federais aceitam acordo e anunciam fim da greve

Professores de ensino básico e técnico de instituições federais aceitam acordo e anunciam fim da greve

Propostas de reajuste para as duas categorias foram aprovadas por 89 votos a 15
Publicidade
Publicidade