Publicidade

Como a volta de Bolsonaro ao Centrão impacta as eleições de 2022

Projeto de reeleição do presidente visa ampliar bancada no Senado e eleger governadores aliados

Como a volta de Bolsonaro ao Centrão impacta as eleições de 2022
Jair Bolsonaro
Publicidade

A ida do presidente Jair Bolsonaro ao PL movimentou o xadrez de alianças políticas nos estados para 2022. Como um dos partidos mais influentes do Centrão, a sigla de Valdemar Costa Neto tem outra missão além de emplacar a reeleição do chefe do Executivo: eleger aliados bolsonaristas no Senado e reforçar apoio estadual com governadores. Para isto, levará consigo alguns ministros que já se colocam como candidatos e palanques certeiros para o ano que vem.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Especialistas ouvidos pelo SBT News avaliam que a falta de resultados concretos da gestão Bolsonaro nestes últimos três anos o motivou a buscar apoio de políticos que rejeitou no início do mandato. Com isso, a aproximação não se enquadra apenas ao PL, mas a partidos que já compõem a base no Congresso, como o PP e o Republicanos.  

Com a ida de Bolsonaro ao partido de Valdemar, devem seguir o mesmo caminho alguns ministros, como Onyx Lorenzoni (Trabalho), que concorrerá ao governo no Rio Grande do Sul, e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), que deve disputar o governo de São Paulo. Há, ainda, Gilson Machado (Turismo), que deve se lançar candidato ao Senado, e Marcelo Queiroga (Saúde), que pode concorrer ao governo paraibano. 

Outros aliados, como as ministras Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Tereza Cristina (Agricultura) miram corrida ao Senado, bem como o ex-ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles. 

Centrão no Congresso

Diferentemente de 2018, quando Bolsonaro foi eleito pelo PSL -- sigla que tinha apenas um deputado e cresceu para 52 --, agora o presidente está em uma legenda relevante, que participou de todos os antigos governos. É como avalia Thiago Vidal, gerente de análise político da Prospectiva Consultoria. Por isso, independentemente de uma eventual reeleição, a estratégia é ampliar bancadas e encher assembleias legislativas. 

"Entre as principais diferenças entre o Bolsonaro de 2018 e o atual estão a aliança com outros partidos e a questão financeira. Independentemente de acordos, a sigla é estruturada. O PSL não só era pequeno, como desorganizado."

Os mais otimistas da legenda já dizem que, na Câmara, a bancada chegará a 70 deputados. Atualmente, são 43. A expectativa é de que cerca de 25 parlamentares do PSL da ala ideológica migrem do partido na próxima janela partidária, em março, ou na oficialização do União Brasil, sigla criada a partir da fusão do DEM com o PSL. 

No Senado, são cinco parlamentares, entre eles, um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (RJ), que assinou filiação na mesma cerimônia de ingresso do pai. Segundo integrantes do PL, o principal objetivo de investir nas candidaturas ao Senado é trocar o perfil da Casa, torná-la tão governista quanto a Câmara está. 

"Se, por um lado, ele fez um esforço para abraçar a Câmara - e tem dado resultados com [o presidente da Casa, Arthur] Lira. No Senado, não tem sido bem sucedido. As principais agendas do governo estão empacadas lá e, quando avançam, é a contragosto. Ele [Bolsonaro] não tem uma base forte entre os parlamentares mais experientes", disse Vidal.

Negociações nos estados

Valdemar e Bolsonaro estão de olho, principalmente, nos três colégios eleitorais mais importantes do país: Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, que reúnem cerca de 40% do eleitorado. Mas o PL, por ser tradicionalmente uma sigla de Centro, já se aliou tanto à esquerda quanto à direita -- no resultado que fosse mais conveniente. Há, no entanto, a briga pelos apoios estaduais, que esbarram nas negociações por nomes ao Congresso Nacional e aos Executivos locais. 

É como explicou Geraldo Tadeu, cientista político e coordenador do Cebrade-Uerj (Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas sobre a Democracia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro): "Ampliar a bancada é de onde extrai tempo de televisão, fundo partidário, cláusula de barreira. Alianças que podem garantir esse trunfo, que é a bancada federal. Isso implica em apoiar um governador de esquerda no Nordeste e um de direita no Sul. É uma composição sempre que leva em conta a maior vantagem possível no seu quadro estadual". 

Durante seu discurso no evento de filiação, Bolsonaro acenou publicamente aos partidos do Centrão e disse que "nenhum partido será esquecido". "Queremos sim compor coligação para senador, para governador. (...) O que queremos é cada vez mais ter menos diferenças entre nós. Quem ganha com isso é o Brasil", disse o presidente na ocasião.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
jair bolsonaro
pl
governo
eleições
eleições 2022
centrão
gabriela-vinhal

Últimas notícias

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 75 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 41 cada
De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

Cantor foi detido por dirigir embriagado. Mas a prisão foi somente mais um episódio controverso na carreira do astro
Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Cinco cidades baianas estão à frente. Taxas superaram 50 homicídios por 100 mil habitantes em 2022, segundo Atlas da Violência
Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Atualmente no cargo, Marinho se afasta do cargo por 120 dias para se dedicar às eleições municipais
Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Presidente do Senado se posicionou acerca do polêmico tema diante de parte da bancada feminina da Casa
Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Agentes realizavam operação contra estabelecimentos comerciais que receptavam e revendiam roupas de grifes roubadas
Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Por se tratar de um convite, o jogador pode recusar a participação
Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Nove equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas e conseguiram conter o fogo no local
Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

No ranking com 56 países, o Brasil aparece na 44ª colocação, empatado com Peru, Panamá e Arábia Saudita
Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Segundo a polícia, integrante de um grupo criminoso que gerenciava um laboratório de drogas em Castelo Branco foi localizado por equipes do Depom
Publicidade
Publicidade