Publicidade

Como a volta de Bolsonaro ao Centrão impacta as eleições de 2022

Projeto de reeleição do presidente visa ampliar bancada no Senado e eleger governadores aliados

Como a volta de Bolsonaro ao Centrão impacta as eleições de 2022
Jair Bolsonaro
Publicidade

A ida do presidente Jair Bolsonaro ao PL movimentou o xadrez de alianças políticas nos estados para 2022. Como um dos partidos mais influentes do Centrão, a sigla de Valdemar Costa Neto tem outra missão além de emplacar a reeleição do chefe do Executivo: eleger aliados bolsonaristas no Senado e reforçar apoio estadual com governadores. Para isto, levará consigo alguns ministros que já se colocam como candidatos e palanques certeiros para o ano que vem.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Especialistas ouvidos pelo SBT News avaliam que a falta de resultados concretos da gestão Bolsonaro nestes últimos três anos o motivou a buscar apoio de políticos que rejeitou no início do mandato. Com isso, a aproximação não se enquadra apenas ao PL, mas a partidos que já compõem a base no Congresso, como o PP e o Republicanos.  

Com a ida de Bolsonaro ao partido de Valdemar, devem seguir o mesmo caminho alguns ministros, como Onyx Lorenzoni (Trabalho), que concorrerá ao governo no Rio Grande do Sul, e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), que deve disputar o governo de São Paulo. Há, ainda, Gilson Machado (Turismo), que deve se lançar candidato ao Senado, e Marcelo Queiroga (Saúde), que pode concorrer ao governo paraibano. 

Outros aliados, como as ministras Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Tereza Cristina (Agricultura) miram corrida ao Senado, bem como o ex-ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles. 

Centrão no Congresso

Diferentemente de 2018, quando Bolsonaro foi eleito pelo PSL -- sigla que tinha apenas um deputado e cresceu para 52 --, agora o presidente está em uma legenda relevante, que participou de todos os antigos governos. É como avalia Thiago Vidal, gerente de análise político da Prospectiva Consultoria. Por isso, independentemente de uma eventual reeleição, a estratégia é ampliar bancadas e encher assembleias legislativas. 

"Entre as principais diferenças entre o Bolsonaro de 2018 e o atual estão a aliança com outros partidos e a questão financeira. Independentemente de acordos, a sigla é estruturada. O PSL não só era pequeno, como desorganizado."

Os mais otimistas da legenda já dizem que, na Câmara, a bancada chegará a 70 deputados. Atualmente, são 43. A expectativa é de que cerca de 25 parlamentares do PSL da ala ideológica migrem do partido na próxima janela partidária, em março, ou na oficialização do União Brasil, sigla criada a partir da fusão do DEM com o PSL. 

No Senado, são cinco parlamentares, entre eles, um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (RJ), que assinou filiação na mesma cerimônia de ingresso do pai. Segundo integrantes do PL, o principal objetivo de investir nas candidaturas ao Senado é trocar o perfil da Casa, torná-la tão governista quanto a Câmara está. 

"Se, por um lado, ele fez um esforço para abraçar a Câmara - e tem dado resultados com [o presidente da Casa, Arthur] Lira. No Senado, não tem sido bem sucedido. As principais agendas do governo estão empacadas lá e, quando avançam, é a contragosto. Ele [Bolsonaro] não tem uma base forte entre os parlamentares mais experientes", disse Vidal.

Negociações nos estados

Valdemar e Bolsonaro estão de olho, principalmente, nos três colégios eleitorais mais importantes do país: Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, que reúnem cerca de 40% do eleitorado. Mas o PL, por ser tradicionalmente uma sigla de Centro, já se aliou tanto à esquerda quanto à direita -- no resultado que fosse mais conveniente. Há, no entanto, a briga pelos apoios estaduais, que esbarram nas negociações por nomes ao Congresso Nacional e aos Executivos locais. 

É como explicou Geraldo Tadeu, cientista político e coordenador do Cebrade-Uerj (Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas sobre a Democracia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro): "Ampliar a bancada é de onde extrai tempo de televisão, fundo partidário, cláusula de barreira. Alianças que podem garantir esse trunfo, que é a bancada federal. Isso implica em apoiar um governador de esquerda no Nordeste e um de direita no Sul. É uma composição sempre que leva em conta a maior vantagem possível no seu quadro estadual". 

Durante seu discurso no evento de filiação, Bolsonaro acenou publicamente aos partidos do Centrão e disse que "nenhum partido será esquecido". "Queremos sim compor coligação para senador, para governador. (...) O que queremos é cada vez mais ter menos diferenças entre nós. Quem ganha com isso é o Brasil", disse o presidente na ocasião.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
jair bolsonaro
pl
governo
eleições
eleições 2022
centrão
gabriela-vinhal

Últimas notícias

Ciro Nogueira critica Lula pelo que classifica como “alienação”

Ciro Nogueira critica Lula pelo que classifica como “alienação”

Para senador e ex-ministro da Casa Civil de Bolsonaro, o presidente, por não ser uma pessoa conectada, é "completamente blindada de tudo"
"Dessa vez vou até o fim”, diz Datena sobre pré-candidatura à Prefeitura de SP

"Dessa vez vou até o fim”, diz Datena sobre pré-candidatura à Prefeitura de SP

Apresentador, lançado como pré-candidato a prefeito da capital paulista pelo PSDB nesta quinta-feira (13), já desistiu de quatro campanhas
Lula critica riqueza de bilionários e programas espaciais privados: 'não precisamos ir para Marte'

Lula critica riqueza de bilionários e programas espaciais privados: 'não precisamos ir para Marte'

Na Suíça, presidente diz ainda que "mão invisível" do mercado agrava desigualdades sociais no mundo
Faixa de Gaza: mais de oito mil crianças estão em situação de desnutrição aguda

Faixa de Gaza: mais de oito mil crianças estão em situação de desnutrição aguda

Das 32 mortes pela doença no território, 28 eram crianças menores de cinco anos
Senadores sugerem medidas para compensar desoneração da folha e Jaques Wagner vai levar à Fazenda

Senadores sugerem medidas para compensar desoneração da folha e Jaques Wagner vai levar à Fazenda

Congresso e governo tentam encontrar solução para compensar medida, após devolução de parte da "MP do Fim do Mundo"
"Estou anestesiada. Nos vimos ontem", lamenta ex-esposa do cantor Nahim

"Estou anestesiada. Nos vimos ontem", lamenta ex-esposa do cantor Nahim

Sucesso nos anos 80, artista foi encontrado morto em sua casa na manhã desta quinta-feira (13)
Ciro Nogueira atribui derrota de Bolsonaro nas eleições de 2022 também a aliados

Ciro Nogueira atribui derrota de Bolsonaro nas eleições de 2022 também a aliados

Sem citar Roberto Jefferson e Carla Zambelli, ex-ministro da Casa Civil diz que casos midiáticos a uma semana do pleito prejudicaram ex-presidente
Albinismo nem sempre afeta a cor da pele; entenda o que é condição rara

Albinismo nem sempre afeta a cor da pele; entenda o que é condição rara

Exposição ao sol pode causar queimaduras no corpo e, em alguns casos, apenas a região dos olhos é atingida
Suspeito de matar jovem e ocultar cadáver em casa é preso no Rio

Suspeito de matar jovem e ocultar cadáver em casa é preso no Rio

"Amigo" da vítima estava foragido; Já Caio da Silva Rendão, de 21 anos, estava desaparecido desde o dia 9 de fevereiro
Nahim gravou "Qual é a Música", do "Programa Silvio Santos, com Patrícia Abravanel"; exibição será em breve

Nahim gravou "Qual é a Música", do "Programa Silvio Santos, com Patrícia Abravanel"; exibição será em breve

Cantor esteve nos estúdios do SBT em São Paulo no começo deste mês, onde gravou o famoso quadro musical
Publicidade
Publicidade