Publicidade

Crie comitês específicos para acelerar a solução de problemas empresariais

Por vezes chamado de "restruturação" se caracteriza por intervenções na gestão da empresa

Crie comitês específicos para acelerar a solução de problemas empresariais
reestruturacao de empresas
Publicidade

Durante a restruturação, executivos devem lidar com dois papéis distintos, ao mesmo tempo: serem responsáveis por áreas funcionais (rotinas) e serem agentes de mudança (intervenção). Esses papéis podem ser conflituosos, objetivando resultados distintos e requerendo diferentes competências, habilidades e atitudes. Além disso, essas situações mudam significativamente a relação dos executivos com o resto do time, sejam sócios, conselho de administração, diretoria, funcionários.

+ Conheça os colunistas do SBT News
+ Leia as últimas colunas de Estevão Seccatto
+ Leia as últimas notícias de Economia
+ Leia as últimas notícias no portal SBT News 

Um exemplo desse conflito ocorre na área de compras, em que o profissional deve lidar com pressões por geração de caixa através da redução de estoque e, ao mesmo tempo, manter o nível de estoque razoável para reduzir riscos de ruptura da operação. Esses dois papéis tão distintos e simultâneos não podem conviver sob os mesmos sistemas de direção, e necessitam de governanças distintas.

Um modelo de governança útil pode envolver algumas pessoas manter o processo decisório ágil. A comunicação eficaz e a liderança são fundamentais para o engajamento adequado desse time. Esse modelo deve ser adaptado ao tamanho e complexidade de cada tipo de empresa.

A instância mais alta da governança na gestão da mudança é o Comitê de Restruturação, cujas principais responsabilidades são definir resultados esperados, garantir alinhamento das tarefas com os objetivos da organização, aprovar e acompanhar o plano de restruturação, definir as alçadas de aprovação dos gestores e equipes, administrar riscos, planejar e executar a comunicação com os principais terceiros, garantir a disponibilidade de recursos necessários e garantir as condições internas favoráveis para a execução do processo.

Comitê deve se reunir semanalmente até o projeto alcançar uma 'velocidade de cruzeiro' | Unsplash

Esse comitê deve ser formado pelos sócios, o principal executivo da empresa, alguns diretores-chave e preferencialmente um especialista em restruturação. Inicialmente o comitê deve se reunir semanalmente e, à medida em que o projeto atingir "velocidade de cruzeiro", as reuniões podem passar a ser quinzenais.

Reportando a este Comitê, existe o Gestor da Restruturação, responsável pela condução do processo e pela entrega dos resultados definidos pelo Comitê. Ele deve elaborar o plano da restruturação, estabelecendo ações, datas e responsáveis, identificar os riscos, propor e acompanhar ações de mitigação, conduzir e motivar equipes, estabelecendo e monitorando metas, comunicar aos stakeholders informações pertinentes e conduzir as reuniões com o Comitê.

Ele deve ter independência da estrutura e rotinas diárias da empresa e ter liberdade de desafiar todas as informações e planos recebidos das equipes de trabalho. O ideal é que ele não pertença à organização local.

Auxiliando o Gestor da Restruturação, no planejamento e controle financeiro, está o Controller da Restruturação, que deve ter visão completa do processo, o plano da restruturação em suas projeções. Precisa também garantir a qualidade das informações para fazer o acompanhamento real x previsto.

O planejamento deve focar no caixa em primeiro lugar, e o balanço e demonstrativo contábil em segundo, deve permitir simulações ágeis de cenários e análise dos impactos dos riscos identificados.

O Controller deve também validar o resultado esperado de cada ação apresentada para geração de caixa. Ele deve ter perfil analítico e bom conhecimento de negócios, estratégias e de planejamento financeiro. Por óbvio, em empresas menores, as diversas funções podem e devem se acumular em menos profissionais.

Cada comitê deve eleger um líder que fará os relatórios e manterá atualizado o plano de ações e resultados da sua equipe | Unsplash

Reportando ao Gestor temos os comitês. Cada comitê deve eleger um líder que fará os relatórios e manterá atualizado o plano de ações e resultados da sua equipe. 
 

Comitê de caixa: formado pelo tesoureiro e representantes de outras funções (compras, vendas, operações). Essa equipe deve estabelecer rapidamente controles de caixa, disseminar a urgência de reverter fluxos de caixa negativos, recomendar estratégias de negociação com fornecedores, clientes e outros terceiros, identificar oportunidades de geração e melhorias de caixa.

Os resultados típicos desta equipe envolvem reduções de capital de giro, venda de ativos e renegociações com fornecedores e clientes. Aqui é que se decide as priorizações de pagamentos.

Comitê de negociação com credores: formado pelo tesoureiro, controller e um executivo financeiro sênior. Esta equipe objetiva a renegociação das dívidas. Os integrantes devem ter conhecimento do mercado financeiro e habilidades de negociação.

Comitê de produtos: objetiva identificar oportunidades de melhoria de margens através da análise de portfólio de produtos, preços de venda, custos de produção e logística, por produto e cliente. Deve estar focado principalmente nos produtos e clientes que operam com margem negativa ou pequena, mas sem deixar de considerar também oportunidades de melhoria em todo o portfólio. Resultados típicos são a recuperação de preços, ações de redução de custos de produção e logística e eliminação de produtos do portfólio. Esta equipe deve ser formada por representantes das áreas comerciais, operações e logística.

Comitê de redução de gastos: responsável por identificar e implementar oportunidades de redução de gastos fixos industriais, administrativos e comerciais. Os cortes de custos impostos pelo Comitê de Restruturação podem colocar a operação em risco. A melhor estratégia é transmitir o propósito do processo, incentivar os resultados positivos e eventualmente contratar consultores especializados nessa atividade.

Comitê de sistemas, processos e controles internos: essa equipe deve melhorar a qualidade das informações para a tomada de decisões, e aumentar a eficiência dos processos internos. Em quase todos os casos de restruturação a inadequação desses pontos contribuíram para a piora da situação. 

Comitê de pessoas: lida com o tema mais sensível da restruturação, e deve ser formada pelos líderes da organização, com objetivo de identificar oportunidades de redução de quadro/salários/benefícios, buscando estrutura mais eficiente, identificar funcionários-chave para o sucesso da identificar e criação de plano de retenção, auxílio à gestão dos focos de resistência ao processo de mudança e incorporação das competências necessárias para a sustentabilidade da empresa pós-restruturação.


As alçadas de aprovação dos Comitês devem dar autonomia para agilizar o processo decisório, porém sem representar risco para os resultados. Uma governança adequada à complexidade e tamanho da organização e com bom funcionamento traz estabilidade, foco e engajamento, sendo fundamental para o sucesso da superação da crise. É importante considerar o caráter específico e temporário dessa governança, que só existirá durante a restruturação.
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
estevao-seccatto
economia
administracao
reestruturacao
comites
projeto
planos
empresas
organizar
coluinistas
colunista
noticias
lideranca
colunista-estevao-seccatto
controller

Últimas notícias

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 75 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 41 cada
De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

Cantor foi detido por dirigir embriagado. Mas a prisão foi somente mais um episódio controverso na carreira do astro
Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Cinco cidades baianas estão à frente. Taxas superaram 50 homicídios por 100 mil habitantes em 2022, segundo Atlas da Violência
Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Atualmente no cargo, Marinho se afasta do cargo por 120 dias para se dedicar às eleições municipais
Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Presidente do Senado se posicionou acerca do polêmico tema diante de parte da bancada feminina da Casa
Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Agentes realizavam operação contra estabelecimentos comerciais que receptavam e revendiam roupas de grifes roubadas
Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Por se tratar de um convite, o jogador pode recusar a participação
Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Nove equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas e conseguiram conter o fogo no local
Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

No ranking com 56 países, o Brasil aparece na 44ª colocação, empatado com Peru, Panamá e Arábia Saudita
Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Quase 500 criminosos são presos em operação na Bahia

Segundo a polícia, integrante de um grupo criminoso que gerenciava um laboratório de drogas em Castelo Branco foi localizado por equipes do Depom
Publicidade
Publicidade