Publicidade

Réveillon e Carnaval: quais os possíveis impactos das festas na pandemia

Processo de vacinação e o desenvolvimento de novas variantes estão entre as principais preocupações

Réveillon e Carnaval: quais os possíveis impactos das festas na pandemia
Festejos geram grandes aglomerações, o que facilita a disseminação do vírus | Cordeiro/SPTuris
Publicidade

A realização das festas de fim de ano e do Carnaval vem sendo pauta diária entre os governantes do país devido à pandemia do novo coronavírus. Apesar do bom andamento da vacinação em grande parte dos estados e do baixo número de hospitalizações, a rápida flexibilização das medidas de segurança e o surgimento de novas variantes da doença podem influenciar na disseminação do vírus, levando a uma regressão na contenção dos casos.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Segundo a infectologista Keilla Freitas, o maior risco da realização dos festejos é o trânsito de pessoas que não cumprem adequadamente as regras impostas pelas autoridades, como uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social, o que pode aumentar exponencialmente a circulação da doença. "É importante lembrar que a pandemia ainda não acabou, ou seja, o vírus ainda circula entre nós", ressalta Keilla. "Enquanto isso acontecer, há risco do aparecimento de novas variantes que podem ser mais transmissíveis, graves ou mesmo resistente a vacinas, o que colocaria o processo de vacinação em risco, já que teríamos que considerar como 'não imunizados' os que já se vacinaram."

Para evitar que isso aconteça, muitos municípios já anunciaram a suspensão das festas de fim de ano pelo segundo ano consecutivo (confira lista abaixo). No sábado (4.dez), o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), informou o cancelamento do Réveillon mais famoso do Brasil, na praia de Copacabana. Além disso, muitos governantes estão restabelecendo medidas já flexibilizadas, como o uso de máscara em locais abertos, e intensificando outras normas, como a exigência do comprovante de vacinação em ambientes fechados. O próprio Rio de Janeiro, por exemplo, expandiu a obrigatoriedade do documento no último dia 2, passando a englobar shoppings, salões de beleza e táxis. 

+ Variante Ômicron é bastante contagiosa, diz cientista-chefe da OMS

"Sabemos que o isolamento social traz um efeito econômico e psicológico, mas os governantes precisam tomar muito cuidado com o recado que se passa à população com estas medidas", reforça Keilla. "A flexibilização precisa ser feita de forma lenta e gradual, com conscientização quanto às medidas de segurança e o bom senso. Não importa o quanto estejamos cansados. Não importa se o próximo ano será ano de eleições ou não. Um passo em falso agora pode significar uma queda muito dura em um futuro próximo", completa. A infectologista explica ainda que sempre quando uma pessoa é infectada pelo SARS-Cov-2, mesmo que fique assintomática, o vírus se replica bilhões de vezes, fazendo cópias de si mesmo. Cada vez que isso acontece, existe a chance de ocorrer um "erro de impressão", que são as mutações.

"Essas mutações podem gerar características como ter maior capacidade de transmissão que seus antecessores, ser potencialmente mais grave ou mesmo ser resistente a vacinas. O detalhe é que uma característica dessas não exclui as outras. Então, eventualmente, uma variante pode ter todas elas. Assim, quanto maior o número de casos novos da doença, maior a velocidade do aparecimento de novas variantes. Por isso qualquer situação que impacte no número de pessoas circulando e se aglomerando, maior o risco de transmissão, novos casos e novas variantes", esclarece.

+ Laboratório desenvolve kits de testes de pesquisa para variante ômicron

O alerta não vale apenas para as festas de Natal e Ano Novo, também é importante ficar atento e não se descuidar durante as compras em supermercados e lojas, uma vez que as atividades do comércio tendem a aumentar durante essa época do ano. O mesmo se aplica às viagens, que se intensificam com a chegada das comemorações e o período de férias. Para Keilla, o comprovante vacinal e o uso de máscara são essenciais para conter a disseminação do vírus e o número de casos da covid-19. "Devemos também realizar testagem em massa para pegar casos assintomáticos e monitorar contatos, além de fazer vigilância de sequenciamento genético para estarmos atentos à circulação de novas cepas. As máscaras devem ser a última medida de segurança a abolirmos", frisa.

Já em relação ao Carnaval, algumas capitais famosas pelo festejo já informaram o cancelamento do evento para evitar aglomerações. Cidades como Salvador e Florianópolis, por exemplo, preferiram suspender as atividades devido à quarta onda de contágios da doença, enquanto outros municípios como São Paulo, Fortaleza, Manaus e Recife ainda esperam a posição das autoridades de saúde sobre a situação epidemiológica em cada região. "O Carnaval possui intensidade, tempo de exposição e tamanho de circulação de pessoas muito maior que qualquer outra festividade. O problema aqui é a escala e tamanho do risco, por isso, na minha opinião, ainda não está na hora de termos o Carnaval em 2022", afirma Keilla.

+ Fiocruz sinaliza aumento de casos de crise respiratória em 13 Estados

Além disso, as atividades carnavalescas atraem muito turistas estrangeiros, o que, segundo a infectologista, pode prejudicar na contenção da pandemia, já que a taxa de vacinação contra a covid-19 no mundo é bastante desigual. "A chegada de uma grande quantidade de pessoas de todas as partes do mundo no Brasil sem a exigência do comprovante de vacinação pode transformar o nosso país no destino paradisíaco dos negacionistas", ressalta. Para Keilla, quanto maior a taxa de vacinação da população, menor as chances de regressão no combate ao vírus.

Capitais com o réveillon cancelado:

  • Aracajú
  • Belém
  • Belo Horizonte
  • Brasília
  • Campo Grande
  • Cuiabá
  • Fortaleza
  • João Pessoa
  • Natal
  • Palmas
  • Porto Alegre
  • Rio de Janeiro
  • Salvador
  • São Luís
  • São Paulo
  • Vitória

Capitais com o réveillon parcial (queima de fogos, mas sem shows):

  • Florianópolis
  • Recife
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
coronavirus
carnaval
ano novo
réveillon
festas
pandemia
covid-19
ômicron

Últimas notícias

FAB transporta três recém-nascidos e dois adultos em UTI Aérea no RS

FAB transporta três recém-nascidos e dois adultos em UTI Aérea no RS

Segundo a Força Aérea Brasileira, foi a maior operação de Evacuação Aeromédica que realizou até o momento em apoio à população atingida pelas enchentes
Tony Ramos e Roque: o que causa e como prevenir sangramento intracraniano?

Tony Ramos e Roque: o que causa e como prevenir sangramento intracraniano?

Doenças pré-existentes como hipertensão e dor de cabeça intensa podem estar associadas ao problema; entenda
Festival de Cinema de Gramado mantém datas em meio às chuvas

Festival de Cinema de Gramado mantém datas em meio às chuvas

Evento está marcado para agosto. Clima no RS é fator de imprevisibilidade
Lula diz que recuperação do RS é possibilidade de fazer economia do Brasil "crescer ainda mais"

Lula diz que recuperação do RS é possibilidade de fazer economia do Brasil "crescer ainda mais"

Presidente também citou a possibilidade de criar um fundo internacional das "pessoas que poluem" para reconstruir o Rio Grande do Sul
Detentos fabricam camas de madeira para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Detentos fabricam camas de madeira para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Os presos também confeccionam rodos e casinhas para abrigar cachorros resgatados
Calendário do Enem no RS será diferente dos outros estados; entenda

Calendário do Enem no RS será diferente dos outros estados; entenda

Novas datas ainda não foram divulgadas pelo Ministério da Educação
Exército reduz número de armas que podem ser compradas por policiais e bombeiros

Exército reduz número de armas que podem ser compradas por policiais e bombeiros

Regra anterior, que permitia a compra de até seis armas, foi suspensa por Ricardo Lewandowski
"Tatuzão" abre cratera em condomínio durante obras da Linha-6 Laranja do Metrô de SP

"Tatuzão" abre cratera em condomínio durante obras da Linha-6 Laranja do Metrô de SP

Em fevereiro de 2022, um acidente durante a construção da mesma estação deixou a Marginal Tietê interditada após a abertura de um buraco
Batagaika: "porta para o submundo" cresce 1 milhão de metros cúbicos por ano

Batagaika: "porta para o submundo" cresce 1 milhão de metros cúbicos por ano

Imagens de satélite descobriram o local em 1991, na República de Sakha, centro oriente da Rússia
Ministério da Saúde envia kits emergenciais para atender 195 mil pessoas no RS

Ministério da Saúde envia kits emergenciais para atender 195 mil pessoas no RS

Cada kit tem 32 tipos de medicamentos e 16 tipos de insumos, como luvas, seringas e ataduras
Publicidade
Publicidade