Publicidade

Descriminalização das drogas deve ser próximo embate entre Senado e Supremo

Votação de texto está prevista para avançar em 2023, na esteira de PEC que limita decisões do judiciário

Descriminalização das drogas deve ser próximo embate entre Senado e Supremo
Publicidade

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) contra a descriminalização das drogas se coloca como o próximo embate entre o Senado e o Supremo Tribunal Federal (STF). Com avanço de discussões previsto ainda para 2023, o texto vai contra o sinalizado por ministros nas primeiras votações da Corte. A expectativa é que a PEC vá para a Constituição de Constituição e Justiça (CCJ) até o mês de dezembro.

De acordo com o relator, senador Efraim Filho (União-PB), o movimento é para que o texto seja discutido antes do recesso parlamentar, colocando algum avanço até o fim do ano. A PEC propõe que a posse de substâncias, inclusive maconha, deve ser crime. O texto foi apresentado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o que dá mais peso à proposta. O relatório final - adaptado por Efraim - deve ser divulgado nos próximos dias. Ele também aposta em um apoio de 70% na comissão.

O mesmo debate está no STF há 13 anos, com julgamento retomado no início do segundo semestre. Até o momento, cinco dos ministros se colocaram a favor da descriminalização. Cristiano Zanin foi o único contrário, com ressalvas ao texto. O tema foi adiado por um pedido de análise por mais tempo, do ministro André Mendonça. Ainda não há expectativa de que o tema volte ao plenário da Corte em 2023.

A discussão da descriminalização virá na esteira de um desgaste pela aprovação no Senado da PEC que limita poderes do Supremo. A proposta revoga decisões individuais (monocráticas) em casos ligados a decisões do presidente da República ou dos presidentes da Câmara, do Senado e do Congresso. Também estabelece prazos para pedidos ligados à defesa de constitucionalidade e define novas regras para pedidos de vista - mais tempo de análise.

A PEC provocou reação pública de ministros. Com classificação de "retrocesso", o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, criticou possível interferência política e associou mudanças aos atos de 8 de janeiro. "O tribunal sofreu ataques verbais e a criminosa invasão física que vandalizou as instalações da Corte. Após esses ataques verbais e físicos, o tribunal vê com preocupação avanços legislativos sobre a sua atuação", afirmou. 

O decano Gilmar Mendes - ministro mais antigo na atual composição da Corte, por sua vez, classificou que a medida ameaça o Judiciário: "Não possui qualquer justificativa plausível".

Em resposta, o presidente do Senado elevou o tom e declarou que a reação do Supremo foi "desproporcional". Pacheco também disse que não permitir "agressões gratuitas" de ministros, e defendeu que o poder de magistrados não são maiores que o do Congresso.

"Não admito que se queira politizar e gerar um problema institucional em torno de um tema que foi debatido com a maior clareza possível, que não constitui nenhum tipo de enfrentamento, nenhum tipo de retaliação e nós jamais nos permitiríamos fazer isso, porque é algo puramente técnico de aprimoramento da Justiça do nosso país, que vai ao encontro de um princípio constitucional que deveria ser aplicado no Brasil", argumentou.

Entre outros temas que apresentam divergência entre a Corte e o Congresso está o marco temporal das terras indígenas. O Congresso aprovou projeto que atrela a demarcação de terras à promulgação da Constituição após o STF decidir que a tese é inconstitucional. A decisão de deputados e senadores foi suspensa por Lula, mas o veto do presidente será analisado em sessão na 3ª feira (28.nov). Parlamentares ainda questionam decisão da ex-presidente da Corte, ministra Rosa Weber, em se mostrar contrária à criminalização do aborto.

Congresso x Governo

O Congresso também reagiu ao veto do presidente Lula ao projeto que propunha prorrogar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia. Parlamentares iniciaram movimentos para derrubar a decisão. E Rodrigo Pacheco anunciou que vai pautar o tema ainda em 2023. Em paralelo, o governo também negocia com Congresso temas ligados à pauta econômica, como vetos às novas regras fiscais (arcabouço), as diretrizes para o Orçamento do próximo ano e questões ligadas à área ambiental, como a regulação do mercado de carbono.

+ Em meio a tumulto de pautas, parlamentares mantêm intenção de votar mercado de carbono na Câmara

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
congresso
congresso 2023
poderes
desgaste entre poderes
stf
supremo tribunal federal
pec

Últimas notícias

Pai de jovem morto com fuzil diz que não foi dada ordem de parada

Pai de jovem morto com fuzil diz que não foi dada ordem de parada

Ainda segundo o parente, amigo que estava em moto não fugiu e foi procurar ajuda; testemunha relata que PMs foram agressivos
Morre integrante da Força Aérea americana que ateou fogo ao próprio corpo

Morre integrante da Força Aérea americana que ateou fogo ao próprio corpo

Ato foi realizado em crítica à ofensiva israelense na Faixa de Gaza, iniciada em outubro de 2023, dizem autoridades
Galaxy Ring deve ser lançado no fim do ano, diz Samsung

Galaxy Ring deve ser lançado no fim do ano, diz Samsung

Dispositivo vestível consegue analisar dados de saúde, como sono, frequência cardíaca e precisa funcionar integrado ao smartphone Galaxy S24
RJ: Acidente com ônibus deixa 25 feridos na Baixada Fluminense

RJ: Acidente com ônibus deixa 25 feridos na Baixada Fluminense

Bombeiros afirmam que cinco pessoas estão em estado grave; Vítimas foram levadas para unidades municipais em Itaguaí
Crise Americanas: Empresa tem prejuízo de R$ 4,6 bi em nove meses de 2023

Crise Americanas: Empresa tem prejuízo de R$ 4,6 bi em nove meses de 2023

Apesar dos resultados negativos, companhia disse que superou o momento mais difícil desde que entrou em recuperação judicial. Relembre o caso
Policiais são investigados por tráfico de armas em Salvador

Policiais são investigados por tráfico de armas em Salvador

Eles apreenderam quatro fuzis que estavam de posse de criminosos, mas não apresentaram os armamentos em unidade da Polícia Civil
Helicóptero faz resgate cinematográfico no Rio; veja

Helicóptero faz resgate cinematográfico no Rio; veja

Mulher havia quebrado a perna na Pedra do Telégrafo; local é de difícil acesso
Cantor sertanejo é assassinado a tiros após ter casa invadida no interior de São Paulo

Cantor sertanejo é assassinado a tiros após ter casa invadida no interior de São Paulo

Polícia Civil investiga homicídio do integrante da dupla 'Wesley e Gustavo'; suspeito foi capturado em Minas Gerais
Musk quer concorrer com serviço de email Gmail e sugere Xmail

Musk quer concorrer com serviço de email Gmail e sugere Xmail

Anuncio aconteceu em meio a uma onda de desinformação contra o serviço de mensagens do Google
Pai acusa creche de omissão após bebê voltar para casa com marcas de mordida no Rio

Pai acusa creche de omissão após bebê voltar para casa com marcas de mordida no Rio

Ele afirma que a menina foi mordida e machucada por pelo menos dois colegas e monitora não prestou socorro
Publicidade
Publicidade