Publicidade

Violência contra mulher: o que mudou com a Lei Maria da Penha?

Agressor pode ser preso e medida protetiva passou a existir. Veja outras modificações na legislação

Violência contra mulher: o que mudou com a Lei Maria da Penha?
O que é Maria da Penha?
Publicidade

Com quase 20 anos de existência, a Lei Maria da Penha, sancionada em 7 de agosto de 2006 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, criou mecanismos para prevenir e coibir a violência contra a mulher, que pode ser física, psicológica, patrimonial ou sexual.

No entanto, a maioria das brasileiras não conhece bem a legislação. Uma pesquisa divulgada nesta semana aponta que só uma em cada cinco mulheres se sente bem informada em relação à legislação.

A coordenadora de Parcerias do Instituto Avon, Beatriz Accioly, disse à Agência Brasil, que a Lei Maria da Penha é conhecida pela população brasileira "quase de ouvir falar. Não dá segurança de saber exatamente o que a lei garante em termos de direitos e o que ela muda de fato”, disse.

+ Caso Naiara Azevedo: o que é e como se proteger de violência patrimonial

O que mudou depois da lei Maria da Penha?

A lei 11.340 trouxe novas garantias e direitos para as mulheres. Algumas delas tão fundamentais que chega a ser difícil imaginar que não existiam. Antes da criação da lei, por exemplo, não havia instrumento jurídico como medida protetiva, em que o juiz pode obrigar o suspeito de agressão a se afastar da vítima.

Veja outras mudanças:

Agressor pode ser preso

Antes da Maria da Penha, não havia uma legislação específica capaz de prender o agressor em casos de violência doméstica. Hoje, o crime tem pena que varia de três meses a dois anos de prisão. Antes, o agressor podia ser punido com multas e doação de cestas básicas, o que foi proibido em casos de violência doméstica. Além disso, o juiz pode determinar que o agressor compareça a programas de recuperação e reeducação e violência doméstica passou a ser agravante de pena.

Vítimas passaram a ser incluídas em programas assistenciais

Caso as vítimas dependam financeiramente de seus agressores, o juiz pode determinar a inclusão delas em programas assistenciais do governo (Bolsa Família, por exemplo), além de obrigar o agressor à prestação de alimentos da vítima, mesmo que ele tiver de manter afastamento da vítima devido a medida protetiva.

Desistência de denúncia apenas perante o juiz

Antes da legislação, as mulheres podiam "voltar atrás" da denúncia em audiência com o delegado. Agora, a desistência só pode ser feita perante um juiz.

Arma do agressor apreendida imediatamente

Um forma de medida protetiva, aprovada em 2019 pelo Senado Federal, determinou a apreensão imediata da arma em posse do agressor. Além disso, as autoridades policiais devem comunicar se o agressor tem registro de porte ou posse de arma de fogo.

Pedido de divórcio mais rápido e com prioridade

Também desde 2019 as Varas de Violência Doméstica podem determinar divórcio de forma liminar e dissolução de união estável, além da separação de corpos e do afastamento cautelar do agressor do lar. E tudo isso com prioridade. Inclusive, após a lei, foram criados novos juizados especializados em violência doméstica e familiar que, além julgar casos de violência doméstica, cuidam também de questões cíveis como divórcio, pensão alimentícia e guarda dos filhos.

+ Ana Hickmann: lei Maria da Penha garante divórcio com prioridade

Acesso a programa de prevenção a ISTs

A mulher vítima de violência doméstica tem direito a serviços de contracepção de emergência, além de prevenção de infecções sexualmente transmissíveis.

"Legítima defesa de honra"

Apesar de não estar enquadrada na Lei Maria da Penha, em 2023, o Supremo Tribunal Federal (STF) tornou inconstitucional o uso da “legítima defesa da honra” como argumento atenuante em casos de feminicídio. Ou seja, a defesa do acusado não poderá mais usar o argumento de que a mulher "causou" o comportamento do homicida. A tese já foi utilizada em casos como os de Doca Street, empresário que matou a socialite Ângela Diniz, na Praia dos Ossos, em Búzios, no final do ano de 1976, um casos mais emblemáticos de feminicídio do país.

Por que a lei se chama Maria da Penha?

A lei foi idealizada como uma homenagem à farmacêutica e bioquímica cearense Maria da Penha Maia, que ficou paraplégica após ser atingida por um disparo efetuado por seu marido, em 1983. Ela sofreu diversas tentativas de homicídio pelo mesmo homem, o colombiano naturalizado brasileiro Marco Antonio Heredia Viveros

Marco Antonio foi preso mais de 19 anos depois do crime, em 28 de outubro de 2002, e cumpriu dois anos de prisão.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Brasil

Últimas notícias

França apoia pedido do TPI para mandados de prisão contra Netanyahu e líderes do Hamas

França apoia pedido do TPI para mandados de prisão contra Netanyahu e líderes do Hamas

País destacou ataque do 7 de outubro em Israel e ausência de ajuda humanitária em Gaza
SP: Carreta com carga de aerossol pega fogo e bloqueia Ayrton Senna

SP: Carreta com carga de aerossol pega fogo e bloqueia Ayrton Senna

Acidente foi registrado na altura de Guarulhos, no sentido interior do estado; caminhão ainda estava na rodovia, na manhã seguinte
WhatsApp vai restringir perfis que enviam mensagens em massa

WhatsApp vai restringir perfis que enviam mensagens em massa

Meta quer acabar com o spam e o envio disseminado de mensagens indesejadas e automáticas
Soldado desaparecido teria sido torturado antes de morrer

Soldado desaparecido teria sido torturado antes de morrer

Corpo de Luca Romano estava desaparecido desde abril, na Baixada Santista; vítima foi julgada pelo “tribunal do crime”
Ladrão infarta após roubar carro na zona sul de SP

Ladrão infarta após roubar carro na zona sul de SP

Crime foi registrado no Capão Redondo; outros três integrantes de quadrilha fugiram ao perceber a aproximação da polícia
Burger King é multado em R$ 200 mil por vender "Whopper Costela" sem costela

Burger King é multado em R$ 200 mil por vender "Whopper Costela" sem costela

Justiça entendeu que houve propaganda enganosa por omissão na divulgação do sanduíche
SP: Carro capota em pista da Marginal Pinheiros

SP: Carro capota em pista da Marginal Pinheiros

Pelo menos duas faixas foram interditadas, impactando trânsito na região
Fisiculturista alega queda, mas é preso suspeito de espancar mulher

Fisiculturista alega queda, mas é preso suspeito de espancar mulher

Homem ainda fez publicação nas redes sociais após internação; atleta levou vítima ao hospital, em Goiás
ENGANOSO: Fotos de alagamento no Maranhão são antigas e não retratam atual situação do estado

ENGANOSO: Fotos de alagamento no Maranhão são antigas e não retratam atual situação do estado

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Brasil Agora: Lula cobra prioridades para o RS; TSE retoma julgamento de Moro

Brasil Agora: Lula cobra prioridades para o RS; TSE retoma julgamento de Moro

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta terça-feira (21)
Publicidade
Publicidade