Publicidade

Igualdade de direitos entre mulheres e homens é defendida por 86%, diz ONU Mulheres

Relatório de entidade das Nações Unidas traz panorama das relações de gênero no Brasil; veja detalhes

Igualdade de direitos entre mulheres e homens é defendida por 86%, diz ONU Mulheres
Manifestação de mulheres feministas | Fernando Frazão/Agência Brasil
Publicidade

Você se considera uma pessoa que defende a igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres? A pergunta pautada pela Constituição Federal, que determina que "homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações", é respondida com um "não" por 6% dos brasileiros entrevistados pela Ipsos Brasil a pedido da ONU Mulheres, para a pesquisa Percepção Social sobre Direitos Humanos e sobre Mulheres Defensoras de Direitos Humanos.

+ Equidade de gênero no mercado depende de mudança cultural

A maioria das pessoas mantém um posicionamento favorável em defesa da equidade entre homens e mulheres (86%), embora 6% discordem e 7% não concordem nem discordem. 1% dos entrevistados não soube responder.

A igualdade salarial de gênero, sancionada como lei em 2023 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), também foi pauta do levantamento. Para 95% dos ouvidos, homens e mulheres devem ter o mesmo salário quando exercem a mesma função. Somente 4% discordam.

O relatório da ONU Mulheres destaca que, enquanto as pautas econômicas e relacionadas à igualdade de direitos seguem com altos níveis de concordância, há queda na defesa da livre manifestação de mulheres. Os dados mostram que 16% dos entrevistados discordam que as mulheres devem protestar por igualdade de direitos do jeito que acharem melhor. 79% concordam com a afirmação, enquanto 4% não concordam nem discordam. 1% dos ouvidos não sabe.

Segundo o documento, "a defesa da prática da livre manifestação como um direito das mulheres reduziu em sentidos opostos de gênero e renda: homens mais ricos apoiam mais do que os mais pobres, enquanto mulheres de alta renda tendem a apoiar menos que as mais pobres".

Confira outros pontos da pesquisa:

  • 38% dos entrevistados se consideram feministas;
  • 51% não acreditam que mulheres brancas e negras têm o mesmo acesso a oportunidades e direitos;
  • 24% dos ouvidos acreditam que uma mulher só se sente realizada ao ter filhos;
  • 20% concordam que trabalhadoras domésticas têm muitos direitos;
  • 15% acham que mulheres não devem ter a mesma liberdade que os homens.

Reprodução/ONU Mulheres
Reprodução/ONU Mulheres

"Mesmo com um alto nível de discordância em relação a estereótipos, a misoginia e o sexismo ainda prevalecem em níveis elevados na sociedade brasileira. Esses estereótipos e comportamentos contribuem para perpetuar desigualdades e injustiças de gênero, afetando negativamente a vida das mulheres", conclui o relatório.

A pesquisa da ONU Mulheres entrevistou 1200 pessoas (homens e mulheres) maiores de 18 anos, nas cinco regiões do país, de 20 de dezembro de 2022 a 31 de janeiro de 2023. Os resultados foram publicados somente agora, em 2024.

O relatório também traz números de outro levantamento, feito em 2021. Como o número de homens e mulheres ouvidos mudou entre os anos, não fizemos a comparação entre os dois dados.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Mulher
Brasil
Igualdade salarial

Últimas notícias

SP: Memorial da América Latina recebe festa junina gratuita a partir deste sábado (15)

SP: Memorial da América Latina recebe festa junina gratuita a partir deste sábado (15)

Evento contará com mais de 500 opções de pratos, espaço kids e pet friendly; veja programação
Lula quebra silêncio e comenta sobre PL antiaborto: “insanidade"

Lula quebra silêncio e comenta sobre PL antiaborto: “insanidade"

Presidente disse que não é a favor do procedimento, mas que tema precisa ser tratado como questão de saúde publica
Pix representou 30% das transações no comércio eletrônico em 2023, diz pesquisa

Pix representou 30% das transações no comércio eletrônico em 2023, diz pesquisa

Meio de pagamento instantâneo ficou atrás apenas do cartão de crédito; popularidade deve crescer até 2027
Ginecologistas pedem que Lira retire PL que equipara aborto a homicídio da pauta da Câmara

Ginecologistas pedem que Lira retire PL que equipara aborto a homicídio da pauta da Câmara

Federação criticou proposta e disse que tema necessita de ampla discussão prévia
Juscelino terá reunião decisiva com Lula, mas fragilidade do governo na Câmara pode frear demissão

Juscelino terá reunião decisiva com Lula, mas fragilidade do governo na Câmara pode frear demissão

Ministro das Comunicações tem apoio do União Brasil com quem Lula deve negociar troca no comando da pasta
Prefeito tem celular roubado durante live no Rio Grande do Sul

Prefeito tem celular roubado durante live no Rio Grande do Sul

Aparelho foi recuperado depois do rastreamento do carro usado pelo criminoso
Morre adolescente de 14 anos, vítima do incêndio em oficina de motos em SC

Morre adolescente de 14 anos, vítima do incêndio em oficina de motos em SC

Bernardo Alves da Silva estava internado em estado grave desde o começo do mês
Ucrânia chama exigências de Putin de "absurdas" e rejeita plano de cessar-fogo

Ucrânia chama exigências de Putin de "absurdas" e rejeita plano de cessar-fogo

Governo defendeu que presidente russo está tentando “enganar” as potências mundiais para minar os esforços diplomáticos de paz
Kate Middleton faz primeira aparição pública após diagnóstico de câncer

Kate Middleton faz primeira aparição pública após diagnóstico de câncer

Princesa de Gales participou do Trooping the Colour, desfile que comemora o aniversário do rei Charles III
Governo de SP prorroga vacinação contra paralisia infantil até 30 de junho

Governo de SP prorroga vacinação contra paralisia infantil até 30 de junho

Objetivo é imunizar 95% das crianças entre um e quatro anos; aplicação será feita nas UBSs do estado
Publicidade
Publicidade