Publicidade

Governo deve implementar seis unidades da Casa da Mulher Indígena a partir de 2025

Iniciativa de enfrentamento à violência é parte do Pacto Nacional de Prevenção aos Feminicídios, lançado na terça (19)

Governo deve implementar seis unidades da Casa da Mulher Indígena a partir de 2025
Publicidade

A secretária de Enfrentamento à Violência Contra Mulheres, Denise Motta Dau, afirmou em entrevista ao programa "A Voz do Brasil" dessa quarta-feira (20) que o governo tem a intenção de implementar uma Casa da Mulher Indígena (CAMI) em cada um dos seis biomas brasileiros a partir de 2025.

+ Cármen Lúcia diz que "vida de uma mulher para chegar a qualquer cargo não é fácil" em julgamento no TSE

A iniciativa tem como objetivo promover ações de prevenção e enfrentamento à violência contra mulheres e meninas deste grupo social e faz parte do Pacto Nacional de Prevenção aos Feminicídios, que teve plano de ação lançado na terça (19).

Nas CAMIs, serão oferecidos serviços especializados de atendimento e acolhimento às indígenas em situação de violência, considerando as peculiaridades dos territórios e das diversas possibilidades de mazelas que as atingem.

Nesses espaços, a vítima encontra uma série de serviços, como: promotoria pública, vara criminal de enfrentamento à violência de gênero, delegacia especializada, atendimento social, psicológico, redirecionamento de trabalho e hospedagem por 48h.

Atualmente, há nove em funcionamento para todas as mulheres do país.

"Nós pretendemos, num projeto piloto, implementar uma [Casa da Mulher Indígena] em cada um dos seis biomas do país, inicialmente. Para implantação nos biomas, nós faremos antes plenárias com as mulheres indígenas, para que elas nos digam quais são os serviços principais que elas necessitam", explicou a secretária.

+ Poder Expresso: O desafio das mulheres na busca de direitos

Ainda segundo Motta Dau, será feita uma seleção pública, com parceria do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), para que arquitetos de todo país apresentem projetos ao desenho arquitetônico das casas.

“Elas [CAMIs] entram no que nós chamamos de medidas secundárias. Elas acontecem quando a mulher já enfrentou uma situação de violência”, explica Denise sobre os serviços que serão oferecidos a mulheres indígenas
“Elas [CAMIs] entram no que nós chamamos de medidas secundárias. Elas acontecem quando a mulher já enfrentou uma situação de violência”, explica Denise sobre os serviços que serão oferecidos a mulheres indígenas

Pacto Nacional de Prevenção aos Feminicídios

Anunciado pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, na terça (19), a iniciativa tem um orçamento previsto de R$ 2,5 bilhões e contará com a integração de onze pastas do governo federal. No total, serão 73 ações sobre a temática.

Serão realizadas oficinas, campanhas, formações de mulheres, instrução de lideranças comunitárias e qualificações profissionais da atenção primária à saúde.

"O nosso trabalho é garantir que nós não tenhamos tantas mulheres mortas neste país", afirmou a ministra.

O pacto é dividido em três eixos:

  • medidas para evitar a violência;
  • combate à misoginia;
  • medidas de reparação a vítimas ou a seus familiares.
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Brasil
Mulher
Indígenas
Feminicídio

Últimas notícias

STF discute, nesta quinta (13), desoneração dos agrotóxicos

STF discute, nesta quinta (13), desoneração dos agrotóxicos

No plenário virtual, os ministros já haviam formado maioria a favor dos benefícios fiscais, mas ainda há tempo de reverter o placar no plenário físico
Futuro de Juscelino depende de negociação com União Brasil por fidelidade no Congresso

Futuro de Juscelino depende de negociação com União Brasil por fidelidade no Congresso

Ministro indiciado ganha tempo para se defender enquanto Lula estiver cumprindo agenda pela Europa
Entenda como decisão do STF pode aumentar o seu saldo do FGTS

Entenda como decisão do STF pode aumentar o seu saldo do FGTS

Os ministros decidiram, nesta quarta (12), que correção do Fundo deve ser pelo IPCA, a fim de evitar perdas inflacionárias
PF abre inquérito para investigar leilão do arroz, para suprir demanda com tragédia no RS

PF abre inquérito para investigar leilão do arroz, para suprir demanda com tragédia no RS

Conab, responsável pela compra dos grãos importados, suspendeu o negócio após suspeitas de irregularidades
Polícia argentina usa gás de pimenta para reprimir protestos contra a Lei de Bases

Polícia argentina usa gás de pimenta para reprimir protestos contra a Lei de Bases

Pacote de reformas enviado pelo governo Milei está em debate no Senado
Tarcísio autoriza abertura de licitação para privatizar gestão de 33 novas escolas

Tarcísio autoriza abertura de licitação para privatizar gestão de 33 novas escolas

O prazo de concessão será de 25 anos, de acordo com a Secretaria de Educação do estado
Alexandre de Moraes prorroga mais uma vez inquéritos das fake news e milícias digitais

Alexandre de Moraes prorroga mais uma vez inquéritos das fake news e milícias digitais

O ministro deu mais 180 dias para conclusão das investigações, atendendo a pedido feito pela Polícia Federal (PF)
Lula: “O Brasil não vai desperdiçar oportunidade de se tornar uma grande economia”

Lula: “O Brasil não vai desperdiçar oportunidade de se tornar uma grande economia”

Presidente brasileiro participou de abertura de evento no Rio de Janeiro que reúne investidores árabes e brasileiros
Senado aprova projeto que obriga restaurantes a terem cartaz ensinando manobra de desengasgo

Senado aprova projeto que obriga restaurantes a terem cartaz ensinando manobra de desengasgo

Texto foi aprovado na forma de um substitutivo da relatora, senadora Damares Alves (Republicanos-DF), e volta agora à Câmara dos Deputados
Erika Hilton processa Nikolas Ferreira por crime de transfobia e cobra indenização de R$ 5 milhões

Erika Hilton processa Nikolas Ferreira por crime de transfobia e cobra indenização de R$ 5 milhões

A acusação da deputada foi após uma fala de Nikolas na reunião da Comissão da Defesa dos Direitos das Mulheres, na última quarta-feira
Publicidade
Publicidade