Publicidade

Com a faca e o sangue nas mãos

A violência nos esfaqueou por dentro e mostrou que o problema é muito mais grave do que imaginávamos

Com a faca e o sangue nas mãos
Publicidade

Essa semana entramos num estado de luto coletivo. Um sentimento de impotência diante da fúria de um menino de 13 anos e de tantos outros que, motivados pelo mesmo ódio, saíram da escuridão dos seus quartos. Ódio que não nasceu do dia para noite. Foi cultivado, irrigado, mastigado e deve ter um gosto muito amargo para quem sente. E quem sente ainda são crianças que não sabem lidar com esse sentimento.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Ódio que não sai com um grito de socorro, mas é descrito num tweet e em fotos com armas que foram compartilhadas numa conversa de whatsapp. Esse ódio precisa de palco.  

Esse texto é uma facada nas minhas costas também. Foi duro noticiar tantos casos na mesma semana, ver tantos vídeos sobre crimes parecidos e pensar: qual é o nosso papel no meio disso tudo? Será que a mídia, de alguma forma, com a divulgação dessas imagens, colabora com esse culto ao ódio? 

Estamos todos atrás de respostas. Pais se culpam pela falta de atenção dada aos filhos, professores de mãos atadas, falta de políticas públicas mais eficientes por parte do estado, mídia tateando a forma correta de noticiar. Sim, estamos perdidos. 

Sinto que tapamos os olhos. Ou melhor, estamos olhando para o lado errado. A violência nos esfaqueou por dentro e mostrou que o problema é muito mais grave do que imaginávamos. Não há apenas um culpado. É estrutural. Ninguém conseguirá sozinho por um fim nisso. 

Não adianta dizer que é a geração do "mimimi". Sem acolhimento, perderemos a batalha. Nossos meninos e meninas continuarão buscando o ódio para serem vistos e ouvidos. Penso que a nossa sociedade precisa priorizar o que realmente importa, investir em cuidados com a saúde mental.

Na infância, a criança precisa de atenção, mas estamos sem tempo. Trocamos a nossa presença pelo videogame, celular, tablet. Não paramos para escutar o que eles têm a dizer. Resultado, quando eles crescem não conseguem mais nos dizer nada. Não construímos essa relação.

Que então a gente comece hoje. Vamos abrir a porta dos quartos, estipular o horário da conversa, a rotina de almoço e jantar sem celulares na mesa. Façamos algo. Fico imaginando se alguns minutos de conversa, um abraço, um afeto no final do dia, uma demonstração de acolhimento e amor, não poderiam ter salvado a vida da professora e a desse menino. 

A polícia na escola não vai proteger nossos filhos desses sentimentos, mas nós podemos ensiná-los a lidar com eles. Para isso, precisamos também aprender a lidar com as nossas dores e vazios. Que a gente não tenha medo de mergulhar lá no fundo, repensar nosso comportamento, mostrar nossa vulnerabilidade. 

As escolas precisam rever os métodos de ensino, capacitar profissionais e trabalhar em conjunto com as famílias. Só conseguiremos prevenir atos assim se trabalharmos nosso olhar para ter tempo, dar atenção, ouvir as demandas de nossos filhos sem julgamentos.

Não existe apenas um "assassino" nessa história toda. Estamos todos com a faca nas mãos. É hora de reconhecer e enfrentar o perigo. Sem sangue nos olhos. Não é fácil. 
Mas não existe dor maior do que sentir que o tempo passou e não fizemos nada. O pior aconteceu! É hora de agir para salvar as próximas gerações.

Leia também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
coluna
colunista
colunista-marcia-dantas
ataque
escola
facada
coluna-marcia-dantas
menino
luto

Últimas notícias

Mais de 20% das indicações de cirurgia para endometriose são desnecessárias, conclui estudo

Mais de 20% das indicações de cirurgia para endometriose são desnecessárias, conclui estudo

Pesquisa do Hospital Albert Einstein mostra que, na maioria dos casos, a doença pode ser tratada com medicação
Uma em cada oito pessoas no mundo sofre com obesidade

Uma em cada oito pessoas no mundo sofre com obesidade

Além dos obesos, a pesquisa constatou que 43% dos adultos do mundo estão com sobrepeso
Mosquito da dengue oferece risco também a cachorros e gatos

Mosquito da dengue oferece risco também a cachorros e gatos

Aedes aegypti pode transmitir aos pets doença conhecida como 'verme do coração'; conheça sintomas e tratamento
José Dirceu deve ter alta hospitalar neste sábado

José Dirceu deve ter alta hospitalar neste sábado

Político está internado desde o dia 25 de fevereiro por causa de uma pneumonia
Brasil volta a ser top 10 das maiores economias do mundo com PIB de 2023

Brasil volta a ser top 10 das maiores economias do mundo com PIB de 2023

País ocupa atualmente a 9ª colocação, à frente de Canadá, Rússia e Austrália. Confira lista
Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Dois ministros do STM consideraram homicídio culposo a ação do Exército que teve 257 tiros de fuzil e resultou em duas mortes
Mistura de biodiesel no diesel sobe para 14% a partir desta sexta

Mistura de biodiesel no diesel sobe para 14% a partir desta sexta

Combinação evita a emissão de 5 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera
Aumento de casos de doenças como a dengue deve causar impacto de até R$ 20 bilhões no PIB

Aumento de casos de doenças como a dengue deve causar impacto de até R$ 20 bilhões no PIB

País pode fechar o ano com mais de quatro milhões de infectados por arboviroses
Belo Horizonte inaugura hospital de campanha para atendimento de pacientes com dengue

Belo Horizonte inaugura hospital de campanha para atendimento de pacientes com dengue

Minas Gerais é o estado com o maior número de casos prováveis da doença
Polícia prende 23 pessoas que aplicavam golpes em comerciantes de sete estados

Polícia prende 23 pessoas que aplicavam golpes em comerciantes de sete estados

"Central de telemarketing do crime" funcionava em São Paulo; idosos eram vítimas preferidas
Publicidade
Publicidade