Publicidade

Deputadas de esquerda e de direita debatem aborto após estupro

Discussão entre Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Franciane Bayer (Republicanos-RS) ocorre em meio a aprovação da urgência de projeto de lei na Câmara sobre o tema

Deputadas de esquerda e de direita debatem aborto após estupro
Publicidade

O Poder Expresso desta quinta-feira (13) proporcionou o debate entre duas deputadas federais, cada uma como representante de diferentes campos políticos (esquerda e direita), para discutir o aborto após casos de estupro.

As parlamentares Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Franciane Bayer (Republicanos-RS) falaram sobre o tema depois que a Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a urgência do projeto de lei que equipara o aborto ao crime de homicídio.

Para Sâmia, o PL representa um “retrocesso grave”, pois viola o direito que vítimas em casos de estupro têm para recorrer ao aborto depois de 22 semanas de gestação.

“Não é por uma opção, porque cria uma ideia de que essas mulheres, ou essas meninas, são relapsas ou perversas. Não! São 22 semanas porque muitas das vítimas não conseguem identificar que foram vítimas de estupro, não conseguem fazer a denúncia, procurar ajuda, e muitas vezes descobrem sozinhas que estão grávidas. Mas tem um segundo motivo: o fato de serem 22 semanas não muda o fato de que aconteceu um estupro, e não é justo que essa vítima vá para o banco dos réus”, avaliou.

Já Franciane se posiciona contra o aborto em qualquer situação, e defende que o tempo de 22 semanas já é suficiente para que o feto se torne um bebê, que poderia sobreviver fora do útero.

“A mulher ou a menina adolescente vai passar por um procedimento de parto, ou normal, ou cesárea para retirar o bebê morto. O que trazemos nesse projeto é a criminalização deste ato, de matar um bebê inocente no ventre. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) ampara a adoção, a entrega para adoção voluntária. Uma coisa é o estuprador, que tem que ser punida, e outra coisa é a criminalização do aborto a partir de 22 semanas”, analisou.

Entenda o projeto

De autoria do deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), a proposta quer alterar o Código Penal de modo que aborto em fetos com mais de 22 semanas tenha a mesma pena que um homicídio simples, que pode chegar até 20 anos de reclusão.

Atualmente, o aborto não previsto em lei é punido com penas que variam de um aos três anos, quando provocado pela gestante ou com seu consentimento, e de três a dez anos, quando feito sem o consentimento da gestante.

A proposta também altera o artigo 128 do Decreto-lei n.º 2.848, que estabelece casos em que o aborto é legal. Hoje, a lei permite o aborto nos casos de estupro; de risco de vida à mulher e de anencefalia fetal (quando não há formação do cérebro do feto), e não estipula um prazo máximo para o procedimento.

Caso o PL seja aprovado, mesmo em casos de estupro, se houver viabilidade fetal e a gestação esteja acima de 22 semanas, a mulher e a equipe médica que realizar o aborto poderão ser criminalizadas.

Assista:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Aborto
Câmara
Deputado
polêmica
Gravidez
Gestantes e puérperas
Saúde
estupro

Últimas notícias

Eleições Municipais 2024: Em Belém, Edmilson Rodrigues tenta reeleição mas enfrentará bolsonarista e divisão de votos

Eleições Municipais 2024: Em Belém, Edmilson Rodrigues tenta reeleição mas enfrentará bolsonarista e divisão de votos

Além de vieses ideológicos, disputa na capital do Pará soma oito pré-candidatos e deve ter projeção nacional pela COP 30
"Ainda Estou Aqui", novo filme de Walter Salles, concorre ao Leão de Ouro no Festival de Veneza; veja lista

"Ainda Estou Aqui", novo filme de Walter Salles, concorre ao Leão de Ouro no Festival de Veneza; veja lista

Longa reúne novamente diretor e estrela de "Central do Brasil", Fernanda Montenegro; elenco ainda traz Selton Mello e Fernanda Torres
Tabata Amaral, pré-candidata do PSB  à prefeitura de São Paulo, é sabatinada

Tabata Amaral, pré-candidata do PSB à prefeitura de São Paulo, é sabatinada

Deputada federal é a terceira a participar de rodada de entrevistas promovida pelo SBT News, em parceria com a rádio Novabrasil
ENGANOSO: Vídeo enganoso sugere imposto de 26,5% sobre todo autônomo; reforma tributária cria exceções

ENGANOSO: Vídeo enganoso sugere imposto de 26,5% sobre todo autônomo; reforma tributária cria exceções

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Funcionária é demitida por justa causa após difamar empresa no LinkedIn

Funcionária é demitida por justa causa após difamar empresa no LinkedIn

Trabalhadora tentou recorrer, mas decisão foi mantida pela Justiça de Minas Gerais
Brasil Agora: Fazenda anuncia bloqueios no Orçamento; Kamala sobe tom contra Trump

Brasil Agora: Fazenda anuncia bloqueios no Orçamento; Kamala sobe tom contra Trump

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta terça-feira (23)
Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 61 milhões nesta terça-feira (23)

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 61 milhões nesta terça-feira (23)

Apostas podem ser feitas em casas lotéricas ou pela internet até as 19h
Presidente da Colômbia assina projeto de lei que proíbe touradas no país

Presidente da Colômbia assina projeto de lei que proíbe touradas no país

Medida atende pedidos de ativistas dos direitos dos animais; implementação será gradual até 2027
Servidores rejeitam proposta de reajuste do governo e anunciam greve geral

Servidores rejeitam proposta de reajuste do governo e anunciam greve geral

Paralisação acontecerá entre 31 de julho e 1 de agosto; serviços de fiscalização e de abastecimento de luz e água podem ser afetados
Ataque israelense deixa 70 mortos e 200 feridos na Faixa de Gaza

Ataque israelense deixa 70 mortos e 200 feridos na Faixa de Gaza

Exército alegou que integrantes do Hamas estavam se escondendo em zona humanitária
Publicidade
Publicidade