Publicidade

Gerentes de banco são presos em fraude que movimentou R$ 500 milhões em dois anos no RJ

No total, seis pessoas foram denunciadas pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica, lavagem de capitais e organização criminosa

Gerentes de banco são presos em fraude que movimentou R$ 500 milhões em dois anos no RJ
Publicidade

Quatro homens foram presos, nesta quinta-feira (13), em uma operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (GAECO/MPRJ) e pela Polícia Civil do estado.

Segundo as investigações, a quadrilha é especializada na prática de lavagem de dinheiro e fraudes bancárias em grande escala e teriam movimentado, entre 2020 e 2022, aproximadamente R$ 500 milhões.

Os presos são: Jefferson de Aguiar Leal, apontado como chefe da organização criminosa, João Vitor Hibner de Figueredo, operador do esquema, Leonardo de Oliveira Tonelli, ex-gerente de banco, e Osiris Alves de Luca Filho, gerente de banco. Além dos mandados de prisão, os agentes também cumprem dez mandados de busca e apreensão.

De acordo com o Ministério Público, ao todo, seis pessoas foram denunciadas à Justiça pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica, lavagem de capitais e organização criminosa. Os dois gerentes trabalhavam em uma instituição bancária localizada em Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, que teve prejuízo de R$ 8 milhões causados pelo grupo criminoso entre 2019 e 2020.

Ainda segundo as investigações, além do banco prejudicado, outras instituições financeiras também foram alvo do mesmo grupo. A pedido do MPRJ, a 1ª Vara Criminal Especializada em Organização Criminosa determinou o bloqueio de R$ 8 milhões em bens e valores dos denunciados

Holding para lavagem de dinheiro

Para ocultar a origem do montante em dinheiro, os criminosos criaram uma holding — empresa de participações — de bancos já existentes. Com a holding, os gerentes passaram a usar documentação falsa e atividade empresarial supostamente desenvolvida para abrir conta para as empresas de fachada.

"As contas foram utilizadas para respaldar empréstimos milionários e diversas vantagens junto à instituição financeira", detalha o Ministério Público.

A denúncia conclui que, sem atividade financeira, as empresas serviam apenas como uma ferramenta para esconder a verdadeira atividade — financeira ou ilícita — realizada.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Polícia
Polícia Civil
Rio de Janeiro
Quadrilha
Crime

Últimas notícias

Biden volta a se pronunciar sobre atentado contra Trump: "política não deve ser campo de matança"

Biden volta a se pronunciar sobre atentado contra Trump: "política não deve ser campo de matança"

Presidente dos EUA defendeu democracia como arena para debates pacíficos
Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Pagamentos do Bolsa Família começam nesta semana; veja datas

Benefício é destinado a famílias com renda per capita de até R$ 218
SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

SBT News na TV: Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões em rifa virtual

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta segunda-feira (15); assista!
Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Vídeo: Nego Di chega algemado ao Palácio da Polícia em Porto Alegre após ser preso por estelionato

Ele é suspeito de aplicar um golpe de rifa virtual que causou prejuízo de R$ 5 milhões a clientes
Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

Após identificar atirador, FBI busca informações sobre a motivação do atentado contra Trump

O diretor da polícia dos Estados Unidos declarou que as autoridades “não deixarão pedra sobre pedra” na investigação sobre a tentativa de assassinato
Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

Jornalismo ambiental e de dados e pautas sociais foram destaques no Congresso da Abraji

19º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo terminou neste domingo (14), em São Paulo
Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Vítima de atentado contra Trump morreu tentando proteger sua família

Corey Comperatore, de 50 anos, era bombeiro e tinha duas filhas. Ele morreu pelos disparos de Thomas Crooks. Outros dois homens foram feridos gravemente
Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Lula lamenta morte do pai do ex-governador do Rio Sergio Cabral

Em nota de pesar, o presidente da República ressaltou, entre outros atributos, a “irreverência” na carreira do jornalista, que faleceu aos 87 anos
Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Segundo analistas, chance de retorno do ex-presidente ao poder aumentou, e ele é a favor da desregulamentação do mercado financeiro
Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Thomas Matthew Crooks, de 20 anos, foi o atirador que tentou assassinar Donald Trump
Publicidade
Publicidade