Publicidade

Presos por confusão na Alesp vão responder por lesão corporal, associação criminosa e resistência

Três homens e uma mulher foram presos após confronto entre manifestantes e a PM durante votação que aprovou a privatização da Sabesp

Presos por confusão na Alesp vão responder por lesão corporal, associação criminosa e resistência
Publicidade

As quatro pessoas presas durante o protesto contra a privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) na noite dessa 4ª feira (06.dez) na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), vão responder por lesão corporal, dano, associação criminosa, resistência e desobediência. O grupo formado por três homens e uma mulher passou a noite no 27° Distrito Policial (DP), do Campo Belo, zona sul paulistana, e foi levado ao Fórum Criminal da Barra Funda no final da manhã desta quinta-feira (7) para audiência de custódia.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

A advogada Raquel Brito, que acompanha o caso, classificou a prisão como "injusta" afirmou que houve ilegalidades na condução das pessoas. Ela diz ter confiança de que todos serão liberados na audiência de custódia. Um grupo de manifestantes passou a noite em vigília em frente ao 27º DP.

Privatização

A Alesp aprovou nessa quarta-feira o Projeto de Lei 1.501/2023, que autoriza o governo estadual a vender o controle da Sabesp. Foram 62 votos favoráveis e um contrário de um total de 94 votos. Todos os deputados de oposição se retiraram do plenário e não participaram da votação.

A sessão foi marcada por protestos de trabalhadores da companhia e organizações da sociedade civil que são contrários à privatização da empresa. A votação chegou a ser suspensa, e a galeria do plenário foi esvaziada. De acordo com a assessoria de comunicação da Alesp, isso ocorreu "após uma parte dos manifestantes comprometer a segurança e entrar em confronto com a Polícia Militar". A discussão da proposta foi retomada em seguida.

Parlamentares do PT de São Paulo acionaram a Justiça para anular o contrato entre o governo estadual e a International Finance Corporation (IFC), entidade do Banco Mundial que auxilia os estudos de privatização da Companhia de Saneamento Básico do estado (Sabesp). A ação foi protocolada na 2ª feira (4.dez), dois dias antes do projeto de desestatização ser aprovado pela Assembleia Legislativa (Alesp).

No texto, os parlamentares contestam a pesquisa que deu parecer favorável à privatização da Sabesp, alegando que a IFC realizou o estudo de forma parcial. Isso porque o contrato com o governo estadual previa um benefício financeiro milionário à entidade caso a desestatização da companhia de saneamento básico fosse considerada.

"Nota-se: a IFC recebe cerca R$ 8 milhões se concluir pela desnecessidade de privatização na "Fase 0" dos trabalhos, mas poderá receber R$ 45 milhões se for favorável à medida, prosseguindo com os trabalhos das Fases 1 e 2. Ou seja, pelo modelo do contrato firmado, é mais vantajoso economicamente para a consultora concluir pela vantagem da desestatização da Sabesp", afirmam os parlamentares na ação pública.

A privatização da Sabesp é defendida pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) desde o período eleitoral. A ideia é vender parte das ações da companhia pelo modelo de oferta pública e permanecer com uma participação acionária menor, mas ainda relevante. Isso permitirá que o governo vete decisões importantes, como mudança de nome da companhia, atividade econômica ou limite máximo de votos por acionistas.

Segundo Tarcísio, entre as diretrizes para a desestatização da Sabesp está a universalização do saneamento básico nos municípios atendidos, incluindo áreas rurais e núcleos urbanos informais. Outra meta é a redução da tarifa cobrada pela companhia, por meio da criação do Fundo de Apoio à Universalização do Saneamento no Estado (FAUSP).

Apesar de soar positiva, a proposta é criticada por funcionários da Sabesp, que argumentam que a privatização pode encarecer e piorar o serviço de saneamento básico no estado. Os trabalhadores já realizaram três paralisações contra a desestatização da companhia neste ano, sendo a última na 3ª feira (28.nov), juntamente com funcionários do Metrô e da Companhia Paulista dos Trens Metropolitanos (CPTM).

A greve, no entanto, não surtiu efeitos. Após a aprovação do projeto pela Alesp, Tarcísio comemorou, afirmando que a decisão representa um grande avanço para São Paulo. "Isso ajudará a construir um legado de universalização do saneamento, de despoluição de mananciais, de aumento da disponibilidade hídrica e de saúde para todos", disse.

O que acontece agora?

Com a aprovação pela Alesp, o projeto de desestatização da Sabesp foi enviado à sanção do governador e será publicado no Diário Oficial do Estado. Em paralelo, a gestão estadual irá conversar com todos os municípios para a renovação do contrato de concessão até 2060, garantindo a inclusão dos mais vulneráveis e os investimentos necessários para a universalização do serviço de saneamento básico.

+ Além da Sabesp, Tarcísio planeja outras 14 privatizações em SP

Segundo o governo, também estão sendo definidas as novas regras para revisões tarifárias, em um modelo moderno que consegue combinar tarifa mais barata com o incentivo a novos investimentos. Todas essas definições devem acontecer antes do início da oferta pública das ações na Bolsa de Valores, no primeiro semestre de 2024. A previsão é que todo o processo seja concluído até julho de 2024.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
alesp
sabesp
são paulo
notícias
polícia
brasil

Últimas notícias

Governo propõe aumento de R$ 90 no salário mínimo e déficit zero em 2025

Governo propõe aumento de R$ 90 no salário mínimo e déficit zero em 2025

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2025 foi apresentado nesta segunda-feira (15)
Adolescente de 17 anos é estuprada pelo cunhado no interior de SP

Adolescente de 17 anos é estuprada pelo cunhado no interior de SP

Vítima estava na casa da irmã e cuidava dos sobrinho quando sofreu a violência, neste final de semana
Poder Expresso: Irã ataca Israel, conflito pode ter reflexos econômicos no Brasil

Poder Expresso: Irã ataca Israel, conflito pode ter reflexos econômicos no Brasil

A edição desta segunda-feira (15) analisa como a escalada do confronto no Oriente Médio pode atingir brasileiros
Por que existem gêmeos siameses? Entenda

Por que existem gêmeos siameses? Entenda

As causas dessa anomalia rara ainda não são bem explicadas pela ciência, mas a descoberta pode vir durante a gestação
Conflito entre Irã e Israel pode impactar preço do petróleo no Brasil

Conflito entre Irã e Israel pode impactar preço do petróleo no Brasil

Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira afirmou que criou grupo de trabalho para acompanhar possível acirramento do conflito e suas consequências
Detran-RJ volta a cobrar pagamento de Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo digital

Detran-RJ volta a cobrar pagamento de Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo digital

Após determinação judicial, os motoristas vão precisar quitar taxas de 2023 e 2024 no valor de R$ 76,77 por ano
NAB Show: Saiba quem é 'Ameca', robô humanóide movido por IA que interagiu com o público em Las Vegas

NAB Show: Saiba quem é 'Ameca', robô humanóide movido por IA que interagiu com o público em Las Vegas

Descrito como o “robô humanoide mais avançado do mundo” participou de painel na maior feira de tecnologia do mundo voltada para televisão
Entidade internacional critica PEC das Drogas e recomenda rejeição

Entidade internacional critica PEC das Drogas e recomenda rejeição

A Human Rights Watch defendeu em nota que Brasil deveria adotar estratégias de saúde pública em vez de criminalizar o consumo
Fórum de Segurança Pública manifesta apoio à decisão de Lula sobre lei das saidinhas

Fórum de Segurança Pública manifesta apoio à decisão de Lula sobre lei das saidinhas

Instituição considera que fim do benefício aos detentos pode gerar retaliações de difícil controle para governos estaduais
Governo prevê aumento de 6,37% no salário mínimo de 2025

Governo prevê aumento de 6,37% no salário mínimo de 2025

Seguindo política de valorização terminada por Lula, reajuste elevará valor a R$ 1.502; a proposta ainda pode sofrer alterações até janeiro de 2025
Publicidade
Publicidade