Publicidade

Saiba quem é Javier Milei, presidente eleito da Argentina

Candidato de extrema-direita é um personagem repleto de peculiaridades e promete mudanças radicais na economia e na administração pública argentina

Saiba quem é Javier Milei, presidente eleito da Argentina
Reprodução
Publicidade

Javier Milei, 52, venceu as eleições presidenciais argentinas, neste domingo (19.nov), após uma intensa disputa com o adversário Sergio Massa. O candidato da extrema-direita é alinhado a nomes como Jair Bolsonaro, aqui no Brasil, e Donald Trump, nos Estados Unidos. Após ficar em 2º no 1º turno, Milei recebeu apoios de nomes como o ex-presidente argentino Mauricio Macri e da terceira colocada nas eleições, Patricia Bullrich.

Javier Milei é filho de um motorista de ônibus que se tornou empresário no ramo dos transportes com uma dona de casa. Ele cresceu em um lar violento, em Buenos Aires, e costuma dizer que para ele "os pais estão mortos". Devido ao contexto de agressividade doméstica, cresceu como um jovem solitário.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Estudou no Colégio Cardenal Copello, em Villa Devoto. A passagem dele por lá foi marcada por bullying. Na biografia não autorizada, o jornalista Juan Luis González afirma que Milei era "um menino retraído e calado que gostava de dançar ao melhor estilo Mick Jagger" - do Rolling Stones. No ensino superior, formou-se em em economia pela Universidade de Belgrano - onde o adversário Sergio Massa estudou direito. 

Autodeclarado "anarcocapitalista", ele é o líder da coalizão "Liberdade Avança (Libertad Avanza)", que defende ideias ultraconservadoras no social e possui postura ultraliberal na economia. Aos dezoito anos, tentou ser goleiro das categorias de base do time Chacarita Junior. "Não sou torcedor do Chacarita, mas passei a fazer parte do time profissional em 1989", declarou à rádio Urbana Play FM de Buenos Aires. 

Milei vive com cinco cachorros da raça Mastiff inglês, cada um pesando cerca de 100 quilos, a quem ele reconhece como sua verdadeira família. Caso seja eleito, vai tentar colocar a irmã caçula, Kamila Milei, no papel de primeira-dama, já que é solteiro.

Além da formação em economia, Milei tem dois mestrados no Instituto de Desarrollo Económico e Social (IDES) e na Universidade Torcuato di Tella. Foi economista-chefe da Máxima AFJP (empresa de previdência privada), economista-chefe do Estúdio Broda (empresa de assessoria financeira) e consultor governamental do Centro Internacional para a Arbitragem de Disputas Sobre Investimentos. Ele também era economista sênior do HSBC.

Sua primeira ligação mais próxima com a política foi entre 1995 e 1999, quando atuou como assessor do general Antonio Bussi, governador de Tucumán, acusado de crimes "contra a humanidade". Bussi também foi eleito deputado em 1999 e governou a província entre 1976 e 1977, durante o período da ditadura militar da Argentina. 

No entanto, o novo presidente argentino passou a ganhar popularidade a partir de 2015. Na época, ele era economista-chefe da Corporação América, que controlava diversas empresas. Naquele ano, Milei começou a fazer aparições em TVs locais com diversas críticas aos governos de Cristina Kirchner, Maurício Macri e Alberto Fernández, citando gastos desenfreados como um erro dos presidentes. Então, passou a defender ideias como "dinamitar o Banco Central" para dolarizar a economia argentina. 

Com ideias radicais somadas expostas em comentários agressivos, somados ao seu visual excêntrico e perfil enérgico, Milei foi ganhando visibilidade e popularidade. Passou a mirar voos altos na política e em 2021 se candidatou a deputado nacional da Câmara dos Deputados, pelo Libertad Avanza, mas já mirava conseguir mais popularidade para se lançar à presidência. 

No campo político-ideológico, o presidente eleito de extrema-direita defende posições contrárias ao aborto, mesmo em casos que a mulher tenha sido vítima de abuso sexual. Se eleito, deve acabar com o ministério da Mulher. Ele também costuma negar a existência do aquecimento global e credita, segundo ele, "a teoria à uma invenção cultural". Ele também é contrário ao movimento LGBTQIA+. 

Suas principais propostas de campanha presidencial foram a dolarização da economia em etapas, a redução dos gastos estatais e a privatização de empresas públicas. Além disso, sugere o fim das verbas rescisórias para reduzir os custos trabalhistas.

Milei é um defensor da fusão dos ministérios da Saúde e da Educação como uma forma de reduzir os gastos públicos. Além disso, ele defende um sistema de educação privado e que não seja obrigatório. Para isso, ele propõe a criação de vouchers pagos pelo governo para quem quiser estudar. Dentro do campo, ele também prevê a reforma do sistema de currículos na educação superior do país para focar na formação de engenheiros e cientistas da computação. 

Na área trabalhista, ele afirma que quer reduzir os impostos pagos por empregadores e também do salário dos trabalhadores. Ele também defende o fim das indenizações por demissões sem justa causa. 

Talvez a ideia mais polêmica de Javier Milei seja sobre a doação de órgãos. Em um programa de televisão no ano passado, ele propôs utilização de "mecanismos de mercado" para resolver o problema sobre transplantes de órgãos.

Frases:
- "O aquecimento global é uma mentira. [...]"Se olharmos os estudos, a temperatura de 10 mil anos atrás, 5 mil anos atrás estava no mesmo nível (da atual)."

- "Não vim aqui para liderar cordeiros, mas para despertar leões".

- "Deus é libertário e o sistema é a encarnação do Demônio", disse durante entrevista em 2018. Católico, Milei afirmou que possui a mesma visão de Deus e é um crítico ferrenho ao Papa Francisco, que é argentino. Além do Papa, o presidente da Argentina atacou o maior ídolo do país, o ex-craque Diego Armando Maradona, a quem chamou de "Maradroga". 

Desafios
O primeiro grande desafio de Javier Milei será reduzir a inflação e diminuir a grande recessão que o país vem enfrentando ao longo da última década e do começo da atual. Milei também precisará vencer a desconfiança de setores que julgam suas ideias muito "radicais", o que pode dificultar, inclusive, apoio dentro do Congresso. Apesar do Libertad Avanza ter saltado de três deputados na Câmara (Milei entre eles) para 37, o presidente argentino terá que contar com o apoio da coligação com o Juntos por el Cambio (93 deputados), de Patricia Bullrich, para conseguir maioria. Apesar da 3ª colocada nas eleições ter apoiado Milei no 2º turno, a negociação com a bancada não deve ser tão simples, devido às ideias disruptivas do novo presidente argentino. 

Peculiaridades:
- Milei se diz especialista em sexo tântrico.

- Afirma que viu Jesus Cristo duas vezes.

- Diz que recebeu de Deus a missão de ser o presidente da Argentina - o que inclui o fechamento do banco central do país.

- Em 2017, o líder do partido "La Libertad Avanza" quando Conan, seu mastim labrador, vivia seus últimos dias, Milei contratou um feiticeiro e depois um homem que seria "especialista em comunicação entre espécies". 

- Este último, segundo Milei, conseguiu "falar" com o cachorro, mesmo após a morte. O economista ficou chocado. Com o tempo, disse a pessoas próximas, também poderia "conversar" com pessoas mortas, como seus economistas favoritos - Friedman, Rothbard - e, graças à intercessão de Conan, com o "número um" - apontou o site La República.

- Após a morte do animal de estimação, Milei ficou tão arrasado que o "clonou" os cães nos Estados Unidos. O processo resultou em seis filhotes que Javier Milei apresenta como "netos".

- Cada um, diz ele, o aconselha. Se perguntado, Milei responde que Conan ainda está vivo. Mas não diz onde o cachorro estaria.

Leia também: 


 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

mundo
javier milei
sergio massa
eleições-argentina
argentina
noticias
portalnews
sbtnews

Últimas notícias

Israel afirma que guerra na Faixa de Gaza deve durar, ao menos, até o fim do ano

Israel afirma que guerra na Faixa de Gaza deve durar, ao menos, até o fim do ano

Governo israelense alega que esse é o prazo mínimo para aprofundar as "conquistas" e destruir a capacidade militar do Hamas
Argentina compra carga da Petrobras para lidar com escassez de gás

Argentina compra carga da Petrobras para lidar com escassez de gás

Temperaturas mais baixas do que o habitual já haviam aumentado a demanda, sobrecarregando o sistema no país
TSE mantém condenação do ex-governador do RJ Anthony Garotinho por crime eleitoral

TSE mantém condenação do ex-governador do RJ Anthony Garotinho por crime eleitoral

Além de inelegibilidade, ele foi condenado a 13 anos e 9 meses de prisão
Morre o humorista Joaquim Lopes Salgado, de "A Praça é Nossa"

Morre o humorista Joaquim Lopes Salgado, de "A Praça é Nossa"

Carismático, divertido, com a arte de fazer graça nas veias, Joaquim marcou o público através de sua trajetória em programas humorísticos do SBT
Barroso vota contra abertura de processos disciplinares de magistrados da Lava Jato

Barroso vota contra abertura de processos disciplinares de magistrados da Lava Jato

O presidente do CNJ discorda do corregedor nacional de justiça, Luis Felipe Salomão, que chegou a determinar o afastamento cautelar dos envolvidos
Poder Expresso: militares relatam drama de doenças associadas às chuvas no RS

Poder Expresso: militares relatam drama de doenças associadas às chuvas no RS

Ministério da Saúde (MS) se prepara para aumento significativo nos casos de leptospirose no Rio Grande do Sul
Senado aprova reajuste salarial para servidores federais

Senado aprova reajuste salarial para servidores federais

Projeto de Lei vai à sanção presidencial; os maiores reajustes previstos são para os policiais penais
Prejuízo com as chuvas no Rio Grande do Sul sobe para R$ 11 bilhões

Prejuízo com as chuvas no Rio Grande do Sul sobe para R$ 11 bilhões

Tragédia climática no estado já causou 169 mortes; 44 pessoas estão desaparecidas e mais de 97 mil desabrigadas
Tiroteio termina com criança e policial penal mortos em Senador Camará, no RJ

Tiroteio termina com criança e policial penal mortos em Senador Camará, no RJ

Motociclista que passava pelo local ficou ferido na ação
Eleição em São Paulo: Boulos e Nunes estão tecnicamente empatados, diz Datafolha

Eleição em São Paulo: Boulos e Nunes estão tecnicamente empatados, diz Datafolha

Pesquisa realizada entre segunda (27) e terça-feira (28) ouviu 1.092 eleitores da capital paulista
Publicidade
Publicidade