Publicidade

Líderes mundiais condenam ataque do Hamas em Israel

Macron, Scholz, Tajani, União Europeia se manifestam diante ataque surpresa que acontece no sul israelense

Líderes mundiais condenam ataque do Hamas em Israel
guerra em israel
Publicidade

Chefes de estado lamentam o ataque surpresa do Hamas, com milhares de bombas que atingiu o território de Israel na manhã deste sábado (07.out).

+ Após ataque surpresa do Hamas, Israel declara guerra
+ Ataque deixa mais de 100 mortos em Israel
+ Acompanhe a cobertura da guerra em Israel 
+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Representantes da União Europeia, Alemanha, França, Itália, Egito, Holanda e Bélgica se manifestaram diante da guerra que estoura no Oriente Médio, lamentando a violência e prestando apoio às famílias das vítimas. 

Confira abaixo as declarações oficiais divulgadas nas redes sociais:

A presidente da União Europeia, Ursula von der Leyen disse que é "o terrorismo na sua forma mais desprezível".

"Condeno inequivocamente o ataque levado a cabo pelos terroristas do Hamas contra Israel. É o terrorismo na sua forma mais desprezível. Israel tem o direito de se defender contra tais ataques hediondos".


O presidente da FrançaEmmanuel Macron prestou "total solidariedade às vítimas e familias". 

"Condeno veementemente os ataques terroristas que actualmente atingem Israel. Expresso a minha total solidariedade às vítimas, às suas famílias e entes queridos".

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, disse que os ataques com bombas do Hamas e a escalada da violência "nos chocam profundamente" e que o país "condena estes ataques do Hamas" reforçando o apoio estando "ao lado de Israel".

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, também condena o ataque e presta solidariedade aos israleneses vítimas do conflito.

"O Hamas aumenta a violência. Condeno veementemente os ataques terroristas de Gaza contra #Israel . A violência e os foguetes contra pessoas inocentes devem parar imediatamente. Israel tem a nossa total solidariedade e o direito, ao abrigo do direito internacional, de se defender contra o terrorismo".

Mark Rutte, primeiro-ministro da Holanda disse que a "violência tem que acabar". 

"Imagens terríveis de Israel. A organização terrorista Hamas realiza um ataque sem precedentes contra Israel. Civis inocentes sendo atacados por terroristas. Esta violência tem de acabar, Israel tem todo o direito de se defender dela".

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, definiu o ataque como "violência bárbara".

"O governo condena nos termos mais veementes os ataques a #Israele . A vida das pessoas, a segurança da região e a retomada de qualquer processo político estão em risco. O Hamas deve parar imediatamente com esta violência bárbara. Apoiamos o direito de ?? existir e defender-se".

O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Zbigniew Rau, considerou inaceitáveis os ataques e, principalmente, a violência contra os civis. 

"Condeno nos termos mais veementes os ataques em curso do Hamas contra Israel. Esta violência indiscriminada e os ataques implacáveis ??contra civis são inaceitáveis. Os nossos pensamentos e orações dirigem-se a todos os afetados por estes atos ultrajantes de agressão".


A primeira-ministra da Bélgica, Hadja Lahbib, condenou os ataques massivos de foguetes feitos pelo Hamas contra Israel, pois "a violência e o terror perpetuam o sofrimento e dificultam o caminho para o diálogo".

"A Bélgica condena veementemente os ataques maciços de foguetes contra civis israelitas. A violência e o terror apenas perpetuam o sofrimento e dificultam o caminho para o diálogo. Nossos pensamentos estão com todos os afetados. Estamos monitorando a situação de perto".


 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
mundo
guerra-israel
lideres
presidente
primeiro
ministro
europa
italia
itamaraty
governo
ataques
hamas
israel
guerra
violencia
mortes
feridos
alvos
civis
condena
diplomacia
noticias

Últimas notícias

No dia de São João, governo reconhece quadrilhas como manifestação da cultura nacional

No dia de São João, governo reconhece quadrilhas como manifestação da cultura nacional

Dança típica foi considerada relevante para a identificação regional nas apresentações juninas
"Pausas táticas não aliviam situação humanitária em Gaza", diz OMS

"Pausas táticas não aliviam situação humanitária em Gaza", diz OMS

Combates paralelos e contínuo deslocamento forçado de civis dificultam a entrega de ajuda na região
Intenção de consumo das famílias cresce 0,5% em junho e mantém índice positivo

Intenção de consumo das famílias cresce 0,5% em junho e mantém índice positivo

Resultado foi influenciado pelo acesso ao crédito e pelo aquecimento do mercado de trabalho
Brasil ultrapassa marca de 6 milhões de casos de dengue em 2024

Brasil ultrapassa marca de 6 milhões de casos de dengue em 2024

SP e MG seguem liderando ranking de infecções; número de mortes confirmadas chega a 4 mil
Ataques contra igrejas e sinagogas deixam mais de 15 mortos na Rússia

Ataques contra igrejas e sinagogas deixam mais de 15 mortos na Rússia

Homens armados invadiram os locais na tarde de domingo (23); autoridades investigam o caso
Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 6

Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 6

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente; calendário também conta com Auxílio Gás
SBT News na TV: Professores das universidades federais decidem encerrar greve

SBT News na TV: Professores das universidades federais decidem encerrar greve

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta segunda-feira (24); assista!
Netanyahu diz que combate intenso contra o Hamas está perto do fim, mas que guerra continuará

Netanyahu diz que combate intenso contra o Hamas está perto do fim, mas que guerra continuará

Primeiro-ministro israelense concedeu entrevista a uma emissora do país pela primeira vez desde o início da guerra
Universidades federais: professores decidem encerrar greve

Universidades federais: professores decidem encerrar greve

Paralisação nacional começou em abril. Retorno às aulas depende de decisão interna de cada instituição
Professores de ensino básico e técnico de instituições federais aceitam acordo e anunciam fim da greve

Professores de ensino básico e técnico de instituições federais aceitam acordo e anunciam fim da greve

Propostas de reajuste para as duas categorias foram aprovadas por 89 votos a 15
Publicidade
Publicidade